Paulista, Brasileiro e Libertadores: a Tríplice Coroa do Corinthians Feminino

Marcial CortezDezembro 13, 20215min0

Paulista, Brasileiro e Libertadores: a Tríplice Coroa do Corinthians Feminino

Marcial CortezDezembro 13, 20215min0
O ano de 2021 jamais será esquecido pelos adeptos do futebol feminino do Corinthians. As brabas conquistaram, numa só época, os três principais tiulos do país e do continente: Paulista, Brasileirão e Libertadores. Saiba tudo sore a Tríplice Coroa Corinthiana.

Nem o mais otimista adepto do Corinthians poderia imaginar o que o ano da graça de 2021 teria reservado ao Timão, ou melhor, às “Brabas”, apelido carinhoso do time alvinegro feminino. Não é novidade que a equipa corintiana já era uma força tremenda no cenário nacional do futebol das mulheres, mas este ano as Brabas se superaram. De 2017 até hoje, o Corinthians jogou 202 vezes, com apenas 11 derrotas nesse período, Ao todo, foram 167 vitórias, 24 empates e 11 reveses, curiosamente seis deles contra o Santos. Um aproveitamento de 86,57%!

A conquista do Brasileirão

No Brasileirão, o Corinthians passeou. Donas da melhor campanha na primeira fase, as Brabas conquistaram 38 pontos em 15 jogos, o que as levou para as fases decisivas com a melhor campanha. O que se viu então foi uma sequência de goleadas e apresentações dignas de medalha. O Alvinegro passou facilmente pelas equipas do Avaí-Kindermann nos quartos de final (placar agregado 10-1), enfrentou a toda poderosa Ferroviária, até então a campeã da Libertadores, e chegou à final com escore de 6-2. Na final, novamente um massacre histórico no rival Palmeiras, com placar final de 4-1.

Corinthians conquista o Brasileirão em setembro, cena comum para os adeptos em 2021 Foto: Marco Galvão / Ag. Corinthians

Rainhas das Américas. Mais uma vez

Na Libertadores, não foi diferente. O Corinthians novamente mostrou sua força no continente. Fora do Brasil, as equipas femininas não tem muita tradição na América do Sul. Em 14 edições do Torneio até hoje, as brasileiras somam 11 títulos. As Brabas conquistaram a Taça pela terceira vez, com uma campanha fantástica: a equipa ganhou de forma invicta, com média de 4 golos/jogo.

A então camṕeã Ferroviária sucumbiu na meia final ante o Santa Fé da Colômbia, uma surpresa no certame. Com isso, a final brasileira não aconteceu como era previsto. No jogo da decisão, realizado no Uruguai, as Brabas cravaram o placar de 2-0 e levaram mais uma Copa pra casa.

Mas ainda faltava o Paulista…

E ele veio dias depois, da mesma forma avassaladora. Na primeira fase, um verdadeiro rolo compressor. As Brabas fizeram 31 pontos em 11 jogos, com 10 vitórias e um empate. Nas meias finais, contra o Santos, duas vitórias por 1-0 e 4-0 levaram as Brabas para a final contra o São Paulo.

No jogo da primeira mão, uma surpresa – vitória das são paulinas por 1-0. Seria o fim da hegemonia corintiana? Essa era a “pergunta do milhão” na véspera da finalíssima. Mas o que se viu no relvado foi uma partida bem equlibrada, com o Corinthians a dominar o placar em 2-1, o que levaria a decisão para os penaltis. Mas foi nos acréscimos, no crepúsculo do jogo, que Adriana acertou um chute rasteiro, de pé esquerdo, e garantiu o título para as Brabas.

Coletiva de imprensa antes do jogo da final que deu a Tríplice Coroa ao Corinthians. Foto: Rafael Marson

Vitória do futebol feminino do Brasil

E pra completar as campanhas fantásticas da equipa do Corinthians, o que se viu na Arena Neoquímica, no dia da finalíssima do Paulistão, foi algo pra marcar a história do futebol feminino no país. Foram mais de 30 mil pessoas a assistir a partida, um público gigantesco para uma partida de futebol entre mulheres. O Fair Play Brasil, por meio do Ginga Canarinha e outros meios, sempre apoiou e divulgou o futebol feminino em suas páginas, e esse público do estádio em Itaquera foi motivo de comemorações internas.

Como se tudo isso não bastasse, a transmissão da partida nos canais abertos e por assinatura registraram recordes de audiência. Até as torcidas rivais enalteceram os adeptos do Corinthians que foram à Arena Neoquimica prestigiar as Brabas.

Mais de 30 mil pessoas na Arena Neoquímica na final do Paulistão Feminino. Foto: Danilo Fernandes / Meu Timão

Mas afinal, qual o segredo do sucesso?

A pergunta parece difícil, mas a resposta é simples: o Corinthians leva o futebol feminino a sério. Um bom trabalho de base, divulgação e reconhecimento. A torcida percebe isso e começa a jogar junto. Todos entram num círculo virtuoso que se retroalimenta e a situação só melhora. Mais títulos trazem mais público, que trazem mais títulos e assim por diante. O sucesso das Brabas faz com que outras equipas invistam em seus quadros, para poder tornar os campeonatos cada vez mais interessantes e competitivos.

Uma pergunta que sempre nos fazemos é “quando o futebol feminino vai despertar tanto ou mais interesse que o masculino?”

Ao que tudo indica, não vai demorar muito para atingirmos esse objetivo. É uma pena que a Fifa ainda não regulamentou o Mundial de Clubes Feminino. A Fiel e as Brabas merecem.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter