3 goleadores inesperados da Ledman Liga Pro 17/18

Francisco IsaacAbril 9, 20187min0

3 goleadores inesperados da Ledman Liga Pro 17/18

Francisco IsaacAbril 9, 20187min0
Por vezes não são os matadores da época passada a assumir o topo da tabela na época seguinte. O Fair Play apresenta 3 goleadores desta época que poucos esperavam!

A Ledman Liga Pro caminha a passos largos para o final da temporada e a lista de melhores marcadores continua numa luta tão intensa como a classificação da segunda liga. Mas os jogadores que estão a lutar pela Bota de Ouro da Liga Pro são os que todos esperavam antes do começo da temporada?

Ao contrário do que alguns esperavam, Tozé Marreco não pegou de estaca na Académica de Coimbra (4 golos 11 jogos até ao momento), Clemente não tem tido as mesmas oportunidades para desferir golos (saiu muitas vezes do banco do Santa Clara, contando com 6 golos), Sandro Lima vive sempre numa Montanha-Russa (9 golos em 31 jogos para um dos avançados mais “fortes” dentro da área) e Kwame N’sor esteve 6 meses sem jogar (de qualquer forma, em 13 jogos já vai na mão cheia de golos).

N’sor completava o pódio do ano passado, com o “Rei” Pires na liderança (23 golos do veteraníssimo striker do Portimonense) e o vice-goleador Paulinho (os 19 golos marcados ao serviço do Gil Vicente convenceram o SC Braga a contratar o ponta-de-lança) na primeira e segunda posição, respectivamente.

Neste artigo, não vamos olhar para os tais goleadores do topo da tabela, mas para aqueles 3 que estão a surpreender pelas seguintes razões: 1- não é a sua posição de origem mas foram “realojados” para o lugar de 9; 2- ninguém os conhecia e o clube que estão a representar iria sofrer uma temporada complicada.

Estes são os nossos 3 escolhidos da temporada em questão:

RICARDO GOMES (CD NACIONAL)

Posição de origem: Extremo Direito
Nacionalidade: Cabo-Verde
Idade: 26 anos
Melhor registo de golos de sempre: 2014/2015 pelo Vitória SC “B” com 9 golos
Nº golos em 2017/2018: 19 na Liga Pro e 2 na Taça CTT

Costinha, treinador dos alvinegros, começou a temporada com uma dificuldade clara: faltava-lhe um matador de origem que pudesse desviar a bola para dentro da baliza nos centros bem armados por Camacho, Murillo (início tremido do brasileiro, mas agora já entrou na “onda” de como se joga em Portugal, com um registo de 13 golos e 7 assistências), Vítor Gonçalves ou Jota.

Desde a primeira jornada, que o recurso para avançado passou por um jogador com alguma experiência na Liga NOS e Ledman Pro, de seu nome Ricardo Gomes. Com passagens pelo Vitória SC ou Vizela, o cabo-verdiano não disse que não à nova posição e agarrou-se à titularidade na equipa do Nacional. Até à 12ª jornada, o avançado só tinha conseguido 4 golos, evidenciando alguns problemas na hora de assumir o seu poder físico dentro da área, preferindo, até, fugir para as alas e tentar arranjar outro tipo de soluções.

Foi colecionando assistências e poucos golos até à 18ª jornada, sendo que na seguinte tudo mudou. Entre a 19ª ronda e a 32ª, Ricardo Gomes passou de 5 golos para 20 golos (no total das competições), com a sua melhor sequência a registar-se entre a 26ª e 32ª (8 golos e 1 assistência).

O que mudou? O approach do avançado ao seu trabalho enquanto ponta-de-lança, passando a misturar alguns dos seus melhores pormenores enquanto extremo (velocidade de movimentos e capacidade de drible) com um trabalho apurado de remate e de aproveitamento de oportunidades.

Um dos movimentos típicos de Ricardo Gomes passa por receber a bola de frente, girar sobre o adversário e desferir um remate venenoso que a maioria dos guardiões têm dificuldade de apanhar. Está a 6 de apanhar o registo de Pires da época passada, será que o conseguirá?

VINICIUS (REAL SC)

Posição de origem: Ponta-de-lança / 2º avançado
Nacionalidade: Brasil
Idade: 23 anos
Melhor registo de golos de sempre: não há registo oficial
Nº golos em 2017/2018: 18 na Liga Pro e 1 na Taça CTT

Um perfeito desconhecido aterrou em Lisboa para assinar por um ano pelo Real SC, com passagens pelo Grêmio Anápolis e Caldense. Carlos Vinícius Morais, conhecido só por Vinícius, foi formado nas escolas do Santos e Palmeiras, e fisicamente não consegue passar despercebido, já que enverga 1,90. Desde cedo ganhou destaque na frente de ataque, mas faltou-lhe um pouco de sorte para dar o salto no Brasil.

Felizmente para o brasileiro, a vinda para o Real Massamá correu da melhor forma a nível individual. Porquê? Ao fim de 30 jogos na Liga Pro, já assinou 17 golos ao serviço da equipa de Sintra, com uma parte a ficar na retina pela sua “magia” ou factor de decisão. Vinícius é um ponta-de-lança altamente técnico, preocupado a trabalhar bem na via aérea, rápido com a redonda nos pés e “manhoso” dentro da área.

Em Janeiro chegou uma das melhores notícias para o matador, com o Nápoles a contratá-lo para as próximas 5 temporadas, naquilo que foi uma notícia surpreendente para a maioria dos adeptos. Mas a verdade é que Vinícius tem todo aquele reportório que faz a diferença num avançado, para além de que decide jogos (já vai em 5 na época actual, ficando na memória o hattrick logo na 1ª jornada ante o Leixões SC).

O final de época vai ser duro para o Real SC com a ameaça da descida a chegar a passos largos… para Vinícius será fundamental acabar a época em alta para entrar melhor no novo Universo que o espera em Itália.

HERIBERTO TAVARES (SL BENFICA “B”)

Posição de origem: Médio-ofensivo / Extremo
Nacionalidade: Português
Idade: 21 anos
Melhor registo de golos de sempre: 2016/2017 pelo SL Benfica “B” com 11 golos
Nº golos em 2017/2018: 12 na Liga Pro

É, sem dúvida alguma, uma entrada, no mínimo, controversa, já que há outros goleadores à frente do goleador dos encarnados (Thiago Santana do Santa Clara e Murillo do Nacional CD). Mas a mudança de posição de Tavares nas duas últimas temporadas tem sido completamente “radical” e o atleta do SL Benfica “B” não virou a cara à luta. Aliás, ao fim de duas épocas soma 23 golos em 50 jogos, um registo notável para um jogador que não é avançado de origem.

Começou como médio-centro, depois devido às suas características técnicas, onde se destaca um certo primor na saída com bola e lançamento rápido de jogo, e subiu no terreno, assumindo-se como um médio mais ofensivo que podia descair para as alas quando necessário.

Formado sobretudo nas escolas do Sporting CP, o agora avançado-centro (que continua a descair para uma das alas mas opera bem com José Gomes dentro da área) dos encarnados soma 12 golos em 2017/2018 e pode ser que não se fique por aqui.

Não sendo um portento físico (1,81 de altura), Tavares tem bastante força na luta corpo-a-corpo, igualando na potência os centrais adversários, ganhando bastantes duelos neste aspecto. Quando Hélder Cristóvão o “amarra” à ala direita, a equipa do SL Benfica “B” perde uma flecha goleadora para ganhar um trabalhador nato… mas a perda é superior ao ganho e é algo a ser revisto no futuro.

Um atleta que tanto pode jogar no centro, à direita ou no meio da área, Heriberto Tavares pode ser um recurso de futuro para Rui Vitória.

O Fair Play vai continuar a acompanhar a Ledman Liga Pro, ficando à espera do Bota de Ouro da segunda liga. Ricardo e Vincícus com 17 lideram a corrida, com Thiago, Murillo, Tavares e Abreu a seguir de perto. Rui Costa, Varela já não contam, mas há outros que ainda podem surpreender pela positiva.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter