5 transferências em Itália ofuscadas pelo efeito Ronaldo

José Nuno QueirósJulho 19, 20186min0

5 transferências em Itália ofuscadas pelo efeito Ronaldo

José Nuno QueirósJulho 19, 20186min0
O mercado em Itália foi abanado pela contratação de Cristiano Ronaldo por parte da Juventus e o craque português chamou todas as atenções para cima de si, fazendo com que outras transferências tenham passado ao lado do público internacional.

Aqui vamos mostrar 5 transferências que aconteceram em Itália e que ficaram num segundo plano quando comparados com CR7.

Mattia Perrin (Génova – Juventus 12M)

O Guarda Redes Italiano que chegou ao Génova em 2008, ainda muito jovem e onde fez toda a sua carreira deu finalmente o salto qualitativo que as suas enormes prestações há muito tempo justificavam. Com 25 anos e depois de ser o número 2 das balizas italianas na sombra de Gianluigi Buffon, vai ser precisamente para ser herdeiro da lenda italiana que Perrin vai sair do Génova assinando pela Juventus, que perdeu Buffon para o PSG.

Com excelentes reflexos e um fantástico jogo de mãos, o internacional italiano por duas vezes vai lutar com o polaco Szczesny por um lugar na baliza da Juventus e pode ter aqui uma via aberta pelo lugar na seleção italiana onde Donnarumma parece ser um rival mais fácil de bater.

Com esta chegada a Juventus fecha assim aquele que seria o setor mais debilitado da equipa. Vamos esperar para saber se Perrin vai corresponder as expectativas e vai estar à altura dos palcos da Champions League.

Perrin vai ter o difícil trabalho de fazer esquecer Buffon (Fonte: Faktor)

Radja Nainggolan (AS Roma – Inter 38M)

Segundo o próprio belga, foi a AS Roma que não quis continuar a contar com os seus serviços, e nesse sentido ele procurou uma nova casa sem sair de Itália e foi parar a Milão para representar o Inter. Aquele que é um dos melhores médios da Serie A é mais uma peça chave da recuperação que o inter quer fazer para conseguir alcançar os níveis de Juventus e Nápoles e combater olhos nos olhos com estas formações.

Com uma capacidade gigante para conduzir a bola desde o seu meio-campo até à área adversária é como um box-to-box que Nainggolan pode atuar no meio campo do Inter, sendo que a sua meia distância também é uma das características que o belga gosta e melhor explora e que foi com certeza um aliciante para Spalletti quando avançou para a sua contratação.

Depois de ficar de fora do melhor Mundial da seleção belga, o polémico jogador tem aqui uma nova oportunidade para mostrar que o seu futebol vale mais que o seu ego e opiniões, e que o retiraram da Roma e da seleção do seu país. Caso passe a ser melhor ouvinte e capture os ensinamentos de Spalletti pode continuar a ser uma referência nos meios-campos.

Um namoro antigo vai mesmo realizar-se em Milão (Fonte: beIN SPORTS)

João Cancelo (Inter – Juventus 40,4M)

Com a saída do suíço Lichtsteiner para o Arsenal, ficou uma vaga pro preencher na lateral direita da Vecchia Signora e que permitiram à Juventus ir buscar um namoro antigo: João Cancelo.

O lateral direito formado no Benfica atuava no Inter e o conhecimento do futebol italiano foi uma mais valia na hora de procurar o substituto. No entanto, os 40M pagos pelo jogador português colocam-lhe uma enorme pressão como o próprio já referiu e uma grande responsabilidade.

Melhor a atacar que a defender, é com vocação ofensiva que a Juventus quer jogar nas laterais, criando um domínio completo sobre os seus adversários. Com chegada fácil à linha de fundo, Cancelo pode fazer do seu cruzamento uma prenda apetecível para Ronaldo e companhia da frente de ataque.

Cancelo vai fazer companhia a Ronaldo na Juventus(Fonte: Diário de Notícias))

Javier Pastore (PSG – AS Roma 24,7M)

Perdeu espaço no PSG fruto das contratações de jogadores estratosféricos para a frente de ataque e viu com bons olhos o regresso ao futebol italiano de onde saiu em 2011. Com 29 anos Pastore pode ser claramente uma peça fulcral nas ambições da AS Roma que ganha um criativo que andava desaparecido em Paris.

Com velocidade, qualidade na finta e no 1×1, Pastore tanto pode procurar a linha de fundo como as zonas interiores, provocando grandes dores de cabeça nos defesas adversários.

Mesmo sem o tempo de jogo pretendido ao longo das ultimas épocas, Pastore ainda significou um investimento de cerca de 25M, ficando agora a dúvida se este Pastore regressa sem o perfume característico e que já nos mostrou lances requintados, ou se vamos ter o Pastore de qualidade superior como se viu em Itália e que obrigou o PSG a pagar 42M ao Palermo em 2011.

Pastore pode relançar a carreira no país que o projetou (Fonte: Sapo)

Justin Kluivert (Ajax – AS Roma 17,25M)

Filho de peixe, sabe nadar ou neste caso filho de craque, sabe jogar. O jovem Kluivert brilhou ao serviço do Ajax na última temporada e mostrou claramente que aos 18 anos (fez 19 apenas em Maio) já era uma grande promessa do futebol holandês como não se via há muitos anos e que a pobre liga Holandesa era curta para tanto futebol e qualidade. E a AS Roma viu isso mesmo e chamou o jovem para Itália.

Com uma velocidade incrível e um jogo soberbo com ambos os pés, capaz de fazer qualquer pessoa duvidar qual seja o seu pé predominante, Kluivert é um extremo que vem dar mais qualidade e irreverência ao ataque da equipa da capital italiana.

Resta agora saber se Kluivert vai conseguir ganhar o espaço e a confiança que tinha no Ajax, onde já assumia o jogo e procurava sempre a bola, ou se a concorrência vai ser demasiado forte para ele impor o seu futebol em Itália.

Contratado por menos de 20M, Kuivert não tem a pressão de ser o jovem craque do futuro e essa tranquilidade e menor pressão pode ser benéfica para o holandês que parece decidido a deixar uma marca tal e qual o seu pai.

Conseguirá Justin corresponder à expectativa do seu nome? (Fonte: Mais Futebol)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter