Carlos Resende, Flop?

João de MatosFevereiro 29, 20203min0

Carlos Resende, Flop?

João de MatosFevereiro 29, 20203min0
A secção de andebol do Sport Lisboa e Benfica, demora em apresentar uma equipa estruturada, madura e competitiva para lutar pelo título de campeão nacional de Andebol 1.
Overview
A secção de andebol do Sport Lisboa e Benfica, demora em apresentar uma equipa estruturada, madura e competitiva para lutar pelo título de campeão nacional de Andebol 1.
0%
Summary

A secção de andebol do Sport Lisboa e Benfica, demora em apresentar uma equipa estruturada, madura e competitiva para lutar pelo título de campeão nacional de Andebol 1.

Overall score 0%
0 min100

A secção de andebol do Sport Lisboa e Benfica, demora em apresentar uma equipa estruturada, madura e competitiva para lutar pelo título de campeão nacional de Andebol 1.

Depois da contratação mais sonante a nível nacional  de Carlos Resende para treinador da equipa, com o claro objetivo de ganhar o tão ambicionado título do campeonato nacional, oferecendo ao mesmo, um contrato de 5 épocas completamente irrecusável. O Sport Lisboa e Benfica apostou forte na presença e sabedoria do melhor jogador português de todos os tempos, mas o que tem faltado a Carlos e à sua equipa técnica para passados 3 épocas ainda não terem conquistado o maior objetivo de todos?

Carlos Resende leva já 3 épocas de águia ao peito e já conquistou uma Taça de Portugal e uma Super Taça. Mas o grande caneco de todos parece estar cada vez mais longe a cada época que passa, pois tem registado a cada época que passa um completo decréscimo de rendimento. Na primeira época a orientar os pupilos da Luz, os encarnados ocuparam o 2º lugar atrás do Sporting Clube de Portugal com uma diferença pontual de 6 pontos, sendo os leões a única equipa que os encarnados não conseguiram bater na fase final do campeonato. Na época seguinte, com pouco investimento, apenas contratações cirúrgicas ao ABC, como Carlos Martins e Ricardo Pesqueira e o GR Ristovski, o que valeu ao Sport Lisboa e Benfica o 3º lugar da tabela com os mesmos pontos que o 2º Sporting e menos 4 pontos que FC Porto.

Carlos Martins, ponta esquerda do SL Benfica.

Na presente época, 19/20 o Sport Lisboa e Benfica ocupa o 3º lugar da tabela a uma distância de 10 pontos do líder FC Porto, com mais 5 derrotas que os rivais Sporting e Porto que ainda estão invictos no campeonato. Todas estas derrotas foram nos dois jogos em casa com os dois rivais e uma derrota escandalosa com o ABC, que esta temporada apresenta o plantel mais débil dos últimos 10 anos. O que podemos desde já concluir é que muitas vezes a equipa do Benfica parece perdida dentro das 4 linhas, sem ideias de jogo, sem organização e critério nas decisões.

Ao todo o Sport Lisboa e Benfica ao clube ABC, contratou 5 jogadores, Pedro Seabra, Fábio Vidrago, Ricardo Pesqueira, Carlos Martins e Nuno Grilo. Desde então, Diogo Branquinho e André Gomes foram contratados para o actual campeão FC Porto, ambos são peças fundamentais na manobra ofensiva dos Dragões e da Seleção Nacional de Andebol que teve uma participação no Euro 2020 histórico, com isto podemos concluir que as contratações pedidas por Carlos Resende ao seu ex clube foram todas falhadas, pois neste momento Diogo Branquinho é titular da seleção das Quinas e Vidrago seu suplente e o jovem lateral André Gomes é uma promessa do andebol nacional e muito mais versátil que Nuno Grilo e Pedro Seabra.

Tudo contratações que deviam ter sido feitas pelo Sport Lisboa e Benfica e muito mérito do Porto que soube ter engenho para contratar e “roubar” duas pérolas ao rival Benfica. Ao Benfica resta saber e mantém a confiança na contratação falhada de Carlos Resende ou se muda o paradigma e começa a construir uma equipa com um técnico com experiência internacional como são os técnicos dos clubes rivais Sporting e Porto, senão os 11 anos de seca em termos de títulos nacionais pode não acabar tão cedo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter