Os mestres da tática: Carlos Pinto vs Miguel Leal

Daniel CarvalhoFevereiro 28, 20184min0

Os mestres da tática: Carlos Pinto vs Miguel Leal

Daniel CarvalhoFevereiro 28, 20184min0
Provando que nem sempre os protagonistas do desporto rei são os jogadores o FairPlay neste artigo destaca dois treinadores que se têm destacado na última temporada.

Carlos Pinto (Santa Clara)

Sistema Tático preferido: 4-4-2 (duplo pivot defensivo)

Carlos Pinto, 44 anos, faz parte do lote de treinadores que acabou a sua carreira como jogador muito recentemente. Tendo abraçado o futebol desde sempre, seja anteriormente como jogador ou agora como treinador, o seu percurso no desporto permitiu-lhe conhecê-lo como poucos.

A sua última época como jogador remota à temporada de 2011/2012 ao serviço do Tirsense, relativamente perto do presente. A sua postura e, principalmente, estilo de liderança são um espelho deste fator. Trata-se de um técnico muito ativo nas orientações em jogo, próximo dos jogadores e com a irreverência necessária para assumir a vitória do seu clube em qualquer campo.

Em novembro de 2017, em antevisão à prova rainha do nosso futebol afirma que, à exceção dos três grandes- clubes com os quais teria naturalmente mais dificuldades- pode ganhar a qualquer equipa em Portugal. A ambição do treinador, que já passou pelo Paços de Ferreira, foi posta em prática com resultados. Antes da eliminação da prova através do desempate por grandes penalidades frente ao Moreirense, o Santa Clara eliminou Belenenses e Desportivo de Chaves, elevando assim a qualidade tática da sua formação, especialmente em jogos disputados nos Açores.

Na ledman, assumiu no inicio da época que a subida à Liga NOS não era uma obsessão, mas sim um objetivo muito bem definido pelo clube. As 26 jornadas já disputadas têm vindo a revelá-lo. Apesar do atual primeiro lugar na tabela classificativa, nem sempre o Santa Clara conseguiu ocupar os lugares de subida ao longo da temporada e nem por isso o alarme soou nos Açores. A consistência e a coerência do seu discurso ao longo de toda a campanha têm sido, talvez, as suas maiores virtudes.

Em termos táticos, o duplo 6 ou pivot defensivo é a característica que define o sistema de Carlos Pinto. O preenchimento do meio campo com dois trincos permite a Minhoca pisar posições mais avançadas do terreno, saindo muitas das jogadas do Santa Clara dos seus pés. A formação dos Açores dá primazia ao futebol apoiado com processos rápidos, sendo a agressividade na procura pela posse da bola a característica que melhor a define.

Carlos Pinto, Santa Clara (foto: zerozero)

Miguel Leal (Arouca)

Sistema Tático preferido: 4-3-3

Natural de Marco de Canaveses, com 52 anos, esta é já uma cara bem mais conhecida pelos adeptos de futebol português. Apesar das suas várias passagens por clubes da primeira liga, o atual treinador do Arouca nem sempre integrou as equipas técnicas como tal, exemplo disso foi a experiência no clube turco Gaziantepspor como preparador físico. Trata-se assim de uma figura muito caricata do nosso futebol, com caraterísticas muito próprias as quais fazem dele um dos treinadores a analisar em Portugal.

Neste caso, podíamos destacar Miguel Leal como um dos técnicos da Ledman apenas através dos números. Em setembro de 2017, substituiu Jorge Costa no comando técnico dos Arouquenses, deixando o desafio de primeira liga ao serviço do Boavista para trás. Abraça o desafio da Ledman com ambição de trazer o clube de Aveiro de volta aos grandes palcos do futebol português, ainda que os resultados estivessem longe de refletir essa possibilidade. À 7ª jornada encontra o Arouca um lugar acima da despromoção a 11 pontos do primeiro classificado Santa Clara. Após um período de revolução no sistema tático e do tempo necessário para os jogadores assimilarem as suas ideias, começou a escalar pouco a pouco a tabela classificativa até chegar aos lugares naturalmente exigidos pelos responsáveis do clube.

Em termos táticos, definimos a formação de Miguel Leal como se fosse um “muro defensivo”. Falamos da defesa menos batida da Ledman (a par do Sporting da Covilhã), mas falamos também de uma das equipas com menos golos marcados. O calculismo é assim palavra de ordem em cada investida da formação de Miguel Leal. Sem grandes brilhantismos, o Arouca acaba por levar de vencido os seus adversários através de um futebol taticamente rigoroso e disciplinado.

Hoje, o Arouca é a equipa mais “madura” da Ledman Liga Pro, combinando por um lado jogadores com experiência de primeira liga, e por outro talento puro. De todas as equipas é, talvez, a formação que menos necessitaria de reforços caso catapultasse imediatamente para a Liga NOS, fruto da maturidade e rigor tático que Miguel Leal estabeleceu em Arouca.

Miguel Leal, Arouca (foto: zerozero)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter