O dérbi das “B”: um olhar sob a época de Benfica e Sporting

Daniel CarvalhoMaio 6, 20186min0

O dérbi das “B”: um olhar sob a época de Benfica e Sporting

Daniel CarvalhoMaio 6, 20186min0
Um dia após embate entre Sporting e Benfica, o Fair Play analisa a temporada das 'B' das duas formações.

Sporting B

Esta é a pior época da equipa ‘B’ da formação leonina desde a sua criação. Os maus resultados consecutivos da 2ª volta do campeonato ditaram, recentemente, a já avizinhada descida de divisão do Sporting. Quase terminada a época e sem grandes perspetivas para as jornadas que faltam jogar vejamos um pouco daquilo que foi a temporada da turma verde e branca.

A época não começou da pior maneira e os leões ao final da 5ª jornada encontravam-se num positivo 4º lugar com 10 pontos:  3 vitórias, 1 empate e uma 1 derrota. O mesmo se pode dizer ao final da 15ª jornada, quando o Sporting ocupava exatamente o meio da tabela classificativa, isto é, o 10º lugar. Na altura, a equipa estava acima na classificação do eterno rival Benfica, contando 21 pontos.

Até ao final de 2017, a época parecia-se a tantas outras passadas que fez nascer tantos craques para o futebol português. Sem grandes brilhantismos e aspirações maiores, a época parecia estar controlada, tendo os lugares de despromoção sempre longe de vista, de forma a poder manter o foco nas boas exibições, exibições essas que permitem o salto de jovens talentos para a ribalta do futebol. Acontece que a partir de 2018 tudo mudou e a equipa não mais conseguiu se levantar da queda.

Rafael Leão, a maior jovem promessa do Sporting

2018, o fim da ‘B’ dos leões

A partir do novo ano tudo mudou e o desfecho mais improvável chegou: o fim da equipa. Muito antes de se concretizar a relegação para o terceiro escalão do futebol português (algo que não chegará a acontecer), Bruno de Carvalho, no final de fevereiro, avança com a notícia que o Sporting não irá continuar mais na Ledman Liga PRO e em sentido inverso criará uma equipa sub-23 de modo a poder integrar um campeonato jovem. Esta informação apareceu com alguma surpresa na realidade do futebol português e se as coisas já não estavam muito famosas para os lados de Alcochete, esta foi a notícia que sentenciou o campeonato para os verdes e brancos.

Depois disto, seguiram-se séries enormes de jogos sem resultados positivos. Com um plantel que foi, sem margem para dúvidas, o mais fraco de sempre em termos de qualidade individual e coletiva, a formação leonina caminha para um final de campeonato carregando um “fardo” estatístico muito negativo.

Com 36 jogos disputados, os dados espelham um total de 9 vitórias, 9 empates e 18 derrotas. O fator casa não foi uma mais valia para equipa, tendo em conta que se apresentaram sempre com uma defesa muito perdulária. Nos jogos disputados em casa até ao momento, a equipa conseguiu sofrer mais golos do que aqueles que marcou. As partidas tiveram, muitas vezes, uma média de mais de 3 golos por jogo, fator que reflete bastante a qualidade defensiva da turma leonina.

O futuro para a equipa de Luís Martins é incerto e ao que tudo indica irá mesmo ser transformada numa equipa sub-23. Numa época desastrosa, ressalva-se como pontos muitos positivos a integração de Rafael Leão no plantel principal e a qualidade individual distinta tanto de Rafael Barbosa como de Pedro Delgado. Já nesta final, começou a ser lançada a ‘fornada’ de 1999/2000, com jogadores, ainda juniores, a aparecerem a espaços no plantel leonino.

Rafael Barbosa, o jogador em destaque do plantel leonino

Benfica ‘B’

Sem um futebol vistoso e sem jogadores de grande destaque, o Benfica ‘B’ acaba por fazer uma época semelhante aquilo que tem vindo a ser as suas prestações na Ledman. No entanto, ainda sem a manutenção matematicamente garantida, a equipa da luz pode definir a época como razoável, estando longe da qualidade individual de outras temporadas.

Quase no final da época, não existe um jogador do plantel que, a olhos vistos, possa integrar a equipa principal dos encarnados na próxima temporada. Com uma gestão de plantel meio atribulada, entre lesões, descidas de jogadores para os juniores e até mesmo algumas convocatórias para o plantel principal, os pupilos de Hélder Cristóvão não conseguiram manter uma performance sólida e de qualidade constante na Ledman Liga Pro.

Ao contrário do rival da 2ª circular, o fator casa foi preponderante. Das 13 vitórias conseguidas até ao momento, 8 delas aconteceram no Seixal e, mais do que isso, as melhores exibições aconteceram, sempre que a equipa pôde contar com o apoio dos seus adeptos. Em termos estatísticos, a equipa sofreu mais do que aqueles que marcou, apresentando uma diferença de golos de -9. Tendo muito poucos empates, o Benfica acabou por ser das equipas com mais derrotas na 2ª liga portuguesa, contabilizando 17.

Como fatores positivos, o Fair Play destaca a enorme juventude da equipa da luz. João Félix, Florentino Luís, Gedson Fernandes, Zé Gomes, Heriberto Tavares e Chris Willock são alguns dos jogadores em destaque dos encarnados, com idade compreendidas entre os 18 e os 20 anos. Este pode ser um dos fatores que pode, de alguma forma, justificar os maus resultados desportivos. Ainda assim, será necessário esperar pela próxima temporada para perceber se, de facto, se trata de uma situação de “dar um passo atrás para dar dois à frente”.

Os dirigentes do Benfica parecem não estar adormecidos e começaram já a preparar a próxima temporada. Chiquinho, atual jogador da Académica de Coimbra, vai assinar um contrato de cinco temporadas com o Benfica e, ao que tudo indica, irá integrar o estágio de pré-época do plantel principal. O jogador de 22 anos é considerado umas das estrelas da II Liga. Ainda assim, o futuro imediato do jogador não parece passar pelo plantel principal e a equipa ‘B’ vê com muito bons olhos a integração de um jogador deste calibre.

Heriberto e Félix na felicidade do golo

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter