Jules Rimet e Olímpiadas: o pontapé inicial para a Copa do Mundo

Thiago MacielMaio 19, 20225min0

Jules Rimet e Olímpiadas: o pontapé inicial para a Copa do Mundo

Thiago MacielMaio 19, 20225min0
Neste artigo, te explico do surgimento da FIFA, passando pelas Olimpíadas, culminado no primeiro Mundial, e a participação de Jules Rimet.

É importante pontuar que na década de 20 não havia Copa do Mundo e a principal competição do Futebol eram as Olimpíadas. Não haviam as regras que tornam o Futebol amador como a exigência de atletas sub-23, e principalmente, a FIFA era quem organizava o torneio não o COI.

Surgimento FIFA e as regras do futebol

O sucesso que o fez com o público desde que os ingleses estabeleceram suas regras, ocasionou o surgimento da Fedération Internationale de Football Association, a FIFA, em 1904.

No entanto até que se conseguisse realizar a primeira Copa do Mundo, um longo e árduo caminho teve de ser percorrido. Foi necessário esperar que o futebol se expandisse para um maior número de países, e que estas nações também passassem a fazer parte da entidade.

Entretanto, devido à eclosão da Primeira Grande Guerra, em 1914, o esporte foi relegado a segundo plano. O futebol, especificamente, só voltaria à tona com o advento dos jogos olímpicos de 1924 e 1928, e por três outras razões.

  1. O então presidente da FIFA, Jules Rimet, era o maior defensor do torneio;
  2. A presença dos torcedores nas partidas de futebol nas duas edições dos Jogos Olímpicos foi maciça e empolgante;
  3. O grande campeão de ambos torneios não foi um país europeu, mas sim uma pequena nação no continente sul-americano, o Uruguai.

O sucesso Uruguaio e a disputa das estrelas

O Uruguai foi a primeira nação a se sagrar quatro vezes campeã mundial. Isso mesmo, os uruguaios ostentam sobre o símbolo de sua confederação quatro estrelas douradas.

Conhecida como a Celeste Olímpica graças às medalhas de ouro conquistadas nos Jogos de Paris-1924 e Amsterdã 1928, nas Olimpíadas que antecederam e, segundo diversos historiadores, impulsionaram a cria ação da Copa do Mundo, cuja edição inaugurada foi sediada e vencida pelo próprio Uruguai, em 1930. O bicampeonato veio 20 anos depois, no famoso “Maracanazo”, a vitória por 2 a 1 sobre o Brasil na Copa de 1950.

Pelos lados de Montevidéu não há discussão: o Uruguai é tetracampeão mundial, já que, para eles, as duas Olimpíadas da década de 20 tiveram o mesmo peso. É por isso que a seleção nacional joga com quatro estrelas acima de seu escudo.

A Fifa, no entanto, não parece disposta a atender os apelos da federação uruguaia de que o bicampeonato olímpico seja reconhecido oficialmente como equivalente ao Mundial. Fora o Uruguai, todas as outras seleções campeãs utilizam um número de estrelas equivalente à de taças.

Explicando: um congresso da entidade máxima do futebol, realizado em 1924, permitiu que a modalidade passasse a fazer parte das Olímpiadas, mas desde que o torneio fosse realizado de acordo com o regulamento com que a FIFA regia o esporte.

Um antigo documento arquivado na sede do órgão complementava, ainda, que “Neste caso, a FIFA reconhecerá este torneio como um campeonato mundial de futebol”. E por isso a Confederação Uruguai de futebol se considera detentora de quatro títulos mundiais.

O Uruguai chegou a tirar as duas estrelas, mas reverteu a situação (Foto: Getty Images)

Jules Rimet

A história de Jules Rimet, o terceiro e mais importante presidente que a FIFA já teve, começa bem antes da entidade. Nascido na pequena Theuley, na França. Tornou-se, na juventude, um árduo defensor dos direitos das classes trabalhadoras. Formou-se em direito, com o intuito de proteger os mais humildes. Mas sua paixão sempre foi o futebol. Tanto que fundou o Red Star FC, clube que chegou a ser cinco vezes campeão francês.

Rapidamente, ele já ocupava o cargo de presidente da Federação Francesa de Futebol. Mas isso ainda era pouco para os sonhos de Rimet. E, em 1921, ele foi eleito para a presidência da FIFA, da qual foi um dos fundadores, fato este que mudaria a trajetória do futebol.

O mundo recém saído de uma guerra, Jules Rimet tinha como objetivo promover a paz entre os povos. Percebendo o sucesso que o futebol fizera nas Olimpíadas de 1924 e 1928, não poupou esforços para que um torneio de nível global fosse realizado.

As dificuldades era muitas: desde a péssima situação financeira de quase todas as nações europeias às rudimentares condições de transporte até o Uruguai, país escolhido para sediar a Copa do Mundo.

Mas Rimet insistiu. E conseguiu!! Foram apenas 13 seleções e somente quatro da Europa. Só que o sucesso de público e de mídia que o evento conquistou serviram de combustível para o sonho daquele jovem francês, que a partir de então se consolidou e se tornou realidade.

Em 1954, 33 anos depois e contando com 81 anos, Jules Rimet deixou a presidência da FIFA tendo organizado quatro mundiais e mais do que quadruplicado o número de países membros (de 20 para 84). Morreu aos 83 anos na periferia de Paris.

Por tudo que fez, Jules é muito mais que apenas o nome de um troféu de futebol: ele é praticamente um sinônimo do esporte.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter