3 apostas a médio prazo para o Tour de France

Davide NevesJunho 14, 20213min0

3 apostas a médio prazo para o Tour de France

Davide NevesJunho 14, 20213min0
A menos de duas semanas para o Tour, o Fair Play tentou criar três apostas do que pensamos que irá acontecer no Tour de France.

Depois de uma semana em que vimos Richard Carapaz vencer na Volta à Suíça e Tadej Pogacar no Tour da Eslovénia, os ciclistas preparam-se agora para grande parte dos Campeonatos Nacionais antes do Tour de France, a prova das provas, este ano mais cedo devido aos Jogos Olímpicos de Tóquio. Assumimos aqui então três apostas que pensamos que irão acontecer durante o Tour. Nada muito descabido, apenas o constatar de alguns factos.

Um dos super eslovenos não fechará no pódio nesta edição

Começamos talvez com a mais ousada – assumir que um de Tadej Pogacar ou Primoz Roglic não estarão no pódio final da geral nos Campos Elísios. Tendo em conta a forma dos dois e a qualidade que todos nós sabemos que eles têm, será algo muito difícil de acontecer, mas possível. A concorrência, como sempre, é basta: Geraint Thomas, Richie Porte, Richard Carapaz e Tao Geoghegan Hart pela INEOS, Miguel Ángel López na Movistar, ou mesmo Simon Yates, Nairo Quintana, Bauke Mollema, Vincenzo Nibali, ou os franceses Julian Alaphillippe, David Gaudu ou Guillaume Martin. As surpresas costumam acontecer em França, e esta será uma delas.

Julian Alaphillippe irá vestir de amarelo durante pelo menos três etapas

Acaba por ser já expectável vermos Julian Alaphillippe lutar por vitórias em etapas, o que nos permite assumir que o francês campeão do mundo será líder da geral durante pelo menos três dias. Algo que já é normal em Alaphillippe – em 2019 foi líder durante 14 dias (!), para depois perder a liderança para Egan Bernal, e em 2020 envergou a camisola amarela em três ocasiões (consecutivas). O campeão do mundo é forte em meia-montanha, finaliza bem, desce bem, tem um excelente contrarrelógio, o que nos faz esperar uma boa prova por parte do ciclista da Deceunick-Quick Step – com talvez uma presença no top-10 final.

Algo que já estamos habituados a ver: Alaphillippe = Camisola Amarela. (Foto: Getty Images)

Não haverá nenhum francês no top-5 final

São muitos os franceses com ambição de classificação geral, encabeçados por David Gaudu, numa Groupama onde irá repartir a liderança com Arnaud Démare. No entanto, e apesar da quantidade, apenas Gaudu terá a qualidade de nos provar que estamos errados. O jovem de 24 anos mostrou-se em boa forma em provas anteriores: no Tour dos Alpes Marítimos ficou em sexto na geral, desistiu no Paris-Nice mas fechou quinto lugar na Volta ao País Basco, com vitória na última etapa em Eibar, ao bater ao sprint Primoz Roglic. Fecho em sétimo na Flèche Wallone e em terceiro na Liège-Bastogne-Liège, dois resultados extremamente interessantes, tendo em conta que o francês não é um classicómano de origem mas sim um puro trepador. Fechou a preparação para o Tour com o nono lugar no Critérium du Dauphiné. Um 2021 bastante interessante até ao momento para Gaudu, mas a falta de equipa poderá ser crucial para falhar o top-5 do Tour.

A vitória em Eibar frente a Roglic.

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter