Mercado promissor, contudo atípico para FC Porto, Sporting CP e SL Benfica

Guilherme CatarinoOutubro 8, 20203min0

Mercado promissor, contudo atípico para FC Porto, Sporting CP e SL Benfica

Guilherme CatarinoOutubro 8, 20203min0
Esta fechada a janela de transferências do (longo) Verão de 2020 e perante as promessas, sonhos e possibilidades, o mercado foi algo "frio" na sua extensão total. Guilherme Catarino apresenta a sua visão neste artigo

Mercado fechado e um novo campeonato português se inicia. Novas caras, novos plantéis e novas equipas darão vida e colorido a um campeonato atípico e que se avizinha acinzentado, sem adeptos e com muitas dúvidas a pairar sobre si.

Numa janela de transferências onde as dificuldades financeiras na maioria dos clubes portugueses foram notórias, os negócios que imperaram foram os empréstimos de jogadores, e as conhecidas aquisições a “custo 0” (pelo menos na teoria).

Pouco nos surpreende que tal tenha acontecido e os motivos já foram um pouco suprarreferidos; passarão naturalmente pelas quebras financeiras e falta de superavits inerentes e maioritariamente causados pela pandemia da COVID-19, que se abateu com força no decorrer do passado ano desportivo. Haverá uma natural necessidade de resguardo financeiro da parte dos clubes e estes serão os negócios a curto prazo mais eficientes.

De um ponto-de-vista mais expositivo, parece-nos fulcral atualizar e, supra, comentar sobre os mais recentes nomes que farão parte da Liga NOS 2020/21. Fugiremos, porém, a uma análise íntegra a cada jogador, e focaremos essencialmente a nossa análise nos “reforços de última hora” que o fecho da janela nos trouxe e cujos nomes cremos que serão destaques pelos papéis que poderão nos clubes respetivos.

Começando a nossa viagem pelo Dragão, onde habita o campeão nacional, a, inesperada denote-se, política de compras no mercado interno manteve-se até ao último dia com a contratação de Nanú ao Marítimo. Não nos parece que Nanú terá grandes oportunidades, pelo menos a nível titular, no FC Porto e a aposta parece ser mais futura e de rotação.

Fugiu porém a esta política interna com as vendas de Danilo Pereira e Alex Telles nos últimos dias de mercado: a venda de dois titulares indiscutíveis serviram quase como um “abre-olhos” a Sérgio Conceição e Pinto da Costa e a verdade é que se a equipa pretende revalidar o título nacional, e eventualmente ambicionar outros voos nas competições europeias, assim teria de ser. Chegaram Felipe Anderson, Sarr e Grujic e esperaremos para ver de que forma irá correr a integração dos jogadores na equipa, com a Champions aí à porta, e com o Porto já atrasado na luta pelo título nacional.

A Alvalade chegou João Mário e para a Luz chegou o tão pretendido terceiro central que Jorge Jesus tanto requisitou: Todibo. Com a equipa já planeada desde meados de agosto, a verdade é que a chegada de Todibo vem fortalecer o setor defensivo do Benfica, este que sofreu um grande abalo após a venda súbita de Rúben Dias ao Manchester City.

Do outro lado da segunda circular, chegou um velho conhecido do futebol português e, especialmente, dos adeptos leoninos: João Mário vem matar saudades por empréstimo do Inter de Milão, e ocupar a posição que Wendel tinha deixado livre no centro do meio-campo leonino. As carências neste setor eram algumas na turma de Rúben Amorim, e o “pantufas” vem certamente suprir algumas dessas lacunas na transição defesa-ataque, em conjunto com o também reforço Pedro Gonçalves.

Para finalizar gostaria de enaltecer o regresso de Fábio Coentrão ao futebol português. Polémico mas sempre muito genuíno, o vila-condense deixa água na boca a qualquer adepto rioavista, pelo histórico e pela promissora campanha que o Rio Ave tem vindo a propiciar.

Veremos o que nos traz a nova e peculiar Liga NOS 2020/21, já com surpresas e muitas caras novas e aliciantes para um espetáculo que terá de ser diferente. Para melhor, esperemos!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter