5 contra 5 e no final ganharam os Bucks: análise à final da NBA

João FerreiraJulho 23, 20213min0

5 contra 5 e no final ganharam os Bucks: análise à final da NBA

João FerreiraJulho 23, 20213min0
Terão sido os campeões da NBA os melhores de toda a série? João Ferreira analisa o que se passou na final entre Bucks e Suns neste artigo

Sempre me disseram que existe uma quase justiça divina no desporto, com os melhores a sobreporem-se àqueles que dão menos ao jogo, ou os que lutam e querem mais a ganharem sobre aqueles que são arrogantes. A verdade é que esta final da NBA, entre Bucks e Suns, não nos mostrou essa justiça divina de que falamos. Ganharam os melhores? Sim. Ganharam os que se esforçaram mais ao longo de toda a série? Duvidoso.

Duvidoso e é fácil explicar porquê. Os Phoenix Suns partiam atrás em todos os sentidos, mesmo desde o início dos playoffs. Com trabalho foram mostrando que a equipa era muito superior àquelas que já se encontram pré-estabelecidas nos lugares de topo da Conferência Oeste: principalmente Lakers e Nuggets.

Monty Williams construiu uma equipa assente na experiência ímpar de Chris Paul e na qualidade acima da média de DeAndre Ayton e Devin Booker, com uma irreverência de jogadores muito jovens, nada habituados a estas andanças como Cameron Johnson e Miles Bridges.

Phoenix conseguiu, nos dois primeiros jogos, quebrar a defesa dos Bucks, criando matchups péssimos para Brook Lopez, conseguindo que Paul e Booker tivessem sempre lançamentos facilitados. A única coisa que era certa para Phoenix é que do lado dos Bucks ia aparecer um Giannis motivado e que ia querer mostrar serviço para conseguir levar o tão aguardado título para Millwaukee.

Existem, claramente, 4 jogadores a destacar do lado dos Bucks que mostraram que são os jogadores indicados para momentos da verdade como este de se tornarem campeões da NBA, ao final de 50 anos.

O primeiro, e mais surpreende é Bobby Portis. Um jogador que sempre foi considerado um jogador desestabilizador, que chegou mesmo a agredir um colega de equipa, que passou por uma depressão e por 4 equipas nos últimos 4 anos, mostrou ser um claro jogador mais perante adversidade.

Assumiu o encontro no jogo 6 e mostrou que, bem aproveitado, num ambiente favorável, é um jogador que até pode assumir um lugar no 5 inicial. Lançamento de 3, facilidade na luta corpo-a-corpo e uma clara irreverência e loucura face àquilo que é considerado normal fazem dele um jogador muito agradável de se ver. Para isto também ajuda a demonstração de amor que a cidade tem perante Portis.

Jrue Holiday e Kris Middleton são outros 2 jogadores que merecem destaque nestas finais e em todo o percurso que a equipa teve durante a época regular e os playoffs. Jrue já merecia ir para uma equipa que lutasse por títulos e mostrou que mereceu a troca ao comprovar-se a 100% como um two-way player com grandes ações defensivas a juntar a preponderância ofensiva acima da média. Middleton foi outro que subiu um claro patamar nas finais e que mostrou que o contrato que lhe foi oferecido não foi assim tão errado.

O último jogador é o mais óbvio de todos. Giannis ganha o título tão pretendido e o prémio de MVP das finais que tanto fez por merecer. O jogador mais em todos os 4 jogos vencidos pelos Bucks e que finalmente é um campeão.

Fica um aspecto menos negativo- a NBA acaba. Pior altura do ano por não podermos assistir aos pavilhões cheios de emoções e querer.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter