Bruno Lage é o homem para o futuro de um SL Benfica super candidato?

José NascimentoJunho 19, 20205min0

Bruno Lage é o homem para o futuro de um SL Benfica super candidato?

José NascimentoJunho 19, 20205min0
O treinador do SL Benfica tem condições para ficar mesmo que conquiste o bicampeonato? Ou não é o técnico necessário para o projecto de Luís Filipe Vieira

É certo e sabido que o Sport Lisboa e Benfica vive um momento difícil e por pouco Bruno Lage não completava algo inédito, pela negativa, no jogo da 27ª jornada contra o Rio Ave para a Liga NOS que seria a pior série de resultados da história dos encarnados.  Uma vitória em 11 jogos é um realce preocupante para um clube que tem prometido querer atingir outro patamar tanto em Portugal como na Europa.

De acordo com uma visão a longo prazo, existem alguns problemas que precisam de ser resolvidos, sendo o primeiro o mais importante da lista: Bruno Lage. Deverá o treinador ficar ou não? De facto, o Benfica não está arredado da luta pelo título e na jornada passada igualou o FC Porto no topo da tabela classificativa, esperando-se uma luta igual até ao fim de Julho. No entanto, a qualidade do futebol demonstrado está uns quantos níveis abaixo do esperado e exigido com vários dos jogadores a já não terem os mesmos atributos físicos, técnicos e mentais que se viram na época transacta. Esta é uma das decisões que Luís Felipe Vieira terá de tomar em relação ao futuro do actual timoneiro da equipa principal das águias.

Na minha opinião, o mais benéfico seria afastar Bruno Lage no fim da época e seguir por um caminho (treinador) diferente. Por mais alterações que o actual técnico faça ou que os reforços que a direcção consiga o SL Benfica vai ter grandes dificuldades em voltar a uma qualidade exibicional como vimos na época passada, caso Lage permaneça. Sendo o Sport Lisboa e Benfica um clube com um projecto que está para lá da conquista simples de títulos e detentora de uma massa associativa muito exigente, não será o melhor para os dois lados a saída do jovem treinador?

Para colmatar a saída de Bruno Lage, Marco Silva ou Leonardo Jardim poderão ser treinadores perfeitos para assumir o cargo. Ou, se quisermos, seguindo a política dos últimos anos – que tem sido a contratação de treinadores a outros clubes do futebol português -, João Pedro Sousa (treinador do Famalicão) surge como uma opção interessante mas que ainda falta comprovar totalmente o seu valor.

Outro problema que foi realçado com o recomeço do campeonato está relacionado com o esquema tático com que o Benfica se tem apresentado. Jogando em 4-4-2 sob a batuta de Lage, há falta de criatividade em termos ofensivos e uma grande previsibilidade durante o processo de construção. Daí as crescentes dificuldades que as águias têm em defrontar equipas de menor dimensão. Esses elencos muitas vezes têm 10 jogadores atrás da linha da bola e a tal previsibilidade no processo de construção facilita o trabalho dos defesas adversários, como já aconteceu na actual temporada. Relacionado ainda com o esquema tático, Bruno Lage não tem tido a mestria de fazer substituições que aumentem o rendimento da equipa e que alterem o resultado, fazendo muitas vezes recordar o seu antecessor Rui Vitória onde a 10/20 min lançava no jogo todos os pontas de lança que tinha no banco, despovoando o meio campo.

Essas alterações acabam por não ter resultado pois apesar de os golos se fazerem na zona dianteira do campo é necessário colocar a bola na área adversária com qualidade algo que jogadores como Dyego Sousa ou Seferovic ou até mesmo Jota não têm competência para tal.

A debilidade defensiva do Benfica esta época tem sido notória, algo que está relacionado com a queda de rendimento de Ferro e Grimaldo, aliado a alguns erros nas laterais e a falta de um lateral-direito diferente do que é André Almeida com Ruben Dias e Vlachodimos serem os únicos jogadores a oferecer alguma consistência ao setor defensivo.

Deverá o SL Benfica investir na contratação de elementos para a defesa? Entrando no campo das transferências, a contratação de Weigl por 20 milhões de euros pode ser ou não um excesso? Apesar da qualidade mostrada nos seus tempos como atleta do Borussia Dortmund, a verdade é que ainda não provou o valor que custou aos “cofres” do clube da Luz e as dúvidas começam a surgir em relação se é um jogador para dominar o “miolo” de jogo dos encarnados.

Carlos Vinícius, apesar ter baixado o rendimento, já justificou múltiplas vezes os 17 milhões de euros quer pelos golos, quer pelos traços de qualidade que demonstra ao longo do tempo que está no relvado. Já a contratação de Raúl de Tomás pode ser considerada um fracasso como já analisado anteriormente num artigo do Fair Play.

Estando o campeonato ainda em aberto, o seu desfecho irá prender-se pelo demérito de SL Benfica ou FC Porto, pois nenhum destes dois tem jogado o futebol a que nos habituaram ao longo dos anos. Bruno Lage ainda pode conseguir alcançar o campeonato, no entanto mesmo que consiga o bis nada lhe garante a estadia na próxima época. É importante não esquecer o feito que Lage alcançou com a conquista da Liga e também a conquista da Supertaça com uns categóricos 5-0 frente ao seu eterno rival, Sporting Clube de Portugal, mas será suficiente para o manter no emblema lisboeta?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter