O entusiasmante (e jovem) projecto da Real Sociedad

Bruno DiasOutubro 15, 20196min0

O entusiasmante (e jovem) projecto da Real Sociedad

Bruno DiasOutubro 15, 20196min0
A análise ao renovado projecto da Real Sociedad, que promete "dar que falar" na edição 2019/20 da "La Liga".

Não é desta época que a Real Sociedad demonstra competência, qualidade e atractividade na gestão do seu futebol. A formação de San Sebastián é um clube de grande tradição, com equipas de futebol tradicionalmente complicadas de vencer e que apresentam uma boa qualidade de jogo, ideias essas assentes numa união assinalável entre a equipa e os seus adeptos, que fazem do Anoeta – a “casa” do clube – uma autêntica “fortaleza”.

No entanto, o projecto desportivo que a Real nos trouxe para esta temporada da “La Liga” é deveras entusiasmante. A aposta na juventude e na sua formação (que tem dado frutos ao longo de várias gerações) foi acentuada, e o plantel actual conta neste momento com 12 jogadores sub-23, sendo que 13 dos jogadores que compõem esse mesmo plantel são da formação da equipa basca. Um número que merece destaque, sobretudo pela qualidade dos nomes apresentados.

 

O plantel da Real

Treinada por Imanol Alguacil, técnico espanhol de 48 anos e ex-jogador do clube, a Real Sociedad alterna entre o 4x2x3x1 e o 4x3x3, em função das características do adversário que defrontam e do terreno onde actuam (em casa, tendem a adoptar uma postura mais ofensiva).

Na baliza, Moyà tem sido dono e senhor das redes da formação basca. Aos 35 anos, o antigo guarda-redes do Atlético Madrid ainda mantém um nível qualitativo bastante razoável. Na defesa, as laterais são compostas por Zaldua à direita (titular indiscutível) e o recém-chegado Nacho Monreal (ex-Arsenal) à esquerda. De destacar, aqui, o grande potencial que possui Aihen Muñoz. Com 22 anos, é um lateral de grande propensão ofensiva e qualidade técnica. Já no eixo defensivo, Diego Llorente comanda o sector, com o seu parceiro a ser, normalmente, Aritz Elustondo.

O meio-campo conta, sobretudo, com “homens da casa”. Rúben Pardo, David Zurutuza, Igor Zubeldia e Asier Illarramendi combinam, entre si, um conjunto de qualidades que permite a Imanol variar o seu duplo-pivot consoante aquilo que pretende do seu sector intermédio e do colectivo em geral, em termos defensivos e ofensivos. A juntar a este quarteto, há ainda Mikel Merino, médio de grande talento e que desempenha na perfeição qualquer papel no meio-campo. Há qualidade e profundidade de plantel, nesta zona do terreno.

Imanol Alguacil é o timoneiro da actual formação de San Sebastián (Foto: cadenaser.com)

Mas é no ataque que encontramos a maior concentração de talento desta equipa. Desde logo, pela figura de quem falaremos já de seguida, mas também pela presença de Mikel Oyarzabal – avançado já internacional pela selecção principal de Espanha e que tem sido associado a grandes clubes europeus, como o Manchester City -, Cristian Portu, Adnan Januzaj, Willian José ou os jovens extremamente talentosos Ander Barrenetxea (já por nós referenciado, numa edição do “La Liga Scouting“) e Alexander Isak, que chega à Real depois de uma segunda metade da temporada passada a altíssimo nível, no Willem II, da Holanda. Uma autêntica “constelação de estrelas jovens”, que oferece a Imanol muitas e boas possibilidades de escolha.

 

A figura

Este é um caso que poderia muito bem fazer parte da nossa rubrica “La Liga Scouting“, pela forma como um jovem jogador tem encantado os adeptos neste início de temporada, e carregado em grande parte a sua equipa para o sucesso, através do seu talento e alto rendimento.

Poderia ser esse o caso… se não estivéssemos a falar aqui de Martin Odegaard. Sobejamente conhecido da maioria dos adeptos por todo o “hype” que rodeia o seu enorme talento e potencial desde tenra idade (estreou-se profissionalmente pelo Strømsgodset, da Noruega, com apenas 15 anos de idade, tendo sido o mais jovem de sempre a fazê-lo no campeonato norueguês), o jovem prodígio norueguês – actualmente com 20 anos – foi emprestado esta temporada à Real por outro Real – o de Madrid. Os “merengues” voltaram a entender que Odegaard ainda não tinha espaço no seu plantel, e apesar de ter muitos clubes de grande nível europeu interessados nos seus serviços, a verdade é que o médio acabou mesmo por rumar ao País Basco.

Odegaard é um criativo puro, que alia a uma extraordinária visão de jogo a capacidade de passe e de desequilíbrio através do drible. Extremamente completo e versátil em tudo o que envolve o processo ofensivo, o seu “skill set” praticamente não tem paralelo na actualidade do futebol mundial. Na Real, actua como “10”, no 4x2x3x1 de Imanol, e é a partir dessa posição que assume um papel fulcral na construção e criação da equipa.

Previamente emprestado pelo Real Madrid na Holanda – primeiro ao Heerenveen e depois ao Vitesse -, Odegaard cresceu substancialmente enquanto jogador na Eredivisie, consolidando as suas qualidades e adquirindo a consistência que lhe faltava para assumir a “batuta” de uma equipa ao mais alto nível. A sua disponibilidade para o jogo e a preocupação em cumprir também com aquilo que lhe é pedido sem bola são igualmente aspectos onde o norueguês apresenta hoje um nível mais elevado do que aquele que o fez chegar a Madrid, sendo notória a sua evolução, proporcionada pelos muitos minutos que os sucessivos empréstimos lhe trouxeram, e que provavelmente nunca teria conseguido no colosso espanhol.

É um autêntico diamante, que em breve brilhará, semana após semana, nos principais palcos europeus.

Martin Odegaard tem liderado a Real Sociedad neste início de época (Foto: bleacherreport.com)

Com 8 jornadas decorridas, a Real Sociedad encontra-se no 5º lugar do campeonato, com 13 pontos, e o seu futebol transmite claramente a intenção de fazer o clube regressar às competições europeias. Paralelamente a isso, qualquer fã do jogo necessita obrigatoriamente de acompanhar este projecto, pois este plantel possui alguns dos próximos grandes talentos do futebol espanhol e europeu.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter