25 Mai, 2018

Mourinho: À segunda é que é de vez?

João NegreiraSetembro 24, 20176min0

Mourinho: À segunda é que é de vez?

João NegreiraSetembro 24, 20176min0
As segundas épocas para José Mourinho são sempre especiais. O Fair Play analisa o atual momento da equipa treinada pelo português e faz uma analogia com o passado do treinador.

José Mourinho, 54 anos, para muitos o melhor treinador do mundo. O atual treinador do Manchester United entrou para a sua 2ª época ao serviço dos red devils e não só pelo belo início que está a ter, mas também pelo que as passadas 2ªs épocas do português nos dizem, podemos afirmar que José Mourinho tem excelentes hipóteses de ser campeão. É verdade que o treinador luso já ganhou campeonatos nas suas 1ªs épocas, mas é certo que nas 2ªs ganhou sempre. E o denominador comum que este artigo tem por objetivo expor é o facto de nas suas 2 passagens mais recentes, não ter ganho o título na 1ª época de cada clube e tê-lo ganho apenas na 2ª época.

Bom início a fazer esquecer a época passada

Já com 9 jogos oficiais jogados e apenas uma derrota, para a Supertaça Europeia, há que referir que o United está a ter, no mínimo, um bom início de época. Ainda invicto na Premier League, a turma de Mourinho divide o 1º lugar com os seus rivais de Manchester, com os mesmo pontos, vitórias, empates, derrotas e golos sofridos. Também, com uma boa entrada na fase de grupos da Champions, com uma vitória caseira frente ao Basileia, e uma vitória fácil frente ao Burton para a Taça da Liga.

Após uma temporada 16/7 com um misto de emoções, onde conseguiu ganhar a Taça da Liga e a Liga Europa mas onde ficou num modesto 7º lugar, Mourinho, parece já ter conseguido acertar com o caminho para o sucesso, em Manchester. Ele que conta com Romelu Lukaku, contratado ao Everton por 85 milhões de euros, como homem golo para fazer a máquina andar para a frente, seja no fisíco, como também no ótimo faro de golo que tem sendo que já marcou 8 golos em 8 jogos oficiais; outro jogador de destaque, é outro reforço, é ele Nemanja Matic, contratado ao, campeão, Chelsea, por 40 milhões de euros e tem-se mostrado impressionante a nível tático, a ocupar bem os espaços a fechar o caminho ao adversário mas também no roubo de bola; falar ainda de Mkhitaryan, que igualou um antigo recorde de assistências fazendo 5 em apenas 3 jogos e apesar de não ter feito mais nenhuma nos outros 3, o jogador tem-se mostrado fundamental a organizar o jogo dos red devils.

Nas segundas tentativas, Mourinho não perdoa

Temos que recuar até à época 2002/2003 para chegar à primeira época completa de Mourinho como treinador principal. Já com um vasto currículo como treinador-adjunto e alguns jogos como treinador principal, Mourinho mostrou-se mais que preparado para enfrentar os desafios que uma temporada inteira oferece, conseguindo, ser campeão com o F.C. Porto. Fazendo jus ao subtítulo, o português não perdoou e foi bicampeão pelos dragões, tendo alcançado mais 4 troféus na Invicta.

Na época seguinte, emigra para “Terras de Sua Majestade” e prova, a todos os que duvidaram dele, que os azuis e brancos não foram épocas de sorte. Campeão na 1ª época, e mais uma vez, não perdoou na 2º época e foi bicampeão. O nome de Mourinho já ecoava por todo o Mundo; já tinha conquistado a Champions League pelo F.C. Porto, mas se para os mais céticos (ou mais desatentos), Mourinho ainda tinha que lhes provar que era realmente um grande treinador, estas duas épocas foram uma “chapada de luva branca”. Na 3ª época fica em 2º lugar, e na 4ª é despedido dos blues após 8 jogos.

Em 2008/2009, muda-se para o país transalpino e chega para comandar o Inter de Milão. Na altura com uma equipa cheia de estrelas, maioritariamente veteranas como: Zanetti, Materazzi, Samuel, Figo, Stankovic, Viera e Crespo, foi campeão. Mas não se ficou por aqui, mais uma vez, não perdoou e foi bicampão pelo Inter, conseguindo a sua 2ª Champions League da carreira, ficando a apenas um golo da marca dos 100 na época.

Mourinho é adorado em Itália após a sua passagem pelo Inter de Milão. (Foto: ESPN)

Durou apenas aquelas 2 épocas e muda-se para Espanha para o Real Madrid. E é aqui que o artigo se mostra curioso e interessante; na 1ª época, apesar de ultrapassar os 100 golos na La Liga (148 golos no total), ficou em 2º lugar e entre os maiores astros do planeta, Mourinho não conseguiu ser, desde logo, bem sucedido, o que juntando aos seus mind-games (ou arrogância) o levou a criar imensos inimigos, seja entre a imprensa ou entre outros treinadores. No entanto, acaba por conseguir responder aos críticos e na 2ª época é campeão com uma diferença de 9 pontos para o 2º, Barcelona e de 39 para o 3º, Valência.

Volta para onde já foi feliz, e aquele que foi o Special One, na sua 1ª passagem pelo Chelsea, passa a ser o Happy One. À imagem daquilo que aconteceu em Espanha, não consegue ser campeão na 1ª época e a mostra-se que as 2ªs épocas são especiais para o treinador português, conseguindo alcançar o título na temporada 2014/2015 com uma vantagem de 8 pontos para o Manchester City. Sempre envolvido em muita polémica por onde passa, Mourinho consegue sempre ultrapassar tudo isso e atingir o sucesso. Apesar disso, faz uma época 15/16 terrível com os blues, onde comanda o clube por apenas 25 jogos.

Mourinho passa de Special One para Happy One no Chelsea. (Foto: Público)

Afirma que quer descansar o resto da época e não avança para nenhum clube, apesar das várias propostas. Acaba por ficar em Inglaterra, num dos maiores rivais do Chelsea, o Man United. Mais uma vez, na 1ª época não ganha o campeonato e parece mostrar que as 1ªs épocas são de adaptação ou uma espécie de aquecimento para o que aí vem. E chegamos ao presente; após toda esta revista sobre a carreira de José Mourinho, é natural fazer esta analogia como curiosidade. Mourinho, como já aqui foi dito variadíssimas vezes, não ganhou o campeonato na 1ª época, mas parece ter boas hipóteses de o fazer este ano.

Em suma, Mourinho pode seguir o trilho que foi deixando e deixar claro que as 2ªs épocas são para ganhar (seja isto intencional ou não); dizer também que é legítimo pensar desta maneira, não só pelo que o passado nos foi mostrando mas também pelo excelente início de época que o Man United tem vivido.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter