Sporting com plantel fechado pelos ventos algarvios

José Nuno QueirósJulho 22, 20224min0

Sporting com plantel fechado pelos ventos algarvios

José Nuno QueirósJulho 22, 20224min0
Foi novamente no Algarve que Amorim observou os jogadores e fechou o plantel do Sporting, que nao deverá ser alaterado até ao fim do mercado.

O estágio do Sporting no Algarve chegou ao fim com o balanço a ser bastante positivo para os adeptos mas principalmente para Rúben Amorim que considera que o plantel já está fechado.

Apenas duas situações podem fazer o clube alterar a abordagem ao mercado: Ou alguém do atual plantel sai e a SAD sportinguista é obrigada a arranjar uma alternativa ou aparece um negócio irrecusável na ordem da chegada de Sarabia a custo praticamente nulo.

Sendo assim já é possível fazer o desenho do Sporting para a próxima temporada.

Na baliza, Amorim não irá abdicar da confiança que teve em Adán, que será o titular da baliza leonina pela 3 época seguida e vai tbm conhecer o seu suplente, com Franco Israel a chegar da Juventus para evoluir na sombra de Adán e ocupar a vaga deixada pelo João Virgínia.

Na ala direita ficou tudo na mesma, com Porro e Esgaio a serem os donos do lugar, sendo claramente um duo do qual Amorim não abdica, tendo em Esgaio um polivalente para ocupar outras posições quando necessário. Esteves acabou por ser cedido ao Estoril para somar minutos na primeira liga, sendo que no Algarve nem Hevertton nem Travassos pareceram convencer o universo Sporting, nesta fase.

No centro da defesa havia muitas dúvidas, mas parecem neste momento quase todas desfeitas. Feddal chegou ao fim do contrato e a direção do Sporting avançou para a contratação de St. Juste ainda a época passada não tinha terminado. Com Eduardo Quaresma a ser novamente preterido (antes mesmo do estágio começar), ficava a dúvida sobre quem seria o quinto homem para lá de Juste, Coates, Inácio e Neto. Neste particular aspeto parece que Marsá ganhou terreno, principalmente pela qualidade que evidenciou com a bola no pé. Apenas ficam as dúvidas sobre o que pode dar St. Juste, que está lesionado, e se Inácio vai mesmo ficar no plantel.

Sem grandes surpresas a ala esquerda vai se manter a cargo de Matheus Reis e Nuno Santos, com Nazinho a regressar à equipa B e Vinagre a procurar um empréstimo para recuperar a confiança.

No meio campo a época arrancou com a saída de Palhinha por 20M e a saída forçada de Bragança por lesão. Se para Palhinha a escolha já estava preparada em Morita, a perda de Bragança apanhou, naturalmente, toda a gente de surpresa. Com Essugo, Veiga e Mateus Fernandes convocados para estágio conseguiria algum convencer Amorim ou seria necessário nova investida ao mercado?

A resposta é Mateus Fernandes. O médio encantou principalmente no jogo frente aos belgas do RSG e agarrou o lugar no plantel, ainda que ao que tudo indica para viver na sombra de Matheus e Ugarte que provaram estar noutro patamar de competitividade.

Na frente é onde Amorim apostou na maior reformulação do plantel. Com as saídas de Sarabia, Jovane e Slimani o ataque ficou mais despido mas o Sporting resolveu rápido o problema com Rochinha e Trincão, havendo ainda Fatawu num patamar inferior mas a ter em conta quando melhorar a vertente tática do jogo.

Com o ataque móvel a ser muitas vezes testado, Pote destacou-se dos demais com uma qualidade enorme aliada a golos geniais. Edwards aparece irrequieto é móvel e Trincão a deixar já alguns pormenores apesar do pouco tempo de treino.

Rochinha também apareceu com vontade de fazer coisas positivas, já Chermitti e Rodrigo Ribeiro acabaram por desiludir no estágio ou pela pouca qualidade ou pela falta de tempo de jogo televisionado e deixam Paulinho muito isolado como alternativa à frente de ataque. A luz de esperança para essa alternativa chama-se Tabata que apesar dos poucos minutos aproveitou-os sempre ao máximo e provou ser a melhor solução para o centro do ataque móvel do Sporting.

Pote foi claramente a figura maior da equipa no Algarve. (Fonte: SAPO Desporto)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter