Conseguirá o PSG sobreviver à perda de Neymar e Cavani?

José Nuno QueirósFevereiro 12, 20193min0

Conseguirá o PSG sobreviver à perda de Neymar e Cavani?

José Nuno QueirósFevereiro 12, 20193min0
Neymar e Cavani não são opcões para o PSG atacar os oitavos de final da Champions League. Como vão os parisienses reagir à perda de dois dos seus melhores jogadores continua a ser uma incógnita.

Com o final de Janeiro e o fecho do mercado de inverno, as principais ligas europeias começam a entrar na fase decisiva da temporada, sendo que para o PSG, Fevereiro significa também o regresso da Champions League à capital francesa. No entanto e numa altura em que a eliminatória com o Manchester United está ao virar da esquina, o PSG está privado de dois dos seus melhores jogadores, Neymar e Cavani.

Com 20 golos em 23 partidas, Neymar estava num extraordinário momento de forma, no entanto uma lesão no tornozelo viria a assombrar o brasileiro com mais uma lesão de longa duração. Se o astro brasileiro, o PSG escorregou na liga ao perder pela primeira vez nesta edição da Ligue 1, deixando logo patentes as dificuldades que a falta de Neymar traz à equipa.

Quando os parisienses ainda recuperavam da perda de Neymar, eis que também o avançado uruguaio Cavani caiu no relvado pouco tempo depois de ter feito o golo que daria o triunfo à equipa na última jornada da liga.

Neymar volta a lesionar-se e a falhar a fase decisiva da época (Fonte: Gazeta Esportiva)

Ainda assim poucos serão os que adivinhavam uma queda dos parisienses na liga. A distância é enorme para o segundo classificado e nem mesmo a falta de Neymar e Cavani será suficiente para retirar o PSG do primeiro lugar da tabela classificativa.

O problema maior para a equipa parisiense é o regresso da UEFA Champions League frente ao Manchester United. A Champions é o principal objectivo dos dirigentes e donos do clube da capital francesa, com a vontade imediata de que os constantes investimentos milionários comecem novamente a dar frutos no que diz respeito à maior prova de clubes da Europa.

Se há uns meses atrás na altura do sorteio parecia que o PSG teria um caminho ligeiramente simplificado depois de apanhar o Manchester United à época orientado por José Mourinho e que atravessava uma enorme crise de confiança e de resultados.

No entanto e desde a saída do técnico português, a equipa, agora orientada por Ole Solskaer, está num enorme momento de forma tendo apenas empatado uma partida desde que pegou na equipa em Dezembro. Se os adeptos parisienses já começavam a antecipar um duelo mais equilibrado, esperavam que a presença de Neymar e Cavani no onze, juntamente com as outras peças da engrenagem, fosse o factor que iria fazer a diferença no final da eliminatória.

Depois de Neymar, também Cavani soube que vai falhar os oitavos da Champions (Fonte: RTP)

Com a perda destes dois jogadores, a equipa corre sérios riscos de começar a eliminatória com o pé esquerdo e ficar numa posição em que corre o risco de ser eliminado pelo segundo ano consecutivo nos oitavos de final da Champions League, algo que não será tolerado pelos adeptos e pela direção do clube.

O PSG continua a ser uma equipa superior ao Manchester United e a ser uma das equipas com mais hipóteses de conquistar a “orelhuda”, mas perder dois jogadores de um dos trios mais famosos  e goleadores da Europa pode ser um duro golpe e que pode ditar o resto da época do clube. A juntar a isto, a confiança do lado dos ingleses aumenta drasticamente, fruto das boas exibições e dos resultados convincentes que a equipa tem tido. Saber que vão apanhar um PSG altamente desfalcado pode muito bem ser o tónico que faltava para a equipa de Manchester.

Com a primeira mão marcada para hoje pelas 20h em Manchester, será um dos jogos com maior destaque para acompanhar nestes oitavos de final e onde “apostar” no vencedor pode ser mais arriscado.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter