O interessante mercado do Sassuolo

Pedro CouñagoJulho 25, 201910min0

O interessante mercado do Sassuolo

Pedro CouñagoJulho 25, 201910min0
O FairPlay analisa um mercado proveitoso para o Sassuolo, desde a contratação de bons jogadores para o meio campo, o reforço do ataque, boas movimentações para proveito financeiro e, quem sabe, tal dará um prémio merecido em maio de 2020.

O Sassuolo tem sido uma equipa competente nas últimas edições da Série A, não passando por grandes sobressaltos e fazendo campanhas tranquilas. Na altura em que o treinador era Eusebio di Francesco, o clube conseguiu até uma marcante qualificação europeia, algo histórico no emblema neroverdi. Agora, a competitividade na liga italiana tem vindo a aumentar, o investimento dos clubes ditos maiores tem começado a apertar e os clubes mais pequenos buscam pelas melhores oportunidades de negócio. 

O melhor exemplo disso mesmo é a Atalanta, que vem fazendo campanhas espetaculares, com plantéis com uma mescla de jogadores tecnicistas e experientes rejeitados noutros clubes e jovens prodígios que procuram a sua afirmação numa das melhores ligas do mundo. Depois, vêm outros como a Sampdoria, Torino, que estão num nível médio/alto e, após estes, surge talvez o Sassuolo como o projeto com mais pernas para andar e que desperta maior curiosidade por parte dos adeptos ávidos do futebol italiano. 

Neste sentido, para subir o nível, o Sassuolo teve já algumas movimentações interessantes neste mercado de transferências. Veja-se as principais: 

  • Contratação em definitivo de Manuel Locatelli ao AC Milan; 
  • Contratação em definitivo de Rogério, lateral esquerdo que vinha até sendo associado ao Benfica; 
  • Contratação de Marco Sala, outro lateral esquerdo jovem, este tendo-se destacado na Série C; 
  • Contratação de Francesco Caputo, atacante, e empréstimo de Junior Traorè, prodígio centrocampista, ambos provenientes do Empoli; 
  • Contratação de Pedro Obiang, médio centro com experiência de Série A e Premier League;
  • Empréstimo de Jeremy Toljan, lateral polivalente do Borussia Dortmund, com opção de compra;
  • Empréstimo de Andreaw Gravillon, jovem central do Internazionale. 

O ataque reforçado que mantém a estrela e tem uma incógnita

Todas são contratações que acrescentam qualidade, profundidade e potencial para a equipa fazer melhor na Série A. Alguns dos jogadores são mais conhecidos que outros, como Francesco Caputo, que vem de várias épocas no Empoli mas que, na última, ganhou mais destaques devido aos seus 16 golos na Série A, isto numa equipa que acabou despromovida. Este italiano de 31 anos, com boa presença na área e inteligência a ler o jogo, poderá ser utilizado lado a lado com Khouma Boubacar, que se destaca mais por ser um portento físico e oportunista. 

Caputo foi talismã no Empoli, mas não conseguiu impedir a descida de divisão. Agora, num patamar superior, terá potencial para fazer uma época à la Quagliarella, aos 31 anos? (Foto: Euro Fantasy League)

Por outro lado, quem vai adiando a sua saída do Sassuolo é Domenico Berardi, que, estando prestes a fazer 25 anos, é a estrela da companhia há já várias temporadas. Têm sido várias as vezes que o seu futuro tem estado em discussão, mas nada de novo tem acontecido. Na passada temporada, o extremo esteve até algo apagado, mas novo começo traz ideias revigoradas e poderá ser esta a temporada em que Berardi definitivamente explode e consegue a transferência para um clube adequado ao potencial que ele pode ainda alcançar. Por enquanto, permanece em Sassuolo e terá boa companhia para levar o clube a lutar por algo mais uma campanha tranquila. 

Falta saber o que acontecerá a Kevin-Prince Boateng. O ganês vai com 32 anos, foi emprestado de forma algo estranha ao Barcelona mas está de volta ao clube. Os pés estão lá, resta saber se a cabeça estará em Itália ou se noutro destino paradisíaco rumo a uma reforma assegurada. 

As coqueluches do meio campo

Quanto a Locatelli, fica para assumir o manto que Stefano Sensi deixa, visto que este se transferiu para o Internazionale, seguindo os passos de Matteo Politano na temporada passada. Sensi foi um elemento determinante nas duas últimas épocas do Sassuolo que já ganhou uma projeção maior que Locatelli, sendo emprestado por um valor a rondar os 5 milhões de euros com uma cláusula de compra obrigatória que estará à volta dos 20, no fim de 19/20. Já Matteo Politano foi vendido por números semelhantes ao Internazionale, representando mais um bom negócio do Sassuolo. 

Locatelli é um jovem de 21 anos que poderá ser protagonista do futebol italiano nos anos para vir, mas precisava de jogar regularmente para ganhar experiência e rodagem. Como tal, o Sassuolo perfilou-se como a oportunidade perfeita e, agora, a cariz definitivo, Locatelli pode ser o patrão do meio campo dos neroverdi e pôr em ação a sua boa capacidade de passe, inteligência e leitura de jogo, melhorando outros patamares relacionados com a intensidade, isto numa equipa que vê o futebol apoiado e agressivo como uma das suas maiores imagens de marca. 

Manuel Locatelli tem potencial para ser mais um grande médio italiano, isto numa altura em que começam a aparecer vários nomes que querem ganhar destaque no panorama transalpino. Conseguirá alcançar aquilo a que se propõe? (Foto: Supersport.com)

Locatelli terá, no entanto, de dividir protagonismo com Junior Traorè, este jogador que tem um potencial tremendo e que foi emprestado para as próximas duas temporadas. Yaya Touré será, possivelmente, uma comparação possível com este jovem, que chega muito bem à área adversária, constrói e destrói e tem boa presença física. Será um dos nomes a acompanhar de forma bem atenta na próxima época, e a capacidade para brilhar está lá, como se viu no Empoli na passada temporada. 

Estes dois jovens poderão ter alguma liberdade perante a contratação de Pedro Obiang, proveniente do West Ham. O médio de 27 anos chega para dar mais pulmão e músculo ao meio campo, essencialmente para tarefas de maior apoio à linha defensiva. Com muita experiência na Série A, ao serviço da Sampdoria, e uma passagem que o fortaleceu em termos táticos mas não em tempo de jogo nas pernas, pelo West Ham, o espanhol poderá ser um importante reforço para um meio campo repleto de boas opções e de diferentes nuances para utilizar em jogo.

As laterais estão mais do que protegidas

Com a contratação em definitivo de Rogério e a chegada de Marco Sala no negócio de Stefano Sensi, a lateral esquerda ficou mais do que fechada. Dois jovens, 21 e 20 anos, respetivamente, que sobem bem no terreno, cruzam bem e são rápidos. No caso de Rogério, o mesmo já tem uma época de experiência a jogar consecutivamente ao mais alto nível, já Sala vem de um nível inferior em que demonstrou capacidade de progressão e é internacional Sub-20. 

Do outro lado, mais uma aquisição interessante por empréstimo, a de Jeremy Toljan. O lateral alemão não tem sido capaz de demonstrar tudo aquilo que pode nas últimas épocas, mas tem experiência de jogo em competições como a Bundesliga e a Champions League. Qualidade o jogador tem, precisa de um clube que aposte nele e que se adeque à sua forma agressiva de jogar.

Uma de duas situações acontecerá: o lateral será alternativa a Pol Lirola, espanhol que tem estado em grande e, se ficar, será dono do lugar devido à sua qualidade e consistência; o alemão ganhará o lugar se Lirola sair, visto que o espanhol tem mercado e tem capacidade para maiores destinos (mais uma vez, o Benfica já foi falado como um dos interessados), algo que, ainda assim, não parece ter grande probabilidade de acontecer nesta janela de transferências. De qualquer forma, a qualidade está lá em qualquer um dos lados da defesa, e são jogadores que, mais uma vez, fazem a equipa sonhar com mais do que um campeonato tranquilo.

No que toca às saídas, foram todas acauteladas

O mercado tem sido bastante positivo até porque não têm existindo assim tantas saídas quanto isso do clube, pelo menos por enquanto. 

Já falámos de Stefano Sensi, que, sem dúvida, tem qualidade, mas foram contratados Locatelli, de forma definitiva, Obiang, e foi garantido o empréstimo a longo prazo de Junior Traorè, elemento que poderá ser um dos destaques da época. A eles junta-se a permanência, até ao momento, de Alfred Duncan, ganês que tem muita experiência de Série A e é um dos elementos mais valiosos do clube.

Apenas será talvez importante falar da movimentação de mestre por parte do Sassuolo no caso de Merih Demiral, ex jogador do Sporting, que fez meia época em Itália e tal chegou para os neroverdi o comprarem por 9 milhões de euros ao Alanyaspor, tal é o potencial do agora internacional turco, que tem apenas 21 anos. O que não se esperava é que o clube o vendesse, de forma quase imediata, à Juventus pelo dobro (!) do preço: 18 milhões de euros. E vale a pena pensar que o Sporting, na transata janela de verão, o avaliou em cerca de 3,5 milhões de euros. Negócio muito proveitoso a nível financeiro para o Sassuolo por alguém que apenas jogou meia temporada no clube, que permanece com dois excelentes centrais como Gianmarco Ferrari e Marlon

Uma surpresa ou já era esperado? O que é certo é que o Sporting perdeu aqui um bom central ainda jovem que lhe poderia ter rendido muito dinheiro (Foto: NTVSpor.net)

Para a saída de Demiral e de Maurício Lemos, central uruguaio que pouco jogou, foi contratado por empréstimo mais um jovem prodigioso proveniente do Inter: Andreaw Gravillon. Já com experiência de futebol italiano (jogou no Pescara a nível constante na última época), polivalente e com apenas 20 anos, poderá ser mais uma surpresa, como o turco que falámos anteriormente, e é uma contratação sem riscos associados, se correr bem certamente será tornada definitiva. 

Perante todas estas nuances, podemos afirmar que o Sassuolo está com um plantel muito competitivo, de qualidade e que se recomenda. As aspirações da equipa nesta época poderão passar por uma presença no Top 8 da Série A, porque estas movimentações aproximaram o clube daqueles que lutam pela presença nas competições europeias. Quem sabe, não teremos até Roberto de Zerbi a causar uma surpresa e a conseguir mais uma qualificação europeia para este humilde clube, que recebe jovens talentos, lapida-os e, a partir daí, consolida-se como um bom clube da principal liga italiana. 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter