Eng.º Fernando Santos que meio-campo vai convocar para o Mundial?

Francisco IsaacAbril 18, 201810min0

Eng.º Fernando Santos que meio-campo vai convocar para o Mundial?

Francisco IsaacAbril 18, 201810min0
É agora a hora de começar a escolher os nossos representantes para Junho e o propomos a discussão no "miolo": quem é que Fernando Santos vai convocar para o Mundial?

Estamos a poucas semanas de um novo Mundial de futebol, desta feita na fria Rússia, uma das “casas” do futebol do século XX onde despontaram atletas como Lev Yashin, Oleg Blokhin, Viktor Onopo, Albert Shesternev ou Viktor Kolotov.

Num Mundial onde vão estar presentes 32 selecções, entre elas Portugal, há muito para escrever (o Fair Play fará uma série de artigos de antevisão sobre os protagonistas, pormenores a ter em atenção e os “números” a registar) e dizer sobre quem vai estar lá.

Nesta semana visitamos uma secção da selecção das Quinas que está a dar que falar: o meio-campo. A lesão de Danilo Pereira, as queixas de William Carvalho e a falta de minutos tanto de Adrien Silva como João Mário (que só em Janeiro conseguiram voltar a jogar com normalidade) lançou uma sombra sobre a estratégia de jogo de Fernando Santos.

O Engº gosta de um meio-campo de posse, com um misto de força e inteligência na saída de bola, sem entrar em desvarios ofensivos desnecessários.

Mas então quem é que está no “cardápio” da equipa técnica portuguesa? O Fair Play apresenta os vários jogadores em três secções que podem ser resumidas como “confirmados“, “a confirmar” e os “que vão falhar”.

OS QUE VÃO ESTAR LÁ DE CERTEZA (OU QUASE…)

O seleccionador nacional já tinha falado que a sua lista de jogadores estava perto de ser fechada, mas que ainda subsistiam algumas dúvidas. Contudo, os nomes de João Moutinho, William Carvalho, Adrien Silva, João Mário, André Gomes e Bruno Fernandes já devem ter o seu lugar assegurado na viagem para a Rússia.

De trás para a frente vejamos onde cada um se encaixa e porquê é que merecem (ou têm) de ser convocados: William Carvalho é o único trinco de confiança para Fernando Santos, a par de Danilo Pereira.

O jogador do Sporting CP foi um dos protagonistas do Europeu 2016, com o seu toque de bola de elevada categoria, o rigor na organização do meio-campo defensivo e um atleta que consegue fechar bem os espaços (foi o jogador português que mais metros percorreu durante a final) no centro do terreno ou nas faixas.

João Moutinho voltou a fazer uma bela temporada pelo AS Mónaco e é um dos jogadores mais ancestrais das Quinas com 107 internacionalizações, sendo desde 2016 o médio com mais jogos por Portugal desde sempre.

Moutinho teve uns jogos “apagados” pelas Quinas, mas nos momentos cruciais surgiu sempre bem e com uma boa voz no “miolo”. O passe, o lançamento de acções e a coordenação com o meio-campo defensivo são algumas armas do nº8.

Depois há a questão de Adrien Silva, que só começou a jogar pelo Leicester em Janeiro e, por isso, se estará em forma para jogar. A confiança de Fernando Santos no inteligente e caprichoso médio português deverá falar mais alto, já que em boa forma costuma garantir um meio-campo seguro.

O mesmo aplica-se a André Gomes que só irá ao Mundial mais pela esperança do seleccionador nacional nos skills do jogador do Barcelona do que a forma física e mental que se apresenta. Verdade que o blaugrana tem feito uma época muito abaixo das expectativas, não sendo também um atleta rápido ou intenso. Contudo, a sua cultura de jogo, o bom passe e o remate podem ser argumentos suficientes para receber o convite para a Rússia.

Para a frente há João Mário e Bruno Fernandes, jogadores que apresentam uma multidisciplinaridade no que toca ao posicionamento no terreno. Ora actuam bem como médio mais ofensivos, com o médio dos leões a destacar-se excelentemente bem no lançamento e apoio ao ataque, com passes extraordinários seja pelo ar ou chão, existindo ainda o facto de rematar excelentemente bem fora da área (algo que faz falta ao futebol português no geral).

João Mário é um desequilibrador nato, rápido com a redonda que parece colar ao fantasista que está a jogar agora em Inglaterra. Remate colocado, passes bem tensos e um jogador que executa rapidamente boas jogadas no ataque. O internacional português pode tanto jogar no centro do terreno mais avançado ou atirar-se para as alas.

No cômputo geral, Fernando Santos tem boas opções para o meio-campo sendo que a maior preocupação será a forma física de João Mário, Adrien Silva e os problemas físicos de William Carvalho e André Gomes.

O factor fora da área de Bruno Fernandes

AQUELES QUE MERECEM CHEGAR LÁ MAS…

Um alerta para o leitor: o mas não significa que não vão ser convocados! Pelo contrário, há uma boa probabilidade de saírem do banco de “ideias” do Eng.º para a lista de convocados final. Há um desde logo que está à cabeça dos prováveis convocados mas é fundamental que Fernando Santos confirme o mais rápido possível: Ruben Neves.

O trinco tem feito uma época estupenda em Inglaterra, ao serviço do Wolves, com uma genialidade na recuperação de bola que depois é ultrapassada pela forma como mete o meio-campo/ataque a andar com passes que cativaram o público inglês num par de meses. A somar a isso sabe marcar livres, aparece bem na “ressaca” dos cantos e não diz não a aparecer como um falso 8 no ataque.

Na ausência de Danilo Pereira, terá de ser Ruben Neves a assumir a vaga do trinco do FC Porto, não pelo demérito deste mas pelo mérito do jovem português, que arriscou numa ida para Inglaterra para se afirmar no futebol.

A juntar-se a Neves está Manuel Fernandes, que desde 2017 tem merecido a confiança da equipa técnica das Quinas para regressar às convocatórias durante as duas “janelas” de amigáveis. O médio-centro é possante, fisicamente difícil de ultrapassar, “agressivo” na luta do “miolo” e que ainda gosta de fazer o gosto ao pé.

O jogador que enverga a camisola 4 do Lokomotiv de Moscovo é uma “arma de arremesso” de boa qualidade, podendo entrar bem num meio-campo mais defensivo mas que gosta de dominar todas as acções nesse espaço do terreno.

Imaginemos um meio-campo com Ruben Neves, Manuel Fernandes e Bruno Fernandes (que nunca acontecerá) que gosta de recuperar a bola, lançar em profundidade, confortável com a bola nos pés e que ainda pode atirar uns remates de longe… mas será que Fernando Santos arrisca nesta opção?

Há um azul-e-branco que merecia a convocatória para alguns, mas não deverá sequer surgir na lista B de soluções do engenheiro: Sérgio Oliveira. O trinco do FC Porto apareceu no lugar de Danilo Pereira e de lá para cá agarrou o lugar com todas as suas forças.

Inteligente na saída com a bola, excelente a recuperá-las (ou a fazer faltas) e munido de um pé que é venenoso nos cantos, livres ou centros, Oliveira poderia ser uma solução para o centro do terreno, mas para a sua posição o técnico da Selecção Nacional prefere outro tipo de atletas, isto é, jogadores que tenham um bom pulmão e tenham velocidade para acompanhar o adversário.

Ruben Neves e o sensacional pé-bomba

OS QUE ESTÃO (PRATICAMENTE) RISCADOS

O grupo daqueles que não vão ser chamados de forma alguma por Fernando Santos, a não ser que os jogadores do grupo 1 e 2 se lesionem por completo. Para além disso, incluímos aqueles jogadores que estão lesionados e não vão poder ajudar as Quinas por mais rápido que recuperassem.

O primeiro é logo Danilo Pereira, o trinco do FC Porto, que está desde Fevereiro de baixa. A curta aparição contra o CF “Os Belenenses” encheu as esperanças dos adeptos dos dragões como Fernando Santos… infelizmente, nova lesão, desta feita ainda mais grave que anterior, atirou-o para fora dos convocados. O Engenheiro admitiu que parte da estratégia de jogo poderia passar pelo médio do FC Porto mas agora teria que ver outras soluções.

Depois há o caso de Renato Sanches, que está a fazer a sua segunda época muito abaixo das expectativas de todos, não tendo convencido nem as hostes do Bayern de Munique ou do Swansea.

A coqueluche de Fernando Santos tem poder físico, é agressivo na luta pela bola e tem um estilo de jogo que encanta parte dos adeptos… contudo, falta de minutos, constantes lesões e os erros tácticos têm agravado o seu desenvolvimento, não sendo de todo opção para Sanches.

Pedro Tiba é outro nome a juntar-se à lista, mas que infelizmente está mais num tom alaranjado-avermalhado em termos de inclusão no grupo final de convocados, apesar da excelente época que tem realizado ao serviço do GD Chaves de Luís Castro. Não é só pelos números que o médio-centro apresenta (7 golos e 7 assistências em 30 jogos) mas pelo trabalho que realiza no meio-campo dos flavienses.

Enérgico, minucioso e esforçado, Tiba é uma formiga em termos de trabalho no centro do terreno, evidenciando-se como um jogador de confiança, leal à causa e que assume a ligação entre a zona mais defensiva e ofensiva do jogo. Já mereceu algumas chamadas para a Selecção Nacional mas nunca chegou a estrear-se por Portugal. Será que é desta?

E Miguel Veloso… quem é que iria buscar o trinco para Portugal neste momento? O ex-leão tem feito uma boa temporada no Génova, impondo-se no meio-campo com acutilância, fazendo uso do seu poder físico para posicionar-se da melhor forma possível. Contudo, desde 2015 que não é chamado para a selecção Nacional e a lesão muscular sofrida tirou-o do campo nos últimos encontros.

Pizzi, do SL Benfica, mas o médio-criativo está com graves dificuldades em convencer o público das águias nesta temporada… passes errados, falta de esforço para acompanhar os adversários que recuperam a bola e dribles mal concebidos. Mesmo assim, os 5 golos e 12 assistências podem ajudar a Pizzi ter os argumentos necessários para ser chamado à Selecção… mas se nem nos seus melhores tempos o foi, de forma consistente, será que é agora?

Estes são os jogadores que mereceram a nossa “convocatória” no Fair Play com alguns na zona verde, outros num laranja e por fim os que estão completamente vermelhos… mas na realidade quem será chamado para o grupo final do seleccionador nacional? Quem é que nos esquecemos? E que alterações faziam às listas?

Um dos melhores jogos de Renato Sanches no Swansea


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter