Milhões de “Lata”: o recente caso dos Promovidos da Premier League

João NegreiraAgosto 17, 20193min0

Milhões de “Lata”: o recente caso dos Promovidos da Premier League

João NegreiraAgosto 17, 20193min0
O Fulham e o Aston Villa têm algo em comum. O facto de serem recém-promovidos e terem gasto imenso nas suas contratações. Os cottagers acabaram por descer, mas será que os villains seguem o mesmo caminho?

Um mau presságio…

No verão de 2018, o Fulham gastou 116,5 milhões de euros em contratações, o terceiro maior investimento do campeonato. Jean Michael Seri, Andre Zambo Anguissa e Aleksandar Mitrovic bateram recordes de transferências no clube, custando juntos cerca de 80 milhões de euros.

Não obstante, à 33ª jornada, no início de abril, os cottagers confirmavam a despromoção numa derrota por 4-1 sobre o Watford. O grande investimento fazia querer que a equipa da cidade de Londres ficaria na Premier por mais anos, mas acabou por voltar para o Championship.

No verão de 2019, o Aston Villa gastou 148 milhões de euros em contratações, o quarto maior investimento do campeonato. Wesley, Tyrone Mings e Douglas Luiz bateram recordes de transferências no clubes, custando juntos cerca de 64 milhões de euros.

Até aqui são maus prenúncios, tendo em conta que a estratégia utilizada pelo Fulham não foi bem sucedida.

Porém, ao olharmos com mais detalhe para as compras dos villains conseguimos perceber que ainda existe um núcleo duro da temporada passada, confirmando em definitivo Korney Hause, El Ghazi e Tyrone Mings.

Wesley bateu o recorde de transferências do Aston Villa. (Foto: The42)

O que esperar dos Villains?

É importante ainda referir que no atual plantel, sobram 16 jogadores da temporada passada, tendo entrado 10 caras novas.

Nas 2 primeiras jornadas, já vimos 4 e 5 jogadores novos a começarem no onze. No entanto, em ambos os jogos o Aston Villa perdeu, ficando já para trás na luta pela manutenção.

Liderados por um talentoso Jack Grealish, os villains terão no ataque e no meio-campo as suas mais valias, bem à maneira do seu timoneiro, ele que terá de mentalizar os seus jogadores de que nesta temporada irão perder mais do que ganhar, tendo que, muitas vezes, ser mais pragmático.

A dupla Grealish e McGinn conseguirá aguentar os adversários e lançar o ataque, enquanto que Wesley terá o peso da responsabilidade dos 25 milhões de euros e de colmatar a saída de Tammy Abraham.

Será mesmo na defesa, onde estarão mais descompensados. Com 5 golos sofridos em 2 jornadas, será necessário uma maior agressividade e um maior entrosamento de toda a linha defensiva.

Há ainda uma vantagem a favor do Aston Villa. Com o recorde de vendas de bilhetes de época já batido, terão o Villa Park como a sua fortaleza, conseguindo, com a ajuda dos adeptos, ir buscar mais forças para as partidas mais difíceis.

Fica ainda a questão se alguns dos jogadores do seu plantel conseguirão dar o salto para palcos maiores e lidar com melhores equipas, ou se irão ficando pelo caminho semana após semana e voltar para o segundo escalão.

Para que não tenham o mesmo destino que o Fulham teve, há que dar tempo para que os reforços se consigam entrosar, não mudando o onze todas as semanas.

O adorado Jack Grealish. (Foto: The Independent)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter