Ananque de Sérgio Conceição

Francisco da SilvaAbril 21, 20184min0

Ananque de Sérgio Conceição

Francisco da SilvaAbril 21, 20184min0
A carreira de Sérgio Conceição como técnico principal ainda mal começou, no entanto, já há uma "besta negra" para o conimbricense, sempre na marca dos 11 metros.

Sérgio Conceição iniciou a sua carreira como técnico profissional em 2012, ao serviço do Olhanense com a missão de substituir Daúto Faquirá. Desde então, o percurso do conimbricense cruzou-se com mais cinco emblemas: Académica de Coimbra, SC Braga, Vitória SC, FC Nantes e FC Porto. Ao longo da sua ainda curta carreira, três formações orientadas por Sérgio Conceição foram chamadas a decidir eliminatórias na marca dos 11 metros, quatro vezes em partidas da Taça de Portugal e uma única vez para a Taça da Liga.

Analisando friamente os dados e estatísticas, a Académica de Coimbra foi a única formação que permitiu a Sérgio Conceição vencer jogos de “mata-mata” nas grandes penalidades. Em 2013/2014, os “estudantes” empataram a duas bolas no tempo regulamentar em Belém, contudo, a menor assertividade de Fredy, João Afonso e Diawara na marca dos 11 metros deu a vitória à Académica de Coimbra em casa do CF Os Belenenses e respetiva passagem à 4ª eliminatória da Taça de Portugal. O jogo seguinte na competição rainha levou novamente a decisão para as grandes penalidades. Após uma igualdade a um no marcador ao fim de 120 minutos de jogo, os homens de Sérgio Conceição superiorizaram-se ao Académico de Viseu nos penalties e confirmaram a fortuna do técnico da Briosa na marca dos 11 metros.

Sérgio Conceição ao serviço da Académica de Coimbra | Fonte: Maisfutebol

Contudo, o que parecia uma relação simbiótica entre Sérgio Conceição e a marca de grande penalidade tornou-se desde então uma tortura silenciosa, cruel e desigual. O capataz seria sempre o mesmo.

O momento mais impiedoso e sádico dos deuses do Futebol para com Sérgio Conceição aconteceu em pleno Jamor, corria a temporada 2014/2015. Um início auspicioso dos bracarenses fazia prever uma vitória fácil do SC Braga perante o poderoso Sporting CP, porém, 7 minutos finais de desatenção dos homens de Sérgio Conceição igualaram o marcador a dois. Sem qualquer mexida no placard durante o prolongamento, SC Braga e Sporting CP foram chamados a decidir o vencedor da Taça de Portugal nas grandes penalidades. Aí os homens de Marco Silva souberam capitalizar o desacerto de Salvador Agra, Éder e Rafa Silva e celebraram efusivamente o único troféu da temporada. Pela primeira vez, Sérgio Conceição vergava-se à marca dos 11 metros.

Seriam necessários quase três anos para que Sérgio Conceição reencontra-se nos mesmos moldes o Sporting CP, desta vez com oportunidade dupla para se desforrar. O equilíbrio nas meias finais da Taça da Liga saldou-se num nulo que obrigou a decidir o vencedor nas grandes penalidades. Mais uma vez, o Sporting CP seria mais eficaz do que a equipa de Sérgio Conceição, garantindo assim passaporte para a final da competição, que viria a vencer.

A eliminação foi dolorosa mas devidamente disfarçada pela liderança no campeonato nacional, no entanto, a decisão seguinte na marca dos 11 metros seria ainda mais sádica e impiedosa. Uma vitória na primeira mão da meia final da Taça de Portugal fazia sonhar os adeptos azuis e brancos com uma eventual dobradinha, porém um golo nos últimos 5 minutos do tempo regulamentar de Coates igualou a eliminatória. Nas grandes penalidades, todos os 10 executantes marcaram com bastante assertividade as suas oportunidades, contudo, no meio de 9 penalties que só pararam no fundo das redes, Iván Marcano teve excessiva pontaria e acertou no poste da baliza de Rui Patrício, alimentando por mais uma temporada a maldição de Sérgio Conceição perante o Sporting CP.

Sérgio Conceição ao serviço do FC Porto | Fonte: Maisfutebol

A carreira técnica de Sérgio Conceição tem tudo para igualar o percurso do conimbricense dentro das quatro linhas, nesse sentido, os últimos desaires do timoneiro de 43 anos na marca de 11 metros não devem atemorizar Conceição. Até ao momento, o Sporting CP tem simbolizado a figura mitológica de Ananque, deusa grega da inevitabilidade, contudo, talvez os deuses do Futebol estejam simplesmente a brincar no tabuleiro de Xadrez e quiçá no dia 5 de Maio de 2018 decidam reequilibrar a balança com Sérgio Conceição, com ou sem marca de 11 metros.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter