A modalidade mais bem estruturada da Nação Porto

João de MatosOutubro 24, 20203min0

A modalidade mais bem estruturada da Nação Porto

João de MatosOutubro 24, 20203min0
O FC Porto conseguiu um excelente empate na Macedónia, com o Vardar, atual campeão europeu, a 25-25, e continua na luta pelo apuramento no grupo A da Liga dos Campeões de andebol.
Overview
O FC Porto conseguiu um excelente empate na Macedónia, com o Vardar, atual campeão europeu, a 25-25, e continua na luta pelo apuramento no grupo A da Liga dos Campeões de andebol.
0%
0%
0%
Summary

O FC Porto conseguiu um excelente empate na Macedónia, com o Vardar, atual campeão europeu, a 25-25, e continua na luta pelo apuramento no grupo A da Liga dos Campeões de andebol.

Overall score 0%
0 min100

O FC Porto conseguiu um excelente empate na Macedónia, com o Vardar, atual campeão europeu, a 25-25, e continua na luta pelo apuramento no grupo A da Liga dos Campeões de andebol.

Depois deste empate na quinta jornada, os “dragões” totalizam duas vitórias, um empate e duas derrotas e, com cinco pontos, ocupam a quarta posição, a um ponto apenas do terceiro classificado, o Meshkov Brest, da Bielorrússia. Comandam o grupo, com oito pontos, os polacos do Kielce e os alemães do Flensburg-Handewitt. Em Skopje, António Areia foi o “herói” do jogo, ao empatar mesmo em cima do apito final do árbitro, dando um ponto bastante saboroso à equipa portuguesa, que quase sempre discutiu o jogo de igual para igual.

O pivô dos “dragões” Victor Iturriza chegou aos sete golos, tantos quantos anotou pela equipa adversária o croata Ivan Cupic.

Desde cedo que se percebeu que o triunfo claro do FC Porto em casa, ante o mesmo adversário, não fora acidental e os azuis e brancos estiveram sempre na luta pelo triunfo, chegando a liderar o marcador por quatro golos ainda na primeira parte (4-8).

Na 2.ª parte não se repetiu uma diferença tão acentuada, ambas as formações lideraram depois com margens curtas. Com 24-24, Ivan Cupic anotou e tudo parecia resolvido, mas um bem planeado ataque dos “dragões” valeu o empate mesmo em cima da “buzina”. O FC Porto volta a jogar para a “Champions” de andebol, na receção ao Kielce.

André Gomes, a estrela que Carlos Resende descobriu. (Foto: Lusa)

O FC Porto, é das equipas mais bem estruturadas e com ideias assentes nesta nossa primeira liga, começando com uma análise profunda ao seu plantel, na baliza está só a muralha da nossa seleção nacional, Alfredo Quintana, o segundo guarda redes é Nikola Mitrevski, experiente guarda redes, que já passou pelos lados da luz, a primeira linha do Porto, é um luxo autêntico, a melhor do campeonato, a junção da juventude com a experiência. Neste caso falamos em primeiro lugar do explosivo André Gomes e do central Miguel Martins, o FC Porto arrisca-se a ter na sua equipa duas mais maiores promessas do andebol nacional e mundial. Juntamos esta irreverência e potencial aos dois internacionais A, Rui Silva e um dos laterais mais discretos de sempre mas que deixa a sua marca como poucos nos jogos, Fábio Magalhães.

Na sua segunda linha, o todo poderoso Daymaro Salina, o chamado all around player, tanto oferece a nível defensivo como a nível ofensivo, é um ativo muito poderoso do Porto, sendo o seu suplente Victor Iturriza, um cubano muito poderoso a nível fisico. Nas pontas conta com Diogo Branquinho formado no ABC, e António Areia, que apesar de ainda ser um jovem de 25 anos, já tem muita bagagem na modalidade, muito experiente e eficaz na hora de decisão.

Posto isto, o FC Porto tem mais que equipa e elementos para a revalidação do título nacional de andebol 1, e quiçá pensar em chegar aos quartos de final da EHF Champions League, que não é uma equipa que trema nos momentos decisivos, já venceu grandes equipas do andebol mundial, e todos os jogos na Europa o Porto eleva as cores de Portugal bem lá no alto.

Miguel Martins, jovem central de potencial enorme. (Foto: Lusa)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter