Reforços “Despromovidos” para Sérgio Conceição (3/3)

Francisco da SilvaJunho 10, 20185min0

Reforços “Despromovidos” para Sérgio Conceição (3/3)

Francisco da SilvaJunho 10, 20185min0
Nas principais ligas europeias, inúmeros talentos individuais foram relegados ao segundo escalão em 2017/2018. Nesta última parte, o Fair Play recomenda agora 4 reforços para a frente de ataque do FC Porto de Sérgio Conceição.

Anualmente, inúmeros talentos individuais são relegados para os escalões secundários fruto de temporadas menos felizes dos seus coletivos. Atendendo à débil saúde financeira do FC Porto e à qualidade de muitos elementos que fazem parte dessas mesmas equipas, o Fair Play irá realizar um conjunto de três artigos onde irá propor 12 reforços para o plantel azul e branco oriundos de diversas formações das principais ligas europeias que foram despromovidas ao segundo escalão em 2017/2018. Nesta última parte, recomendamos 4 elementos para o ataque do Dragão.

Youssef En-Nesyri (Málaga CF)
No início da temporada 2017/2018 ninguém contava que o Málaga seria capaz de realizar uma época tão abaixo do seu real valor, contudo, neste deserto desportivo emergiu um pequeno oásis, En-Nesyri. O marroquino de 21 anos revelou-se em pleno na última época mas é já considerado um dos elementos mais promissores do futebol africano. En-Nesyri é um avançado centro, também capaz de cair para uma das alas, veloz à custa da sua passada larga e forte nos duelos aéreos devido à sua elevada estatura (quase 190 centímetros) que em 2017/2018 foi o 2º melhor marcador do lanterna vermelha da La Liga com quatro tentos. O marroquino é um elemento dotado tecnicamente, móvel e que explora bem a profundidade, o que o torna um jogador muito útil para equipas que privilegiem transições ofensivas rápidas. Nesse sentido, Youssef En-Nesyri não só encaixaria na filosofia de jogo do FC Porto como seria ainda um reforço recheado de talento para Sérgio Conceição domar e potenciar. Avaliado em 1,8 milhões de euros*, a presença do marroquino no Mundial 2018 deverá valorizar ainda mais o passe do magrebino, como tal, quem quiser assegurar a “bom preço” En-Nesyri terá de ser o mais lesto e assertivo possível.

Jonathan Calleri (UD Las Palmas)
O avançado argentino é um nome “fetiche” para os clubes portugueses tal é o número de notícias e rumores que Jonathan Calleri já alimentou na imprensa desportiva portuguesa, contudo, a corrente situação contratual do argentino pode finalmente colocá-lo em Portugal. Jonathan Calleri, ponta de lança oportunista, móvel e com vastos recursos técnicos seria certamente um reforço de peso para o elenco azul e branco pois adiciona algo que tem faltado a Aboubakar e Soares, boa relação com o golo. Em 2017/2018, o argentino falhou apenas uma partida na La Liga e foi o jogador mais importante do UD Las Palmas com nove golos marcados e três assistências, relegando para segundo plano Loïc Remy, Jonathan Viera e Alen Halilovic. De momento, Jonathan Calleri anda à procura de um novo emblema para demonstrar a sua qualidade futebolística, falando-se do interesse de clubes brasileiros e mexicanos, assim sendo, a potencial saída de Aboubakar pode escancarar as portas do Estádio do Dragão ao argentino e nem os 6 milhões de euros* de avaliação devem ser um entrave face à qualidade e números de golos que Jonathan Calleri garante.

Luciano Narsingh (Swansea City)
Outrora uma das maiores promessas do futebol holandês, Narsingh chegou ao País de Gales carregado de expectativas e ilusões para a sua primeira aventura fora da Holanda, no entanto, o extremo direito não se deu bem. Ao longo de toda a temporada, Luciano Narsingh somou apenas 619 minutos na Premier League e marcou somente por uma única ocasião, assumindo-se como uma das principais desilusões dos swans. Com a descida do Swansea City ao Championship, o passe de Narsingh avaliado em 5 milhões de euros* faz parte do lote de negociáveis. Apesar de não se ter imposto no País de Gales, o holandês reúne um conjunto de características que são do agrado do técnico portista, nomeadamente, velocidade, verticalidade e capacidade de desequilíbrio no 1 contra 1, assim sendo, face à saída de Majeed Waris e à crescente cobiça em redor de Yacine Brahimi, Luciano Narsingh seria uma mais-valia para o plantel do FC Porto e não teria grandes dificuldades em assumir-se como um elemento importante no flanco direito quer em 4x3x3 quer em 4x4x2. O único entrave à sua vinda estaria no salário relativamente elevado do internacional holandês que teria de ser forçosamente ajustado para se adequar à realidade económica azul e branca.

Jhon Córdoba (FC Colónia)
Dificilmente algum avançado desiludiu tanto na última temporada da Bundesliga como Jhon Córdoba. O avançado colombiano vinha de uma grande época em Mainz e tudo apontava para que o possante ponta de lança voltasse a brilhar, alavancando o rendimento desportivo do Colónia, porém, as previsões saíram furadas e os bodes caíram para o segundo escalão do futebol alemão. Jhon Córdoba é o típico avançado colombiano, forte fisicamente, possante, veloz mas com algumas carências técnicas e na finalização que devem ser aprimoradas por forma a evitar uma temporada como 2017/2018. Com visíveis queixas e dificuldades em se adaptar ao futebol alemão, a saída de Jhon Córdoba do futebol alemão pode acontecer a qualquer momento, nesse âmbito, por que não rumar ao Estádio do Dragão? Além do FC Porto ter tradição em potenciar jogadores colombianos, Córdoba é um elemento à imagem de Moussa Marega que desequilibra mais pelo físico do que propriamente pela técnica, logo, enquadrado com os requisitos de Sérgio Conceição para a posição. Por fim, dada a desvalorização brutal do colombiano na última temporada, Córdoba está avaliado em 4 milhões de euros*, o que o torna um ativo apetecível e ao alcance do FC Porto.

*valores de mercado atuais indicados pelo portal Transfermarkt


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter