A inexplicável fonte da juventude ou a recusa em deixar de ser o melhor: Alejandro Valverde

Davide NevesMarço 25, 20183min0

A inexplicável fonte da juventude ou a recusa em deixar de ser o melhor: Alejandro Valverde

Davide NevesMarço 25, 20183min0
37 anos (a caminho dos 38) e não para de vencer. Valverde, nesta altura do ano, torna-se verdadeiramente numa máquina vencedora e venceu, pelo segundo ano consecutivo, a Volta à Catalunha. Damos ainda um olhar sobre os resultados da Gent-Wevelgem.

É  verdade. Valverde voltou a fazê-lo e ascende agora ao lote muito reduzido de ciclistas que venceram por três vezes a Volta à Catalunha… Bem, podemos dizer que esse lote é constituído por ele, agora, e por Miguel Indurain. Aos 37 anos, a um mês dos 38 (faz anos a 25 de abril), o homem a quem já foi dado o nome do Mur de Huy (Mur de Valverde soa bem melhor, como nós já demos conta no artigo feito para a Fléche Wallonne do ano passado).

Numa prova recheada de bons valores, a Movistar partia claramente como favorita, ao conciliar o útil (Nairo Quintana) ao agradável (Alejandro Valverde). E a dupla funcionou muito bem! Olhando para a geral individual, vemos dois Movistar no topo: Valverde em 1º, Quintana em 2º.

As etapas, dia a dia

Hodeg com uma grande vitória.
(Foto: rtve.es)

Na 1ª etapa, etapa mais reservada aos sprinters, foi um jovem de 21 anos que brilho. José Álvaro Hodeg, colombiano da Quick-Step, bateu Sam Bennet e Jay McCarthy e venceu pela primeira vez na categoria World Tour. Gaviria já tem “sucessor”…

Na chegada a Valls, Valverde venceu a 2ª etapa, ao bater de forma categórica Daryl Impey e novamente Jay McCarthy, que fazia o 2º pódio consecutivo. Na etapa nº3, o rei das fugas voltou a atacar: Thomas de Gendt, tido como o ciclista mais combativo da atualidade, vence o resto da concorrência por 20 segundos e assume a geral, com 23 segundos de avanço para o líder da Movistar, que a partir daí começaria a dar um verdadeiro “show”!

Etapa 4 e chegada a La Molina, com nova vitória de Alejandro Valverde. A Movistar consegue colocar ainda Quintana em 3º e Marc Soler em 6º, com Egan Bernal, da Sky em 2º, Pierre Latour em 4º e Thibaut Pinot em 5º. Excelente demonstração de poder da Movistar.

Na etapa 5, nova vitória de um colombiano, com Jarlinson Pantano, da Trek, a vencer. Na geral, o top-3 mantinha-se.

Na etapa 6, Maximilian Schachmann vence, lado a lado com o bem conhecido do ciclismo português, Diego Rubio. Já na etapa 7, decorrida hoje. terceira vitória, para Alejandro Valverde na Volta a Catalunha, na chegada a Barcelona. com a vitória da etapa a ir para Simon Yates, que vence com 13 segundos de avanço para Marc Soler e 18 para o grupo de favoritos, onde se incluia Valverde.

Em suma, 1º e 2º lugares da geral para a Movistar, com o jovem Pierre Latour a fechar o pódio. A grande decepção aqui foi, porventura, mais uma má exibição da BMC, com Tejay van Garderen a não fazer melhor que um 17º lugar.

Ainda hoje…

Decorreu hoje também mais uma clássica do pavê, a Gent-Wevelgem. Depois da E3-Harelbeke  (na sexta-feira) ter sido ganha por Niki Tersptra, com Gilbert em segundo e van Avermaet em terceiro, hoje a vitória para para o campeão do mundo, Peter Sagan, que mostra estar em boa forma para os dois monumentos que se avizinham. Elia Viviani e Arnaud Dèmare completaram o pódio desta clássica.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter