Eddie Howe e o Incrível Bournemouth

Gonçalo MeloDezembro 22, 20186min0

Eddie Howe e o Incrível Bournemouth

Gonçalo MeloDezembro 22, 20186min0
O modesto Bournemouth vai demonstrando ano após ano uma competitividade enorme, e muito deve ao vibrante e inovador técnico Eddie Howe, a quem apontam um possível futuro num grande do futebol inglês.

Quando falamos de treinadores ingleses, não são muitos os nomes que nos vêm à cabeça. Talvez Gareth Southgate seja o nome mais falado, depois da bela campanha feita pela seleção dos três leões no mundial da Rússia. Mas a nível clubístico, os técnicos de topo são escassos, e a maioria possui já uma reputação negativa e apresenta algumas ideias ultrapassadas, como são os casos de Roy Hodgson ou Sam Allardyce. Na moda está o treinador do Bournemouth, o jovem Eddie Howe, responsável pelo bom futebol dos Cherries.

Desde a estreia na Premier League, corria a época de 15/16, o Bournemouth consegui um 16º lugar na primeira experiência entre os grandes, sendo que nas ultimas duas épocas conseguiu um 9º e um 12º na época transata, sendo de elevar as épocas tranquilas e estáveis dos Cherries, mesmo tendo constantemente dos planteis menos valiosos da Premier League. Esta regularidade impressionante tem de ter algum fundo, sendo o jovem técnico Eddie Howe, um dos, senão o principal responsável pelo sucesso do modesto clube do sul de Inglaterra, que conta apenas com o o 14º plantel mais valioso da competição, muito devido à subida de cotação de nomes como Nathan Aké e Callum Wilson e Lewis Cook.

A que se deve o sucesso deste Bournemouth de Howe? O técnico inglês é especialista em analisar as fragilidades dos oponentes, e a adaptabilidade de alguns jogadores permite aos Cherries jogar em mais que uma tática, sendo o 4-4-2 claramente o exlibris da formação sulista, mas podendo facilmente passar a alinhar com 3 centrais. Mas o que diferencia o Bournemouth dos outros candidatos à descida?

Na baliza, os Cherries contam com um dos mais subvalorizados e menos falados guarda redes do campeonato, Asmir Begovic, sendo o internacional bósnio dotado de enormes reflexos e agilidade impressionante para um homem com mais de 2 metros. A juntar a isso, conta com um interessante à vontade com a bola nos pés, permitindo aos seus centrais estarem confortáveis quando é necessário atrasar.

Na defesa, há um contraste de experiência com juventude. Simon Francis continua a ser o dono da lateral direita, com 15 partidas já realizadas na Premier League, parecendo não acusar os 33 anos de idade. No eixo, a dupla Steve Cook e Nathan Aké atravessa provavelmente a melhor fase, complementado-se quase na perfeição e sendo muito fortes na construção, aliando essa qualidade a uma velocidade interessante que permite muitas vezes jogar com a defesa subida. Na esquerda, o outro experiente do setor Charlie Daniels não tem dado hipóteses ao reforço espanhol Diego Rico, que chegou cotado vindo de boas prestações pelo Leganés.

Resultado de imagem para nathan ake
Nathan Aké vai se assumindo como um dos melhores defesas da Premier League

No meio campo, é habitual ver um duplo pivot na equipa de Howe, com um médio mais defensivo, e outro com alguma liberdade. Na posição 6 o dono do lugar tem sido o reforço colombiano Jeferson Lerma, que tem a responsabilidade de justificar os 30 milhões de euros gastos na sua contratação, sendo que a sua força e disponibilidade física são características muito apreciadas em terras britânicas. Ao seu lado têm alternado Andrew Surman e o jovem Lewis Cook, sendo que  o segundo é uma das grandes esperanças da nova geração inglesa, sendo a sua visão de jogo e qualidade de passe, aliada à sua capacidade de liderança invulgar para um jovem de 21 anos, ele que é comparado a Frank Lampard.

Resultado de imagem para lewis cook and jefferson lerma
Cook e Lerma formam uma jovem e vibrante dupla no meio campo

Nas alas o destaque tem sido o velocista escocês Ryan Fraser, que conta com 4 golos e 7 assistências em 17 jogos na Premier League, sendo que do outro lado (o direito), não é fácil apontar um titular indiscutível, com David Brooks a partir na dianteira, com 3 tentos em 15 jogos, mas não podendo adormecer perante a concorrência de Junior Stanislas que também leva 11 partidas, e do ex-Liverpool Jordon Ibe que parece estar a ganhar confiança.

Na frente mora o principal destaque destes Cherries na presente época, o ponta de lança Callum Wilson. O grande momento de forma do avançado de 26 anos já lhe valeu 8 golos e 6 assistências em 16 partidas, e a estreia pela seleção principal inglesa no mês de Novembro. O parceiro tem variado, sendo o norueguês Josh King o complemento predileto, mas com aparições interessantes de Lys Mousset e de Brooks, que é na realidade um segundo avançado/médio ofensivo de origem, mas tem sido mais utilizado na ala direita. Quem parece ter perdido o comboio é o veterano Defoe, que soma apenas 21 minutos na Premier League esta época, distribuídos por 4 jogos.

Resultado de imagem para callum wilson
Wilson a olhar para o futuro numa equipa do top 6?

Um 4-4-2 dinâmico e muito forte taticamente, com avançados muito fortes na primeira zona de pressão, extremos com talento individual mas com capacidade de trabalho em prol da equipa, médios ofensiva e defensivamente fortes e uma defesa coesa, experiente, talentosa e que concede poucos golos,  são os segredos deste relógio tático que é a equipa do Bournemouth, uma equipa que mantém um equilíbrio quase irreal em termos de golos marcados e golos sofridos, sendo que os Cherries são aquela equipa ambígua que gosta de fazer a vida negra aos candidatos ao título e superiorizar-se aos concorrentes diretos, ocupando neste momento um belíssimo 8º lugar a apenas 3 pontos do sexto e a 1 da zona europeia, sendo que muitos dos jogadores do Bournemouth fizeram parte do processo de subida com a equipa, sendo Eddie Howe o responsável pela ascensão de nomes como Wilson, Fraser ou Steve Cook.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter