Selecção Nacional feminina: o actual caminho das sub-19

Margarida BartolomeuOutubro 31, 20215min0

Selecção Nacional feminina: o actual caminho das sub-19

Margarida BartolomeuOutubro 31, 20215min0
O caminho para o Europeu de sub-19 está a ser trilhado pela selecção nacional portuguesa, que Margarida Bartolomeu dá conta da sua evolução

Um mês de outubro marcado por vários estágios de preparação das nossas seleções nacionais, houve 2 seleções que, praticamente em simultâneo, disputaram jogos enquadrados em fases de apuramento para um europeu e um mundial – as Seleções Nacionais Sub-19 e AA, respetivamente. Além destes jogos “a valer”, a Seleção Nacional B (melhor designada de sub-23), teve um grande desafio pela frente, num jogo contra a sua congénere espanhola. Comecemos pela selecção nacional sub-19 e pelos desenvolvimentos dados neste patamar geracional.

As comandadas de José Paisana reuniram-se na Cidade do Futebol (CdF) no dia 12 de outubro, de forma a preparar a Ronda 1 da Fase de Apuramento para o Campeonato da Europa, que teria início no dia 25/10, no Algarve. A convocatória, recheada de jovens de grande qualidade e potencial, foi constituída pelas seguintes jogadoras:

Clube de Albergaria: Íris Esgueirão e Leonor Alves;
CS Marítimo: Joana Silva;
FC Famalicão: Ana Cruz, Joana Prazeres e Maria Miller;
Florida State University: Maria Alagoa;
GD Estoril Praia: Filipa Bandeira;
Paris SG: Nelly Rodrigues;
SC Braga: Maria Leonor;
SF Damaiense: Ana Assucena;
SL Benfica: Beatriz Nogueira, Maria Negrão, Marta Salvador e Matilde Silva;
Sporting CP: Catarina Potra, Joana Caiado, Margarida Caniço;
USC Upstate: Cláudia Mendinhas;
Varzim SC – CSBA: Inês Oliveira

Enquadrada no Grupo A, juntamente com as seleções da Espanha, República Checa (anfitriã do Europeu) e Eslováquia, as jovens jogadoras portuguesas, embora tivessem 3 complicados desafios pela frente, estavam cientes da sua qualidade e capacidade para os ultrapassar e continuar a disputar o acesso ao Campeonato da Europa de 2022.

No entanto, esta tarefa demonstrou-se mais complicada do que era esperado, pois embora o confronto contra as espanholas se avizinhasse muito complicado (derrota por 4-0), a verdade é que a derrota contra as checas foi algo surpreendente. Com duas derrotas nos primeiros dois jogos, a seleção das quinas via-se obrigada a vencer o terceiro jogo, de forma a garantir o terceiro e último lugar do grupo, que permitia o apuramento para a Ronda 2. E foi isso que a equipa de José Paisana fez, tendo dominado o jogo e vencido por 4-2 a sua congénere eslovaca.

Terminada a Ronda 1 da Fase de Apuramento para o Europeu, penso que é seguro concluir que temos uma geração recheada de talento (e ficaram de fora alguns nomes interessantes, como é o caso de Joana Dantas, do Sporting CP), e que, continuando o processo formativo nos seus clubes e a nível de seleção nacional, pode aspirar a voos um pouco mais altos. Realço 5 nomes, nesta seleção, que me parecem ser aqueles que, a curto/médio prazo, poderão dar um salto qualitativo muito interessante:

Catarina Potra (GR, Sporting CP): com apenas 16 anos, a jovem leoa é um talento das balizas. Imponente fisicamente, com muita presença de área, muito confiante e com um potencial tremendo. Se na época passada participou em diversos treinos com a equipa sénior das leoas, esta época fixou-se como a terceira guarda redes da equipa.

Joana Prazeres (Defesa, FC Famalicão): jovem central (pode também atuar na lateral) de 18 anos, dividiu a sua formação entre Sporting e Benfica, antes de ingressar no Amora e agarrar um lugar na equipa sénior, que disputava a Liga BPI. O FC Famalicão demonstrou estar atento às boas exibições da jovem defesa, e avançou para a sua contratação, para a época 2021/2022. Não é uma central de elevada estatura (1,70m), mas é muito forte nos duelos e muito evoluída tecnicamente, rápida e muito forte na primeira fase de construção.

Maria Negrão (Média, SL Benfica): com apenas 16 anos, estrou-se na Liga BPI ao serviço do FC Famalicão, e ninguém ficou indiferente à sua qualidade. Muito forte fisicamente, rápida, intensa, com uma visão de jogo e qualidade técnica acima da média, conseguiu agarrar o seu lugar num plantel recheado de qualidade e experiência. O Benfica avançou para a sua contratação e, na presente temporada, muito embora ainda não tenha disposto de muitos minutos de jogo, já foi capaz de nos presentear com toda a sua qualidade, marcando um golaço ao Marítimo. Já foi, inclusive, chamada aos trabalhos da Seleção Nacional A, não tendo chegado a estrear-se.

Maria Alagoa (Média, Florida State Seminoles): uma “desconhecida” para muitos dos adeptos, até que ingressou na Florida State e, desde as américas, nos foram chegando vídeos e mais vídeos dos seus golos (leia-se golaços). Muita qualidade técnica, velocidade, excelente leitura de jogo, e uma componente mais física, desenvolvida no exigente campeonato universitário Norte Americano. Tem tudo para dar certo.

Margarida Caniço (Avançada, Sporting CP): a jovem avançada das leoas, que fez parte da Seleção Sub-16 que venceu o Torneio de Desenvolvimento da UEFA, é uma avançada de baixo porte (apenas 1,65m), veloz, muito inteligente e forte física e tecnicamente. Pode atuar quer pelo centro, quer pelas alas, jogar mais no apoio ou na profundidade. Tem “faro” para o golo (marcou por duas vezes) e um sentido coletivo muito interessante.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter