Qual é o clube português mais “representado” no Mundial?

Francisco IsaacJunho 24, 20188min0

Qual é o clube português mais “representado” no Mundial?

Francisco IsaacJunho 24, 20188min0
Quem são os "reis" em termos de marca no Mundial de futebol? Portugal tem uma quota parte de participação em várias selecções mas é assim tão grande?

Portugal é, hoje em dia, um local ideal para ir de férias, investir no mercado imobiliário ou desenvolver novas tecnologias/indústrias. E no futebol? Um mercado ideal que tem alimentado diversas ligas e seleções à escala mundial. Estes são os jogadores estão no Mundial que passaram por Portugal, ou ainda por cá andam.

O título é semi-enganador porque a análise realizada não é só aos jogadores que por cá ainda andam (como o caso de Eduardo Salvio, Hector Herrera ou Sebastian Coates por exemplo) mas também aqueles que por cá passaram, caso de Cristian Rodriguez, Nemaja Matic ou Cristiano Ronaldo.

Recolhemos 76 nomes, dos 736 jogadores que estão a jogar no Mundial de Futebol 2018, o que perfaz 10% de Marca Portugal na maior prova de selecções da FIFA.

Antes de passarmos à leitura da lista, comparando jogadores, influências e pormenores, há que alertar o leitor para alguns factores importantes. São eles:

– Na análise incluímos jogadores que tenham passado pela formação de qualquer um dos clubes que compõem os campeonatos profissionais em Portugal. Casos de Mário Rui ou Thiago Silva, atletas que passaram pelo Sporting CP/SL Benfica e FC Porto, respectivamente, não chegaram a actuar a nível sénior, mas receberam formação em Portugal de pelo menos dois anos;

– A análise inclui jogadores que actuaram em mais que um clube em Portugal. Caso de Maxi Pereira, que foi lançado em Portugal pelo SL Benfica, mas que hoje em dia milita no FC Porto. Neste caso, a mesma importância aos dois clubes;

– Considerámos que os jogadores como Rui Patrício, William Carvalho ou Bruno Fernandes contam como atletas do Sporting CP, apesar do avanço das rescisões por justa-causa. Contudo, se o leitor achar errado a esta leitura, poderá remover os tais jogadores da lista de Jogadores ainda a jogar em Portugal e coloca-los em Ex-Jogadores que passaram em Portugal;

Posto estes factores importantes para a leitura, passemos às informações da listagem recolhida.

Foto: Listagem com os 76 nomes

DE ONDE VEM A MATÉRIA PRIMA?

Numa primeira observação, é importante constatar a forte marca portuguesa em jogadores da América do Sul, sendo de longe o 2º continente mais representado com 24 atletas.

Se retirarmos Portugal da equação (21 dos 23 convocados de Fernando Santos jogaram/jogam em território nacional), é o espaço continental com mais portugueses. A Europa segue-se com 11 (sem os jogadores portugueses), América do Norte com 9, África com 9 e o Médio Oriente com 2.

É uma pequena demonstração que a aposta feita pelos clubes nacionais nos últimos 30 anos passou mais pela América latina, com vários atletas da Argentina, Brasil, entre outros países.

O FC Porto e SL Benfica dividem bem o domínio no mercado sul-americano nos últimos 15 anos. Se os azuis-e-brancos têm um controlo curioso na selecção do Brasil, com três ex-atletas a vingar nos canarinhos de Tite (Danilo, Thiago Silva e Casemiro), o SL Benfica assume a frente na Argentina com um trio de jogadores de agora ou do passado (Salvio, Di Maria e Enzo Perez).

Depois há dois países onde há um despique curioso: as águias contribuíram para os 23 do Uruguai com 3 atletas (lembrar que Cristian “Cebola” Rodriguez e Maxi Pereira “fugiram” para o FC Porto e Jonathan Urretaviscaya saiu a custo zero para o Paços de Ferreira), enquanto azuis-e-brancos influenciaram os cafeteros com três das suas melhores estrelas (Juan Quintero, James Rodriguez e Radamel Falcao).

Interessante, o facto de jogadores da América do Norte terem hoje em dia outra expressão em território Nacional, especialmente os do México.

O FC Porto foi o clube que mais apostou neste sector, com as contratações de Hector Herrera, Jesus Corona, Miguel Layun e Ismael Diaz. O panamiano foi uma das coqueluches da equipa secundária dos Dragões, mas teve muito poucas oportunidades para brilhar na Liga NOS.

Argentina, Colômbia, Brasil, Nigéria e Sérvia são as 5 nações com mais atletas a jogar ou que jogaram em Portugal.

Em termos das formações eslavas (cuidado a relembrar aos suíços que têm uma costela eslava), é o SL Benfica a fazer uma aposta constante nesta região com três sérvios (Matic é grande representante dessa aposta) e um suíço.

E quem são os clubes mais s representados? Bem, o Sporting Clube de Portugal assume a pole position com 27 jogadores, seguindo-se o SL Benfica e FC Porto na 2ª posição com 21, SC Braga, CF “os Belenenses e Vitória SC em 3º com 2, para depois seguir-se CD Feirense, CD Nacional, SC Marítimo, FC Boavista, FC Penafiel, Louletano, Vitória FC e União da Madeira todos com 1 cada.

E NAS QUINAS, QUEM TEM MAIOR INFLUÊNCIA?

Não há como fugir na questão de quem forma mais atletas para a selecção Nacional, pois ainda continua a ser o Sporting CP.

Rui Patrício, Beto Pimparel, José Fonte, João Moutinho, William Carvalho, Adrien Silva, Cristiano Ronaldo, Ricardo Quaresma, Ricardo Pereira, João Mário, Gelson Martins, Cédric Soares e Mário Rui (este último repartiu a formação entre Leões e Águias). São 13 ao todo de uma selecção de 23, o que confere mais de metade de importância nas fundações de Portugal.

O SL Benfica oferece 5 jogadores da sua formação às cores nacionais, com Gonçalo Guedes, Ruben Dias, Bernardo Silva, Manuel Fernandes e Mário Rui.

O FC Porto fica reduzido a dois elementos, com Bruno Alves e André Silva. Pepe treinou no Sporting CP, mas foi lançado no FC Porto, contudo foi um produto do Corinthians Alagoano, enquanto que Bruno Fernandes actuou largos anos no Bessa como jogador da formação para depois apostar numa ida para Itália desde muito jovem.

Raphael Guerreiro e Anthony Lopes não passaram por qualquer escola de formação ou academia Nacional. É também uma meia-novidade a introdução de atletas luso-descendentes, que já tinha se iniciado no Euro 2016.

Se sairmos do Universo do futebol de formação e do lançamento destas jovens estrelas no escalão máximo, há que considerar depois quem aposta mais em portugueses nos seniores.

Nisto, o Sporting CP mantém-se na frente, com 15 jogadores (até José jogou na Taça pelo clube, apesar de nunca ter alinhando na Primeira Liga de Leão ao peito), seguindo-se o FC Porto com 7 (uma parte da formação de Alcochete veio parar à Invicta, como Ricardo Quaresma, Beto, Ricardo Pereira, Beto Pimparel e João Moutinho).

O SL Benfica fica com os mesmos números, com o pormenor curioso de que a sua formação salta muito cedo para a Europa: Manuel Fernandes, Gonçalo Guedes, Mário Rui e Bernardo Silva abandonaram com 20 anos a Luz… será que o mesmo vai acontecer com Ruben Dias (fez em Maio 21 anos) já neste Verão?

OS NÚMEROS E O QUE ESTÃO POR DETRÁS DELES?

O que falta explicar, que a tabela só por si não diz?

A aposta dos clubes portugueses em outros mercados tem um retorno bastante positivo, com várias transferências milionárias a sair de uma liga que não está perto sequer de fazer parte das Big-5.

O Feirense vendeu Etebo ao Stoke City por 7M€, um negócio alucinante para o clube que subiu de divisão em 2016 e que tem descoberto algumas pérolas do futebol mundial. O avolumar de bons activos tornou Portugal desde o início dos anos 2000 como um local ideal para reforçar equipas de alto calibre.

Por outro lado, os jogadores portugueses têm saído cada vez mais cedo das sua casa-mãe, replicando o caso de Cristiano Ronaldo e Ricardo Quaresma em meados da primeira década do século XXI. André Silva, Gonçalo Guedes, Bernardo Silva, João Mário foram alguns dos nomes que foram vendidos por uma milionária quantia quando ainda só tinham entre os 19-23 anos.

O futebol português tornou-se uma liga mais de exportação de excelência, com o seu carimbo a merecer a confiança dos maiores (em dimensão) consumidores mundiais. Deixou de ser tanto de importação duvidosa (quantos jogadores chegavam a Portugal com uma idade já avançada, sem a rodagem necessária e sem a qualidade necessária para vingar) para ir em busca de novos valores e trazê-los ao de cima.

O SL Benfica conseguiu ganhar o seu espaço nos últimos anos no futebol mundial como um dos maiores exportadores, equiparando-se ao FC Porto, que já tinha ganho a frente durante o final dos anos 90.

O Sporting CP tem realizado excelentes negócios nos últimos 5 anos e é neste momento o clube português com mais jogadores no Mundial com o seu selo de confiança. Outros clubes nacionais caso do SC Braga, Rio Ave FC ou Vitória SC também têm crescido com bons negócios e vão ganhando outra confiança na esfera mundial.

Danilo e Casemiro no FC Porto (Foto: Lusa)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter