Giro d’Italia – 1ª Semana: “Em Itália reina um Britânico”

Diogo PiscoMaio 13, 20186min0

Giro d’Italia – 1ª Semana: “Em Itália reina um Britânico”

Diogo PiscoMaio 13, 20186min0
Uma primeira semana de ilusões e desilusões. Enquanto uns podem pensar em vencer o sonho italiano outros vivem um autêntico pesadelo. O Fair Play identifica os pontos mais e menos, desta primeira semana no Giro 2018.

A primeira semana do Giro trouxe para os adeptos do ciclismo algumas surpresas, principalmente boas. A corrida está lançada e acima de tudo está em aberto. Se há coisa que é difícil apontar neste momento é quem vai ser o vencedor do Giro d’Italia 101º. Existem vários ciclistas com possibilidade de o fazer e nem todos eram vistos como favoritos à partida. Thibaut Pinot, Tom Dumoulin, Domenico Pozzovivo e prinicipalmente Esteban Chaves e Simon Yates são os favoritos neste momento. Com Miguel Angel Lopez, Fabio Aru e Chris Froome a ficarem à quem do que era espectável. Mas estamos numa das grandes e ainda só passou uma semana, faltam 12 etapas e 2 semanas que podem revelar bem mais do que esta primeira semana revelou.

Os mais da semana…

Yates & Chaves by Mitchelton- Scott

Na ante-visão ao Giro 2018, o Fair Play chamou a atenção para a Mitchelton-Scott e para o jogo duplo que podia fazer com Simon Yates e Johan Esteban Chaves. O que o Fair Play não sabia era que iria haver um super Simon Yates, numa super forma. Cordeal e educado, como é a regra britânica, deixou a vitória da etapa no Etna para o colega da equipa, uma vez que reclamou a Maglia Rosa com uma troca de velocidade tal que nem houve resposta por parte dos restantes favoritos. Foi a erupção da Mitchleton-Scott no Etna, que a partir de então assumiu o comando do pelotão e de que maneira. Apenas a Sky e a Astana tentaram, na etapa 9, bater o pé ao comando da equipa Australiana. Vai ser uma luta muito interessante entre estas equipas que são sem dúvida as mais fortes. Até agora a Mitchelton tem passado nos testes com a máxima distinção. Yates viria a reclamar a sua vitória na etapa 9 perante aqueles que parecem ser os seus adversários diretos para a vitória final. No que respeita ao britânico resta saber se vai conseguir aguentar a sua excelente forma até Roma. Se não conseguir, certo é que a equipa tem ainda Chaves e pode até pensar em fechar bem as três semanas com os dois. Neste momento têm primeiro e segundo à geral, o líder da montanha, uma equipa forte e uma excelente atitude. São o ponto mais dos mais da semana.

Richard Carapaz

Não é que o Fair Play desconhecesse ou descredibilizasse as capacidades de Richard Carapaz, mas quando identificou os cinco jovens candidatos à Maglia Bianca, Carapaz foi uma das muitas hipóteses que ficaram de fora por se julgar que iriam procurar outros objetivos durante o giro que não lutar por um lugar na geral.

Em boa hora, o jovem Equatoriano, puxou dos seus galões e reclamou a camisola de líder da juventude no Etna para logo depois arrancar a sua primeira vitória numa grande volta de uma maneira espetacular, na etapa 8. Foi 5º na etapa 9 e subiu ao 6º lugar da geral. Outro dos que fecham a primeira semana na categoria dos mais. Vamos ver onde chega este jovem da Movistar.

De asas bem abertas voou Carapaz para a sua primeira vitória numa grande volta! Fonte: EPA/DANIEL DAL ZENNARO

Battaglin, Wellens e Sam Bennet

Vencer uma jornada é obrigatoriamente um ponto mais da semana. Para Tim Wellens é mais uma consagração do seu talento. Ainda se especulou sobre a possibilidade de vir tentar um resultado para as três semanas. Mas Tim Wellens não se deixou levar pela especulação e esta semana ofereceu aos adeptos das duas rodas uma vitória categórica como tão bem sabe fazer, mostrando que está no Giro para vencer etapas.

Enrico Battaglin mostrou que está em grande forma e, depois de ameaçar na terça-feira, arrancou uma grande vitória na quarta-feira, fazendo quarto no sábado.

Por último a vitória de Sam Bennet foi um dos momentos grandes da semana. Venceu, convenceu e destronou Viviani quando já todos lhe entregavam de bandeja as etapas de sprint.

Katusha- Allpecinn e Androni – Sidermec- Bottecchia

Katusha– Que bela atitude tem mostrado esta equipa até agora no Giro. Vir para uma prova como o Giro sem um grande nome com capacidade para as montanhas e para as três semanas nunca é fácil. Muito menos para uma equipa que tem lutado pela geral nos últimos anos com Ilnur Zakarin. Mesmo assim a equipa tem feito a sua prova e tem mexido nas etapas que se adequam mais aos seus ciclistas. Em destaque tem estado o português José Gonçalves que acabou mesmo por fechar um terceiro lugar na etapa número cinco e tem assumido o papel de líder sendo o melhor classificado à geral. Ainda tentou sair do pelotão na etapa 9 mas com 5,9 kms para a meta ainda havia muita capacidade por parte das equipas mais fortes para perseguir a frente da corrida.

Androni– Bela atitude de todas as equipas italianas que muito têm feito para se mostrar. Nesta primeira semana sai na frente a Androni que muito tem entrado nas fugas procurando animar as etapas. Fausta Masnada ainda fez sonhar com a vitória na etapa 9 no entanto outros valores se levantaram. Quem não tenta não vence.

E os menos…

Chris Froome e Fabio Aru 

Será as imagens de choque deste Giro ver Froome e Aru perder tempo. Em especial quando estas perdas acontecem em terrenos que os caracterizaram como os grandes ciclistas que são. Numa terceira semana não seria um choque tão grande vê-los a ficar para trás nas montanhas, mas ver estrelas como estas a perder tempo logo nas primeiras dificuldades de uma grande volta é sempre uma desilusão para qualquer fã.

Louis Meintjes 

Todos estão habituados a ver o Sul Africano a sofrer no fim do grupo dos favoritos. Por norma a perder o contacto e a recuperar, com isso a acontecer sucessivamente durante as três semanas de uma grande volta. Nesta altura Meintjes está a 5 minutos  e 44 segundos do primeiro lugar. O Top 10 parece mais alcançável por parte do jovem Ben O’Connor do que por parte do líder da Dimension Data.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter