Top 3 – Treinadores de destaque no 1º turno do Brasileirão

Rafael RibeiroSetembro 15, 20185min0

Top 3 – Treinadores de destaque no 1º turno do Brasileirão

Rafael RibeiroSetembro 15, 20185min0
Para finalizar nossa lista de destaques no 1º turno do Brasileirão, agora será a vez de detalharmos quais os "professores" que levaram suas equipas a exibições elevadas nesta metade de Campeonato Brasileiro

Estamos na última das três publicações sobre os destaques do 1º turno do Brasileirão. Assim como já falamos dos jogadores de melhor performance, e depois de termos citado os três guarda-redes, chegou a hora de conhecer aqueles que comandam suas equipas da beira do relvado. É importante citar que a escolha dos treinadores se deve ao desempenho do 1 turno do Campeonato Brasileiro, excluindo-se desempenhos em Copas (Copa do Brasil e Taça Libertadores da América, por exemplo).

Seja por conseguir extrair o máximo de seus jogadores, ou por encaixar um bom sistema tático ao longo da competição, estes treinadores merecem destaque por deixar suas equipas no topo da tabela do Brasileirão ao término do 1º turno. Não por coincidência, abordaremos neste capítulo final os nomes dos três treinadores que deixaram suas equipas nas três primeiras colocações da competição nacional, já que as campanhas desenvolvidas por Aguirre (São Paulo), Barbieri (Flamengo) e Hellmann (Internacional) resultaram em uma excelente pontuação.

Aguirre (Diego Vicente Aguirre Camblor)

Equipa: São Paulo
Idade: 53 anos (13/09/1965)
Nacionalidade: Uruguaio

Diego Aguirre (Foto: John Vizcaino/Reuters)

Diego Aguirre chegou ao São Paulo em um momento conturbado da equipa. Recém terminado o campeonato Paulista (em que a equipa foi eliminada nas semi-finais para o rival Corinthians) e posteriormente eliminado pelo Colón (ARG) na Copa Sul-Americana, havia novamente o temor em ter mais um ano difícil a frente. Porém, a postura do treinador foi de inserir os jogadores em um contexto maior, principalmente de garra e vontade durante os jogos. A mentalidade, aliada ao fortalecimento do setor defensivo, foram peças chave para o crescimento do tricolor paulista na competição.

Foram somente duas derrotas na primeira metade do campeonato, ambas fora de casa, o que fizeram do São Paulo a equipa a ser batida em seu estádio, o Morumbi. Desde que assumiu o São Paulo, foram 34 jogos (18V, 9E e 7D), e um aproveitamento de 61,76%, maior do que os últimos treinadores da equipa, entre elas Dorival Jr. e até Rogério Ceni. Fato é que o uruguaio, bem respaldado pelo trio de diretores que a equipa construiu para este ano (com Raí e Lugano, ídolos tricolores, além de Ricardo Rocha, ex-jogador do clube), conseguiu dar uma identidade a postura da equipa, e um padrão de jogo há muito tempo exigido pelos seus adeptos.

Barbieri (Maurício Nogueira Barbieri)

Equipa: Flamengo
Idade: 36 anos (30/09/1981)
Nacionalidade: Brasileiro

Maurício Barbieri (Foto: Fox Sports)

Barbieri é considerado um dos treinadores da nova geração de comandantes no Brasil. Conhecido em terras portuguesas, chegou a fazer estágio nas categorias de base do FC Porto, em contato com Mourinho durante o vitorioso ano de 2004. Fez boa campanha com o Red Bull Brasil em 2014, promovendo a equipa para a 1ª divisão do campeonato Paulista, e chegou ao Flamengo no início de 2018, para fazer parte da comissão técnica permanente do rubro negro.

Começou o Brasileirão como treinador interino, após saída de Paulo César Carpegiani, e teve sua efetivação confirmada em Junho deste ano, muito pela boa campanha desenvolvida no Brasileirão. Pelo Fla, possui 36 jogos (18V, 11E e 7D), com aproveitamento de 60,2%. Mesmo terminando o 1º turno perdendo a liderança para o São Paulo, conseguiu se manter a caça do líder, e poderá disputar o título até o fim do ano, se conseguir gerir o bom elenco da equipa carioca, como vem fazendo.

Hellmann (Odair Hellmann)

Equipa: Internacional
Idade: 41 anos
Nacionalidade: Brasileiro

Odair Hellmann (Foto: Ricardo Duarte/Internacional)

Odair Hellmann está sendo muito elogiado pelo crescimento da equipa ao longo do ano. Se em 2017 o colorado brigava para retornar a Série A do Brasileirão, agora em 2018 pode lutar pelo título da 1ª divisão. Sua carreira como treinador é de 2010, sempre pelo Internacional. Começou na equipa sub-17, até se tornar treinador temporário da equipa principal, em 2015, substituindo justamente Diego Aguirre quando este foi demitido do Inter. Assumiu novamente ao fim de 2017, conquistando o acesso a Série A.

Em 2018, foi efetivado no cargo, seguindo tendência de outros clubes, que também efetivaram seus auxiliares (Como Jair Ventura então no Botafogo, Carille no Corinthians e outros). Tendo na bagagem o ouro olímpico pelo Brasil em 2016 (como auxiliar técnico de Rogério Micale), conseguiu fazer do Internacional uma equipa muito equilibrada. Já dirigiu a equipa em 43 jogos (24V, 11E e 8D) com 64,34% de aproveitamento, o que o faz o treinador deste Top3 com mais jornadas a frente da sua equipa, mesmo que no Brasileirão tenha o mesmo número de jornadas que os demais.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter