“La Liga”: as novas caras do futebol espanhol

Bruno DiasJunho 30, 20198min0

“La Liga”: as novas caras do futebol espanhol

Bruno DiasJunho 30, 20198min0
Nova época, novas figuras de montra na La Liga, prontas a deixar a sua marca no futebol espanhol.

É já um dado adquirido: no início de cada temporada desportiva, os grandes clubes espanhóis procuram ser activos no mercado de transferências, de forma a tentar ganhar uma vantagem individual sobre os seus mais directos competidores. Entre Real Madrid e FC Barcelona (com o Atletico Madrid a “correr por fora”), muitas vezes, o mais pequeno desequilíbrio individual numa determinada posição do plantel pode ser a diferença entre a vitória e a derrota numa competição.

Esta época não constitui uma excepção à regra, e os três clubes já encetaram esforços (sem olhar a fundos…) para reforçar da melhor forma os seus respectivos plantéis com alguns dos melhores futebolistas do mundo nas suas respectivas posições. A Madrid e Barcelona chegaram já actuais e potenciais grandes talentos do futebol mundial, atraídos pelo nome e pelo estatuto dos “gigantes” europeus que irão representar, e pela dimensão de uma liga que se inclui, sem qualquer sombra de dúvida, entre as melhores do planeta.

Assim, passemos a conhecer as mais recentes figuras da “La Liga“, que prometem marcar claramente a diferença na época 2019/20, tanto a nível interno como nas competições europeias, nomeadamente na UEFA Champions League.

 

Eden Hazard (Real Madrid)

Começamos por aquela que será, muito provavelmente, a contratação mais mediática do defeso em Espanha e no futebol mundial. Após vários anos de “namoro”, Eden Hazard chega ao Real Madrid proveniente do Chelsea, num negócio que ronda os 100M€. Para isso, muito terá contado a vontade do jogador, que nunca escondeu a vontade de representar os “merengues” e, sobretudo, de ser treinado por Zinedine Zidane, confesso admirador do extremo belga.

Hazard é o sucessor de Cristiano Ronaldo que Florentino Pérez procura desde a saída do avançado português para a Juventus. Tanto em termos desportivos – pela sua qualidade no terreno de jogo – como em termos financeiros e mediáticos. O belga faz parte de um restrito lote de jogadores que pertencem ao top mundial do desporto e que podem fazer a diferença em qualquer partida de um momento para o outro, e são esses atletas aqueles que podem, por si só, definir o sucesso ou o falhanço das suas respectivas formações nas principais competições de clubes.

Com Hazard, o Real Madrid volta a ter um “game-changer” de classe mundial. Um “craque” decisivo em vários jogos, pronto a carregar a sua equipa para inúmeras vitórias. Não sendo, de todo, tão prolífico em termos de finalização como Ronaldo, o belga oferece uma capacidade de desequilíbrio e um volume de criação de oportunidades de golo até aqui inalcançável pelos actuais jogadores do plantel, e que poderão ser a “chave” para que a formação madrilena reconquiste a UEFA Champions League, perdida na temporada transacta para os ingleses do Liverpool, depois de três temporadas consecutivas vitoriosas na competição – um feito inédito! -, todas elas com Zidane (entretanto regressado ao clube) ao comando da equipa.

Aos 28 anos, esta é a derradeira oportunidade de Eden Hazard provar aos fãs de todo o mundo de que merece um lugar indiscutível entre os melhores do mundo no desporto.

 

Aos 28 anos, Eden Hazard chega finalmente ao Real Madrid (Foto: businessinsider.com)

 

Frenkie de Jong (FC Barcelona)

A Barcelona chega, talvez, um dos médios que mais naturalmente encaixa na filosofia de jogo da equipa de Camp Nou nos últimos anos. Frenkie de Jong “nasceu” para actuar no FC Barcelona, e isso é facilmente identificável após alguns minutos de observação do médio holandês de 22 anos. A forma como joga sempre de cabeça levantada, como atrai a pressão adversária e como se sente confortável sob pressão e em espaços curtos são sinais claros de que o característico futebol que surgiu em Barcelona com Johan Cruyff e atingiu o seu ponto mais alto com Pep Guardiola encaixam na perfeição na forma como Frenkie explana o seu jogo no relvado.

Com Sergio Busquets a apresentar-se ainda a um nível altíssimo e com o brasileiro Arthur a assumir – através de um perfil muito semelhante – a vaga que em tempos pertenceu naquele miolo a Xavi Hernández, é de esperar que de Jong acabe por assumir, numa primeira instância, o papel que durante vários anos foi desempenhado por Andrés Iniesta. Ainda assim, e mesmo que para já o holandês não apresente tanta criatividade no seu jogo como o “mago” espanhol, um trio de Busquets, Arthur e Frenkie promete ser um trio ao qual será extremamente complicado roubar a posse da bola.

Seja como o médio mais adiantado no terreno ou mais recuado – sendo Philippe Coutinho, por exemplo, a escolha para médio mais ofensivo – a verdade é que muito dificilmente não ouviremos falar de Frenkie como um dos melhores médios do futebol mundial nos próximos anos, e os cerca de 75M€ pagos pelo FC Barcelona ao Ajax serão, sem dúvida, mais do que justificados dentro das quatro linhas.

 

Frenkie de Jong é uma grande aposta do FC Barcelona para a próxima época (Foto: besoccer.com)

 

João Félix (Atletico Madrid)

Há algumas semanas, o francês Antoine Griezmann, figura de proa do Atletico Madrid, anunciou a sua saída do clube, terminando assim uma ligação de 5 anos aos “colchoneros“. Tremendamente associado ao FC Barcelona (apesar de ainda não existir nenhum tipo de confirmação oficial), a verdade é que o Atletico desenvolveu imediatamente uma necessidade de um substituto de grande qualidade para os próximos anos do clube.

É aqui que o nome de João Félix aparece. Ao contrário dos nomes anteriormente referenciados, o avançado português do Benfica, de apenas 19 anos, ainda não é uma contratação confirmada da formação madrilena (apesar do Benfica já ter confirmado à CMVM a recepção de uma proposta oficial de 126M€, que se encontra actualmente sob análise). No entanto, a avaliar por todos os rumores presentes na comunicação social e no facto do seu empresário actual ser o português Jorge Mendes – conhecido pelas suas ligações ao clube de Madrid – é quase certo que Félix será o escolhido para fazer esquecer Griezmann no Wanda Metropolitano.

João Félix aporta à equipa uma rara combinação de criatividade, qualidade técnica e capacidade finalizadora com ambos os pés e até no jogo aéreo, apesar da sua parca estatura (1,80m). Os valores referidos até ao momento para a sua contratação farão dele a quarta transferência mais cara da história do futebol mundial, algo que parece claramente exagerado pela sua qualidade actual, mas que se justifica pela sua surreal margem de progressão e pelo rendimento que obteve no seu primeiro ano enquanto sénior, liderando o Benfica para o título nacional com 20 golos e 11 assistências em todas as competições.

Caso a sua adaptação à “La Liga” corra da melhor forma, Félix promete ser uma das principais figuras do futebol espanhol na próxima década, e isso por si só justifica o pornográfico valor que o Atletico se prepara para pagar pelos seus direitos desportivos, dado que a necessidade de “chegar primeiro” à próxima grande estrela do futebol mundial se supera à razoável avaliação do valor de um jogador que, naturalmente, não apresenta ainda um rendimento condizente com o valor que será pago por ele (nem poderia ainda apresentar, pelo contexto em que despontou).

 

João Félix prepara-se para ser o 4º jogador mais caro da história do futebol (Foto: rtp.pt)

 

Independentemente destas novas caras, a verdade é que a “La Liga” promete continuar a ser um dos mais competitivos e entusiasmantes campeonatos europeus. Seja na luta pelo título, na luta pelos lugares europeus ou na sempre árdua luta pela manutenção, a verdade é que a intensidade e o espectáculo serão, certamente, tão bons ou melhores do que na temporada anterior, e isso é automaticamente um factor de atractividade para qualquer adepto do jogo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter