Andebol Luso na Europa 4# O que espera ao Sporting na European League

Bernardo GalanteOutubro 14, 20216min0

Andebol Luso na Europa 4# O que espera ao Sporting na European League

Bernardo GalanteOutubro 14, 20216min0
Até onde pode ir o Sporting CP nesta EHF European League 2021/2022? Os adversários da fase-de-grupos analisados pelo Fair Play

Na segunda edição da EHF European League – antiga EHF Cup -, Portugal terá dois representantes na Fase de Grupos da competição, o Sporting Clube de Portugal e o Sport Lisboa e Benfica. Na edição transata, só os leões almejaram esta fase da competição.

SPORTING CP CANDIDATO À LIDERANÇA DO GRUPO D

O sorteio colocou o Sporting Clube de Portugal no Grupo D da EHF European League contrastando com o AEK de Atenas [Grécia], o USAM Nîmes [França], o Kadetten Schaffhausen [Suiça], o Eurofarm Pelister [Macedónia] e o Tatabánya KC [Hungria]. Apesar da juventude leonina, este grupo permite lutar pelo topo da liderança e, consequentemente, pela qualificação para a próxima fase.

AEK, O DETENTOR DE UM TÍTULO EUROPEU

O AEK [Grécia] sagrou-se vencedor da EHF European Cup (3ª competição de clubes europeus) na época transata, fruto de um percurso praticamente imaculado (8 vitórias, 1 empate e 1 derrota), superiorizando-se ao Ystads IF [Suécia], na final da competição com um agregado de 54-46 (duas vitórias de 30-26 e 24-20, respetivamente). Nessa mesma temporada, venceram também todas as competições internas, desde a Taça da Grécia até ao Campeonato Grego.

Atualmente, o conjunto grego conta com Patrick Lemos, lateral que pertenceu aos quadros do Futebol Clube do Porto durante duas temporadas e, que representou ainda a AD Sanjoanense e a Artística de Avanca, por empréstimo dos dragões.

Esta temporada, o conjunto grego reforçou-se com seis caras novas: Nikolas Zarikos (ex-AC Doukas), Petros Boukovinas (ex-HB Esch), Goran Andjelic (ex-Stal Mielec), Sofiane Bendjilali (ex-JS Saoura), Abderrahim Berriah (ex-GS Pétroliers) e Efthimios Iliopulos (ex-Bayer Dormagen), de forma a sucumbir as saídas de Jesper Meinby, Thomas Bauer – atleta que já representou o Futebol Clube do Porto -, Luis Felipe Reina e Joakim Hykkerud que se transferiram para o KIF Kolding, Al-Rayyan, CB Benidorm e Lemvig, respetivamente.

Fundado em 1924, o conjunto grego conta com quatro campeonatos gregos, quatro Taças da Grécia e uma Taça Europeia, no seu palmarés.

USAM NÎMES, O INTRUSO FRANCÊS

O USAM Nîmes é o único emblema francês no Grupo D, em que está inserido o Sporting Clube de Portugal. Fundado em 1960, o emblema da cidade do sul de França, sagrou-se campeão francês por quatro vezes, venceu a Taça Francesa por três vezes e conquistou por duas vezes a Segunda Liga Francesa.

Na temporada passada, o conjunto francês orientado por Franck Maurice alcançou a 5ª posição na Lidl StarLigue – o que deu acesso à 2ª eliminatória de acesso à Fase de Grupos da EHF European League, tendo eliminado o GK CSKA de Moscovo esta época, nessa fase da competição. No panorama europeu, o Nîmes foi eliminado nos oitavos de final desta mesma competição, perante o Chekhovskiye Medvedi (adversário do SL Benfica), fruto de 1 derrota e 1 empate (30-25, 24-24).

Esta temporada, o mercado de transferências não trouxe muitas mudanças no seio do emblema de Nîmes. Henrik Jakobsen (ex-Fenix Toulouse) e Mathieu Salou (ex-Cesson-Rennes) entraram no plantel, ao contrário de Nicolas Nieto que foi o único atleta a não assegurar a sua permanência no plantel, ao ser transferido para o Limoges Handball.

KADETTEN, O VERDADEIRO CANIVETE SUIÇO

Fundado em 1953, o emblema da cidade de Schaffhausen, possui 30 títulos conquistados e “estacionados” nas suas vitrinas, entre eles 11 Campeonatos Suiços, 9 Taças da Suiça e 10 Supertaças Suiças. O Kadetten Schaffhausen antevê-se um verdadeiro canivete suíço para os leões.

Na temporada passada, o conjunto helvético sagrou-se Vice-Campeão Suiço – tendo assim direito a disputar as duas eliminatórias de acesso à Fase de Grupos da competição. Foi ainda finalista vencido da Supertaça Suíça e vencedor da Taça da Suiça, batendo o Kriens-Luzern pela margem mínima (22-21).

Antes do sorteio da Fase de Grupos da Liga Europeia, o emblema suíço para além de ter eliminado o RK Vojvodina (Sérvia) e o Granollers (Espanha), ainda contratou o lendário central espanhol oriundo do Pick Szeged, Joan Cañellas – que conta com 33 títulos conquistados ao longo da sua carreira. Marvin Lier (ex-Pfadi Winterthur), Ephrahim Jerry (ex-Sporting Pelt), Torben Matzken (ex-Fuchse Berlin) e Michael Kusio (ex-SG GS/Kadetten) foram as restantes aquisições. Gábor Császár (Amicitia Zurich), Sebastian Frimmel (Pick Szeged), Ángel Montoro (Olympiacos), On Langenick (Kriens-Luzern) e Medhi Romdhane (Amicitia Zurich) fizeram o caminho inverso e transitaram do emblema suíço.

EUROFARM PELISTER, UMA EMBLEMA EM CRESCENDO

Fundado em 2011, o Eurofarm Pelister é um emblema a crescer na Macedónia do Norte, apesar de continuar na sombra do poderoso RK Vardar. Na temporada transata, o emblema sediado em Bitola, sagrou-se Vice-Campeão da Macedónia tendo apenas sido derrotado pelo… RK Vardar – o mesmo aconteceu na final da Taça da Macedónia. Nos oitavos de final da SEHA League, a oposição dos bielorrussos do Meshkov Brest foi demasiado forte por duas vezes, tendo vencido as respetivas partidas e, consequentemente, resultado na eliminação dos macedónios.

Esta temporada, o conjunto orientado por Zljko Babic, operou um total de cinco entradas no plantel: Marko Kizic, (RK Vardar); Nemanja Obradovic, (RK Zagreb), Reinier Taboada (Dunkerque), Josip Pavletic (Goppingen) e Márton Székely (Veszprém).

Em sentido inverso, houve um total de cinco saídas: Karim Hendawy (Zamalek SC), Marin Vegar (Dobrogea Sud), Neven Stjepanovic (Al-Najma), Dario Petrovski (ADC Guadalajara) e Tomislav Kusan (HSG Wetzlar).

No início desta temporada, o Eurofarm Pelister venceu o seu primeiro e único título da história do clube, a Supertaça da Macedónia, tendo batido o RK Vardar por uns expressivos 22-31.

TATABÁNYA, O (TEÓRICO) ELO MAIS FRACO

Fundado em 1942 e com uma presença nas meias-finais da Taça das Taças no final dos anos setenta, o emblema húngaro é visto como o elo mais fraco do Grupo D e, muito por culpa, das dez derrotas sofridas em outros tantos encontros da transata edição desta competição.

Em 2020/21, o Tatabánya KC ficou na 3ª posição do Campeonato Húngaro, atrás dos poderosos Pick Szeged e Veszprém – campeão e vice-campeão húngaro, respetivamente. Na Taça da Hungria, foram eliminados nos quartos de final, perante o Pick Szeged, enquanto na EHF European League não passaram da Fase de Grupos.

Esta temporada, o emblema húngaro contratou quatro novas peças para integrar o seu plantel: Darko Stojnic (RK Zagreb), Márk Bodor (Veszprém [EMP]), Aliaksei Ushal (Orosházi) e o Viorel Fotache (CSM Bucuresti). Quanto a saídas, foram apenas três os atletas que mudaram de rumo – Milos Bozovic (US Ivry), Michal Konecny (Puente Genil) e o Dávid Debreczeni (Ferencváros).

O emblema da cidade de Tatabánya possui, no seu palmarés, 5 campeonatos húngaros conquistados e 2 taças húngaras, e será um adversário interessante para o Sporting CP.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter