Faltas, Faltinhas e Faltetas – A Pandemia do Futebol Português

José Nuno QueirósJaneiro 17, 20216min1

Faltas, Faltinhas e Faltetas – A Pandemia do Futebol Português

José Nuno QueirósJaneiro 17, 20216min1
Tudo é falta em Portugal! Chega a ser deprimente verificar a facilidade com que se aplica a máxima do "basta cair" em Portugal, e nós continuamos a gostar do que vemos. De tal modo que ficamos admirados quando alguém cai e se manda seguir o jogo

Portugal continua com um grave problema na sua arbitragem. Como se não bastassem os erros graves e que muitas vezes tem influência no resultado final, nos últimos anos passamos a assistir a um novo modo de condicionalismo da arbitragem em Portugal: O apitar tudo e mais alguma coisa!

Em Portugal tudo serve para os árbitros levarem o apito à boca numa arbitragem defensiva, cobarde e que não dignifica a classe dos árbitros.

Quantos de vocês que estão a ler este artigo não se enervam ao ver um jogador controlar a saída da bola pelas linhas do campo quando subitamente, um toque nas costas o atira imediatamente para o chão e o faz reclamar por uma falta, agarrando-se à bola e pedindo complacência do senhor do apito, até porque com a bola perdida se ia originar um lance de muito perigo?

O mesmo acontece em lances onde o jogador se meteu numa situação aflita e desespera por o mínimo sopro para obter compaixão do árbitro para se poder livrar daquele aperto. Ou quando um jogador de uma equipa em momento defensivo de bola parada, cai do nada sabendo que o árbitro irá apitar algo, justificando-se pela muita confusão na grande área, consciente também que se fosse atacante nada seria marcado, mas como é defesa a complacência aumenta.

Afinal de contas um livre mal marcado na defesa não vai ter tanto peso como um penalty mal marcado ou um golo precedido de falta.

O árbitro prefere marcar uma falta que não viu, do que correr o risco de validar um golo que pode ter sido irregular. Tem tanto medo que algo lhe possa ter escapado na área que apita ainda a bola vai no ar para se livrar das críticas do dia seguinte.

Podem dizer-me que a culpa é dos jogadores que caem constantemente, que simulam faltas, que se queixam de toques mínimos, que fazem de um toque de raspão no peito uma cotovelada na cara, mas a culpa é dos árbitros.

O árbitro é que tem que deixar de apitar, porque enquanto ele apitar tudo e mais alguma coisa, nós vamos continuar a ter os jogadores a aproveitarem-se disso. Porque é que um jogador haveria de deixar de simular uma falta que ajuda a sua equipa quando sabe que todos os árbitros apitam estas faltas aqui? Se ele simulasse e não apitassem, ele podia simular 1 ou 2 ou até 3 vezes, reclamar muito em todas, mas na 4ª já não ia cair! Ia aprender a lição, ia ter que melhorar a sua qualidade futebolística para ter sucesso porque enganar o árbitro já não funciona.

O Marítimo vs Sporting para a Taça de Portugal bateu um record ao chegar às 53 faltas! (Fonte: SAPO Desporto)

Os árbitros tem que deixar de apitar todas as faltinhas. São essas faltinhas que depois fazem o tão chamado “anti-jogo”, perde-se bem mais tempo a preparar faltas que não existem do que a demorar num pontapé de baliza aos 88.

Depois ainda caem no ridículo de terem um critério diferente para dentro e fora da área, ora apitando tudo o que cai, ora deixando passar em claro penaltys indiscutíveis. Não faz sentido nenhum, tal como não faz sentido perdoar cartões porque estamos no início do jogo. Há regras para cumprir, no entanto em Portugal há uma dificuldade gritante em fazê-las cumprir.

Para se ter noção em Portugal há em média 32.06 faltas por jogo!!! Se contabilizarmos 90 minutos de jogo (que nunca chegam a ser de tempo útil), temos uma falta a cada 2,8 minutos. Menos de 3 minutos para se marcar uma falta. Num jogo com 50 minutos de tempo útil isto dá uma falta a cada minuto e meio!! É ridículo!

Para compararmos ficam aqui dados de outras ligas.

Eredivisie: 22.20 faltas por jogo

Premier League: 22.55 faltas por jogo

League Two Inglaterra: 24.07 faltas por jogo

Championship Ingalterra: 25.10 faltas por jogo

Bundesliga: 25.33 faltas por jogo

Premiership Escócia: 25.53 faltas por jogo

League One Inglaterra: 25.98 faltas por jogo

Premier League Rússia: 26.01 faltas por jogo

Jupiler Pro League Bélgica: 26.04 faltas por jogo

Ligue 1: 26.18 faltas por jogo

Super Lig Turquia: 26.99 faltas por jogo

La Liga: 27.15 faltas por jogo

Bundesliga 2: 27.16 faltas por jogo

Serie A: 27.33 faltas por jogo

MLS: 27.59 faltas por jogo

Super Liga Argentina: 28.51 faltas por jogo

Super Liga China: 30.23 faltas por jogo

Brasileirão: 31.63 faltas por jogo

Como podemos ver Portugal é pior que estas ligas todas. Querem sejam ligas melhores que a nossa no ranking, abaixo da nossa, de divisões inferiores ou mesmo ligas que consideramos mais violentas que a nossa. As 4 ligas mais perto dos dados da liga portuguesa são todas de fora da europa e mesmo assim com dados mais positivos que nós.

Caso o leitor não soubesse ainda fica aqui a prova que você assiste todas as semanas à liga mais violenta da Europa e uma das mais violentas do Mundo onde tudo é travado com recurso à falta.

No que a nomes individuais diz respeito, António nobre em 8 jogos leva uma média de 36.88 faltas por jogo, seguido por Luís Godinho com 36.60 em 10 jogos e Iancu Vasillica com 36.50 em 4 partidas.

O rei das faltas no futebol português. (Fonte: Record)

Estes números são apenas superados nas ligas acima mencionadas por 6 árbitros. No entanto se reduzirmos a lista a árbitros que tenham arbitrado no mínimo 2 jogos, apenas dois superam os nossos candidatos: Wagner Reway com 36.50 faltas em média em 2 partidas e Rodrigo Ferreira com 37.40 faltas em 10 jogos, ambos do Brasileirão que é a liga que mais próxima se encontra dos nossos números.

Para se ter ainda mais noção, Artur Soares Dias o árbitro português com menor média de faltas na nossa liga, com 25.88 por jogo, seria o 3º que mais apita na Premier League Inglesa e o 4º na Eredivisie da Holanda.

Para melhorar ainda mais a receita seis dos oito jogos com mais faltas do futebol europeu vieram de Portugal com as 53 faltas do Marítimo vs Sporting da Taça de Portugal a constituírem um record absoluto!

É hora do conselho de arbitragem olhar para dentro e começar de uma vez por todas a controlar os árbitros para levarem menos vezes o apito à boca, ou neste caso para o descansarem um bocado mais, já que se for para apitar a cada 3 minutos de jogo quase que nem vale a pena quase tirá-lo.


One comment

  • Rodrigo

    Janeiro 18, 2021 at 11:40 am

    Toda a gente sabe que isto é verdade,. Mas só acontece precisamente por culpa dos árbitros. A questão aqui é como mudar isto? Tinha que haver uma mudança radical na liga e no conselho de arbitragem, o que duvido muito, não é algo que se mude de um dia para o outro. Mas se acontecesse… iria meljorsr o desporto e o espetaculo em si. Melhor jogo que vi, river vs boca no bernabeu. Só se houvesse tiros e wue o árbitro parava, raça, empenho, suor, luta. Lindo

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter