Mudanças em Milão: o que podemos esperar do Inter?

Pedro CouñagoJunho 30, 20197min0

Mudanças em Milão: o que podemos esperar do Inter?

Pedro CouñagoJunho 30, 20197min0

Este verão será um bastante movimentado para os lados de Milão, com mudanças previstas tanto para AC Milan como para o Inter de Milão. Nenhuma das equipas está no auge daquilo que pode e deve fazer, com maior destaque para o AC Milan, que não fez melhor que o quinto lugar na passada temporada, que previsivelmente daria lugar à disputa da Liga Europa, participação essa que o clube pediu para não se realizar por forma a conseguir investir sem a sombra do Fair Play Financeiro a pairar. Já o Inter vai à Liga dos Campeões após conseguir o quarto lugar na última jornada do campeonato, mas assumidamente o clube pode fazer mais.

Falando em Inter, já temos conhecimento de quem será o novo técnico, de nome Antonio Conte, que já venceu 3 Scudettos com a Juventus, isto numa altura em que a Juventus se reconstruía depois do Calciocaos, sendo ainda vencedor da Premier League com o Chelsea, fora as taças conquistadas em ambos os clubes. Portanto, melhor opção, com um conhecimento da liga como poucos, era difícil.

O que será o Inter de Conte?

O Inter, desde logo, fez uma mudança profunda na ideologia que pretende ver para o seu futebol: saiu Luciano Spalletti e entrou Antonio Conte, técnico que não aceitará menos do que estar na luta por troféus e, para tal, será preciso um considerável reforço da equipa.

O Inter de Conte vai ser um que dá destaque ao jogo pelas alas, à profundidade e que apostará na segurança defensiva no centro, razão pela qual deverá chegar Diego Godín, central uruguaio que vem dar imediata qualidade e experiência ao centro da defesa do Inter e formar um trio imponente com Stefan de Vrij e Milan Škriniar. Neste ponto, o Inter, com Samir Handanovič na baliza, revelar-se-á difícil de bater.

O capitão do Uruguai sai do Atlético de Madrid passados nove anos e estará a um passo de se juntar a este novo Inter (Foto: Elcomercio)

Falta ainda conseguir um lateral de qualidade que possa fazer esquecer nomes como Danilo D’Ambrosio ou Dalbert, nomes que claramente não chegam para um Inter que se pretende afirmar. De preferência, seria preciso um lateral que faça os dois corredores, como faz D’Ambrosio, só que com mais qualidade, e Danilo estará perto de assinar pela equipa nerazurri. Esta seria mais uma contratação acertada e mais uma que viria dar um boost instantâneo à equipa.

No meio campo, há excesso de opções para poucas posições, não existindo, no entanto, um verdadeiro criativo que venha dar perfume ao jogo do Inter, devendo essa ser uma das lacunas identificadas pelo novo técnico. Para o meio campo defensivo, há Marcelo Brozović, há Matias Vecino e há Roberto Gagliardini, jogadores de boa estampa física, com boa capacidade de destruir jogo e de passe. Para maior aproximação à área, há Radja Nainggolan, jogador belga que pode ser explosivo e um autêntico trator dentro de campo, mas que não tem estado a um nível excelente. Tem sido algo intermitente e será interessante perceber se pode chegar àquilo que já lhe conhecemos de Roma.

Há ainda jogadores para um vértice mais ofensivo, como Borja Valero e João Mário, que parecem ser excedentes. Borja Valero dá experiência e toque de bola, mas é um elemento que já não está na total posse das suas faculdades físicas, já não é também alguém capaz de desequilibrar defesas contrárias com os seus passes. Já João Mário precisa claramente de mudar de ares, pois não vai ter tempo de jogo, está a perder o comboio da seleção e não tem tido a intensidade que se pretende para um campeonato cada vez mais competitivo e para uma equipa que se pretende de topo. Portanto, deverá chegar um médio que tenha as características descritas, que venha dar o tal perfume refinado ao futebol dos nerazurri. 

No ataque, será depois interessante perceber se existirá a aposta em dois avançados ou apenas um, sendo que se for apenas um, com uma formação em 3-4-3, será preciso ir contratar um extremo de renome, que proporcione mais um boost de qualidade, de números em golos e assistências e que possa oferecer alguma explosão/capacidade no um contra um. Há qualidade em elementos como Matteo Politano e Ivan Perišić, sendo o primeiro uma das boas surpresas da última temporada e o segundo um consagrado que teve uma temporada de menor fulgor em 18/19 e que poderá estar na porta de saída do Giuseppe Meazza, mas é insuficiente face a uma longa temporada. Antonio Candreva não pode ser mais do que uma alternativa nesta fase da sua carreira e Keita Baldé não resultou.

Se a formação utilizada for o 3-5-2, é preciso ter em conta que será preciso, o mais rápido possível, resolver a situação de Mauro Icardi. Não tem sido fácil a relação entre jogador, clube e, mais importante, a agente (também a mulher) do jogador. Este problema afeta não só o rendimento desportivo do atleta, como ainda a capacidade do Inter poder ir ao mercado em busca de outras opções (Icardi é o ativo mais valioso do clube) e o ambiente do balneário, visto que o argentino é uma das referências do clube nos últimos seis anos. É preciso resolver, de vez, este problema, sendo que, com Conte, até pode existir forma de reativar a paixão do avançado em jogar pelo clube.

Mauro Icardi tem estado em destaque mais por maus motivos, estando o futuro do avançado num “vai/não vai” que não é benéfico para nenhuma das partes (Foto: Sky Sports)

Se Icardi estiver mesmo de saída, Lautaro Martínez estará à espreita, ele que foi uma espécie de arma secreta esta temporada, mas será preciso a contratação de um avançado, com Romelu Lukaku a ser referenciado como o principal alvo e a ser uma excelente opção caso se concretize, na medida em que tem provas mais do que dadas num dos melhores campeonatos do mundo, é um monstro em termos físicos e complementa muito bem com outro elemento mais tecnicista. É um avançado, sem dúvida, à medida do futebol de Conte.

As lacunas existem e estão bem identificadas. Este será um verão de aposta real em chegar mais perto de Nápoles e Juventus, por forma a mostrar o real valor do Inter em Itália, uma equipa que deve sempre lutar por títulos. Depois, o Inter é uma equipa histórica que deve fazer melhor figura nas competições europeias. Nas últimas participações, entre Liga Europa e Liga dos Campeões, têm sido mais as vezes que a equipa fica pelo caminho do que as que avança para as fases mais adiantadas. Este será outro campo no qual Conte poderá dar aquele conhecimento que é tão preciso nestas principais competições, sendo que Conte tem mais alegrias ao mais alto nível do que Spalletti alguma vez teve. 

19/20 é uma temporada decisiva para a possível reafirmação do Inter como uma das principais potências italianas. Agora vejamos o que o Inter consegue fazer com alguém que os adeptos não podem afirmar como incapaz para estar na frente do leme de um clube exigente como o Internazionale Milano.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter