A Liga dos Campeões 19/20 vai cair nas mãos de quem?

Fair PlayAgosto 4, 20207min0

A Liga dos Campeões 19/20 vai cair nas mãos de quem?

Fair PlayAgosto 4, 20207min0
A prova mais emblemática do futebol europeu está aí prestes a retomar na força máxima e o Fair Play avança com 4 candidatos que podem conquistar o troféu nesta temporada 2019/2020!

A Liga dos Campeões está de regresso e o Fair Play escolheu os seus potenciais candidatos ao título, não figurando os power houses Real Madrid ou FC Barcelona… quem então foi o escolhido como futuro vencedor da emblemática competição!

Sabe quem são os principais favoritos nas principais casas de apostas!

VOLTA O DOMÍNIO DOS BÁVAROS DE MUNIQUE?

Por João Negreira

O Bayern Munique, octa campeão alemão vai voltar a tentar a glória europeia que já há vários anos almeja. Com um super Lewandowski a liderar a equipa, Hans Flick conseguiu organizar os Die Roten e olear uma máquina que combina muito bem a experiência com a juventude.

Na Bundesliga a vida está mais que facilitada, conseguindo uma vantagem de 13 pontos para o 2º classificado, Borussia Dortmund. Com apenas 4 empates e 4 derrotas, a equipa chegou aos 100 golos no campeonato, provando a sua supremacia, muito por culpa de um avançado polaco de 31 anos; Robert Lewandowski está a fazer uma das suas melhores épocas, sendo o melhor marcador da Bundesliga, com 34 tentos, o melhor marcador da Taça da Alemanha, com 6 e o atual melhor marcador da Champions, com 11, perfazendo 51 golos em todas as competições.

O homem-golo do Bayern vai querer fazer ainda mais história com a sua equipa, sendo acompanhado pela experiência de Neuer e Muller, pela inteligência de Thiago Alcântara e de Joshua Kimmich, mas também pela irreverência de Gnabry e Coman.

Na Liga dos Campeões, a equipa de Munique conseguiu fazer o pleno com 6 vitórias em 6 jogos – algo que mais nenhuma equipa fez -, num grupo com Tottenham, Olympiacos e Estrela Vermelha. Depois de uma vitória por 3-0 na primeira mão frente ao Chelsea, o Bayern já tem “pé e meio” nos quartos de final, onde poderá enfrentar o Nápoles ou o Barcelona. Será que a Taça vem finalmente para a Alemanha?

CITIZENS EM FULL POWER

Por Bruno Dias

Na sua quarta temporada em Manchester, Pep Guardiola procura neste mês de Agosto alcançar talvez o seu principal objectivo desde que assinou pelo clube inglês: a conquista da UEFA Champions League.

Depois de três épocas em que os “citizens” acabaram afastados da competição em eliminatórias de grande nível (com destaque para a eliminação da temporada passada perante o Tottenham de Mauricio Pochettino, confirmada depois do VAR ter anulado aquele que seria um golo decisivo de Raheem Sterling já nos descontos do jogo da segunda mão), Guardiola quererá aqui montar uma forte candidatura àquela que seria  a sua 3ª conquista da competição e, sobretudo, a primeira fora de Barcelona, contexto que o catapultou para o “estrelato”.

Para tal, contará que a equipa mantenha a belíssima forma com que terminou a temporada em Inglaterra (5 vitórias consecutivas, 4 delas em jeito de goleada), bem como a estabilidade defensiva que tem apresentado esta temporada na competição (5 golos sofridos em 7 jogos, sendo que ainda ninguém marcou mais de um golo no mesmo jogo a Ederson).

É verdade que, internamente, a equipa tem demonstrado algumas debilidades nos momentos de transição defensiva, mas é igualmente verdade que poucos conjuntos europeus possuem tanta facilidade em criar oportunidades de golo como os comandados do treinador catalão. Para isso, muito têm contribuído jogadores como Raheem Sterling, Riyad Mahrez, David Silva ou o fantástico Kevin De Bruyne.

Já com alguma experiência destas andanças nas últimas épocas, 2020 pode ser mesmo o ano que consagrará o Manchester City a nível europeu.

Torna-te também um campeão das apostas online

PODE PARIS SONHAR COM A SUA PRIMEIRA “JÓIA” DA CHAMPIONS?

Por Rafa Ribeiro

O Paris Saint-Germain tenta mais uma vez alcançar o objetivo maior desde que a equipa foi adquirida por um fundo árabe e anda sob tutela de Nasser Al-Khelaifi, conquistar a Champions League. Desde a época 11/12, em que o fundo de investimento ajudou a trazer nomes como Ibrahimović, Cavani, Lavezzi, Gonçalo Guedes, Lucas Moura, mas que não foi eficaz na conquista do título europeu, a esquadra francesa terá uma missão no mínimo misteriosa.

Contar com astros como Di Maria, Neymar, Mbappé (sem certezas da recuperação) e mais recentemente Icardi faz o confronto contra a surpresa Atalanta um prato cheio de duplicidades, já que ao mesmo tempo que faz um confronto relativamente fácil se comparado a outros nomes de peso nos playoffs, também levanta questionamentos sobre mais uma decepção, já que a Atalanta está muito bem pós paralisações do Covid-19, colecionando nove vitórias, três empates e apenas uma derrota, para a Inter de Milão, em briga pelo vice campeonato italiano (acabou em terceiro). O ponto de atenção é a perda de Ilicic, artilheiro da equipa, que não enfrente o PSG por problemas pessoais

O PSG também está embalado, afinal também acumulou alegrias no retorno do futebol. Declarado campeão francês já que o campeonato não retornou, e ainda disputando e ganhando as finais da Copa da França (1-0 contra o Saint-Étienne)  e a Copa da Liga Francesa (0-0 com o Lyon, vencendo nos pênaltis por 6-5).

As más notícias ficam por conta da ausência de Mbappé, que teve uma lesão no ligamento do tornozelo na final com o Saint-Étienne, e não deve se recuperar a tempo, a suspensão de Di Maria por acúmulo de cartões amarelos, e de Cavani, que não aceitou estender seu contrato para disputar a fase final da UCL.

Novamente vemos todo o peso da classificação passar pelos pés de Neymar Jr. Ao contrário dos últimos anos, que ficou fora por lesões nas eliminações contra Real Madrid e Manchester United, dessa vez é um dos únicos de mais nome a estarem em alta performance para tentar justificar os investimentos, e talvez no melhor momento para começar sua escalada rumo ao triunfo.

Aposta hoje e ganha o teu bónus de apostas.

MISTER SIMEONE JÁ DERRUBOU O CAMPEÃO, CONSEGUE AGORA CHEGAR AO TROFÉU?

O Atlético de Madrid é provavelmente uma das três equipas que mais incomoda em eliminatórias europeias. A equipa de Diego Simeone parece ter sido criada para estes jogos, e a última equipa a provar do veneno colchonero foi nada mais nada menos que o campeão europeu em título Liverpool.

Os madrilenos são conhecidos pela sua eficácia defensiva e pela forma como condicionam o adversário, tendo um lote de jogadores que interpretam na perfeição esta forma de jogar.

Um guarda redes que mais parece um muro, um dos melhores do mundo, laterais que juntam a agressividade à qualidade no cruzamento, desde Arias a Trippier passando por Renan Lodi, tendo ainda centrais extremamente agressivos e dominadores no jogo aéreo, sobretudo José Maria Giménez e Felipe, que se sentem confortáveis tanto a jogar em bloco baixo, como a jogar ligeiramente mais subidos (têm velocidade para ir buscar os avançados).

Thomas Partey, Saúl Ñiguez e Koke dominam o meio campo com a sua intensidade e cultura tática, sendo ainda exímios com bola, quer no passe quer a progredir com a mesma. Esta ação destes três médios liberta os homens da frente, que podem ser João Félix, Carrasco, Ángel Correa, Álvaro Morata, Diego Costa ou até Thomas Lemar.

No meio campo há ainda opções como Marcos Llorente, Hector Herrera ou Vitolo, pelo que alternativas não faltarão. Será o Atlético o principal candidato a vencer a Champions? Não é. Mas é o Atlético a equipa que ninguém quer enfrentar até à final, ainda para mais nesta conjuntura? Não tenhamos dúvidas. Pode não ser a equipa que melhor futebol pratica, mas é a equipa que tem mais idealizada e aprofundada a forma de jogar, e que não tem problemas em jogar feio se no fim isso proporcionar um sorriso.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter