O quebra-cabeça de Dorival Jr. no São Paulo

Rafael RibeiroFevereiro 17, 20186min1

O quebra-cabeça de Dorival Jr. no São Paulo

Rafael RibeiroFevereiro 17, 20186min1
Dorival Jr. recebeu reforços já com o Paulistão 2018 em andamento e não nas posições que gostaria. Agora, tem o quebra-cabeça de remontar o elenco tricolor.

A preparação do São Paulo FC para esta época já seria mais curta devido ao adiantamento dos campeonatos face a Copa do Mundo na Rússia. Foram 12 dias de treino até a estreia no Campeonato Paulista. Porém, a chegada de reforços já com o campeonato em andamento e não especificamente nas posições que Dorival Jr. indicou à diretoria fez o técnico ter alguns dilemas a serem resolvidos. O Fair Play detalha cada peça e como ela pode ser encaixada no quebra-cabeça deste elenco reformulado para 2018.

Dorival Jr. foi mantido no cargo após a luta contra o rebaixamento do time no Brasileiro de 2017. Ao perder Hernanes (voltando de empréstimo ao chinês Hebei Fortune) e Lucas Pratto (vendido ao argentino River Plate) o São Paulo praticamente perdeu sua espinha dorsal. Era preciso mais uma vez, como costumou acontecer a cada término de época nos últimos anos, reformular o time e recomeçar o trabalho do zero.

Hernanes e Pratto foram pilares do time em 2017. (Foto: Ale Frata/Estadão Conteúdo)

Os reforços

Jean, goleiro ex-Bahia, foi o primeiro contratado. Após as saídas de Dênis e Renan Ribeiro, o São Paulo viu em Jean um goleiro em ascensão para disputar posição com Sidão (até agora titular absoluto com Dorival no ano). Diego Souza veio como a principal contratação, depois de excelente atuação em 2017 e brigando por vaga na seleção de Tite. Joga como médio avançado mas ganhou a camisola 9 e é titular como ponta de lança até o momento. O Central Anderson Martins e o médio avançado Nene, ambos ex-Vasco, vieram a somar a equipa como ótimas chegadas. O último, como uma espécie de substituição a Hernanes, ainda que quase sem comparação, terá a missão de criar chances de gol. Trellez, ponta de lança ex-Vitória, também chegou há pouco.

A questão que criou alguma polêmica logo após as chegadas é que Dorival pedia desde o começo um lateral direito, além de um ou dois extremos, pois além de improvisar Éder Militão na lateral, gosta de jogar com velocidade pelos flancos do campo, onde somente Marcos Guilherme possui titularidade garantida (os demais são garotos da base, ainda sem experiência). Para satisfazer o técnico, Valdivia (emprestado do Internacional) chegou para fechar o ciclo de contratações, mas sofre de desconfiança pela parte física. Depois dos 6 reforços mais o retorno de Reinaldo na lateral esquerda, Hudson como médio defensivo e a compra definitiva de Jucilei, Dorival ainda sofre para, ao mesmo tempo, manter seu esquema tático, e colocar em campo os melhores nomes.

Valdivia foi um pedido de Dorival para ter mais opções de extremos. (Foto: Reprodução)

A formação atual

Dorival joga atualmente no sistema 4-2-3-1, com dois médios defensivos (Jucilei e Petros), sendo que este último avança com mais frequência com a bola e recua em marcação na fase defensiva. A linha de 3 joga com Marcos Guilherme bem aberto na direita, Cueva na esquerda e Nene ao centro revezando com Cueva. Ambos se cobrem na fase defensiva, junto a Marcos Guilherme, que fecham uma linha de 4 sem a posse da bola.

Formação atual do SPFC, 4-2-3-1, jogo mais trabalhado no meio, mas sem profundidade.

A formação em 4-1-4-1

Como forma de debater o que Dorival pode fazer com os novos nomes, e também pensar em alternativas para diferentes formações táticas, o Fair Play analisa quais opções o técnico teria para montar o quebra-cabeça. Formação comumente usada pelos rivais Corinthians e Palmeiras, por Tite também na seleção brasileira, a formação 4-1-4-1 daria mais ofensividade ao tirar um médio defensivo e colocar um ofensivo. Isso recolocaria Diego Souza na posição de origem, quase como um segundo avançado. A maior questão deste sistema é a fase defensiva. O time continuaria lento, e Nene teria que se desdobrar com Cueva para recompor o meio de campo sem a posse da bola.

Possível formação em 4-1-4-1 traria Diego Souza para o meio, mas teria trabalho na marcação.

A formação em 3-5-2

Formação clássica do tricolor de meados de 2000, época vencedora do clube, com o ex-técnico Muricy Ramalho, a formação em 3-5-2 mostra-se pouco provável com o atual técnico Dorival Jr. Em nenhum treino ou mesmo declaração ele deu indícios de que usaria esta tática, mas fato é que a formação pode ser uma alternativa interessante e que daria estrutura defensiva para o time atacar, ainda mais pelos extremos do campo, como o próprio Dorival gosta. Aqui ainda temos mais alternativas, como Militão sendo usado na sobra defensiva (é defensor de origem) Marcos Guilherme na direita e até mesmo Hudson (em boa fase no empréstimo ao Cruzeiro) pode adicionar boa saída de bola. Diego Souza jogaria como segundo avançado, como gosta, e Trellez como ponta de lança.

Na formação 3-5-2, São Paulo teria estrutura defensiva e poderia se abrir pelos extremos.

Resta saber se Dorival Jr. em algum momento mudará a formação do time titular, o que não se mostra algo factível neste primeiro momento. Dorival cita que é importante dar ritmo e entrosamento aos mesmos jogadores (e possivelmente nas mesmas funções) para que o São Paulo consiga ter melhores exibições ao longo do Campeonato Paulista e nas primeiras fases da Copa do Brasil. Classificado para terceira fase da competição nacional, o São Paulo acumula 4 jogos com vitória sem sofrer gols. Embalo para o clássico contra o Santos, pelo Paulistão, estes jogos também mostram que o time ainda é inconsistente entre os tempos do jogo, indo muito mal em uma das etapas, e muito bem na outra, além de escancarar o problema da lentidão na transição entre defesa e ataque, falta de profundidade nas jogadas pelos extremos e ainda a falta de condicionamento físico dos atletas. Dorival terá que superar a desconfiança de seu trabalho pelas más atuações, mesmo que, pelo menos, esteja apresentando bons resultados. Mas até quando?

Opiniões divididas sobre o trabalho de Dorival Jr. no São Paulo (Foto: Erico Leonan/saopaulofc.net)

One comment

  • Hugo

    Fevereiro 17, 2018 at 7:35 pm

    Belo resumo do atual momento tricolor e também, reflexao sobre o futuro tricolor.

    De fato Dorival é um excelente técnico e o tempo curto e peças com desgaste físico dificultam um pouco os trabalhos.

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter