Parabéns, Lusa! Relembre cinco lendas da Portuguesa de Desportos

João Pedro SundfeldAgosto 15, 20214min0

Parabéns, Lusa! Relembre cinco lendas da Portuguesa de Desportos

João Pedro SundfeldAgosto 15, 20214min0
O Fair Play separou cinco ídolos da Portuguesa para relembrar e homenagear na semana que o clube completa 101 anos de história

No último sábado (14), a Portuguesa de Desportos, time sediado na cidade de São Paulo, completou 101 anos de história. O clube, ao longo de mais de um século, viveu momentos de glórias, com conquistas importantes e boas campanhas nas competições que disputava, a Lusa sempre contou com jogadores importantes no seu plantel. Para comemorar o aniversário desta tradicional equipa, o Fair Play selecionou cinco ídolos rubro-verdes para relembrar.

Badeco

Ivan Manuel de Oliveira, mais conhecido como Badeco, foi um dos grandes nomes que a Portuguesa conheceu. O médio defensivo chegou ao clube em 1973 e, no mesmo ano, conquistou o Campeonato Paulista, disputando com equipes como a Academia do Palmeiras (terceiro colocado) e o Santos (campeão conjunto). 

Com boa visão de jogo e qualidade no passe, o jogador se destacava no bom meio-campo da Lusa. Capitão nato, era um jogador respeitado e que respeitava, nunca apelando para jogadas violentas.

“Além de excelente marcador, Badeco tinha um toque de bola refinado e iniciava as jogadas no meio campo da Portuguesa” – Texto presente neste cartão comemorativo feito pelo Museu Histórico da Portuguesa

Capitão

Sem vestir a braçadeira, Oleúde era Capitão. Conhecido pela alcunha que recebeu ainda jovem, no Paraná, o ex-médio defensivo é, sem dúvidas, um dos maiores que passaram pelo clube. Chegado em 1988, e estreando mal na derrota por 4-2 contra o Vasco, o ex-atleta ganhou espaço e se tornou titular absoluto da equipe.

Na Portuguesa, Capitão passou 11 anos da sua vida e jogou 496 jogos, segundo a Portuguesa – na conta do jogador, foram mais de 500. Além disso, o médio estava na histórica equipa vice-campeã brasileira em 1996.

Capitão é o jogador que mais jogou pela Portuguesa na história (Foto: Divulgação/Portuguesa)

Ivair

Um dos principais avançados da histórias do clube, Ivair era conhecido como ‘O Príncipe do Futebol”. A alcunha, recebida por ele em 1963, foi dada pelo Rei, o Pelé. Na ocasião, o jovem de 18 anos anotou dois golos e garantiu a vitória rubro-verde sobre o Santos que, 20 dias depois, viria a ser campeão mundial.

Ao todo, foram 302 jogos e 103 com a camisa Rubro Verde. Pelo clube, no entanto, não conquistou títulos, apesar de ser vice-campeão paulista em 1964, tendo uma importante atuação na última partida, contra o campeão Santos, mas insuficiente para garantir a vitória e o troféu.

Ivair marcou 103 gols pela Portuguesa (Foto: Divulgação/Portuguesa)

Djalma Santos

Provavelmente o principal ícone do futebol brasileiro a vestir a camisa da Portuguesa, Djalma Santos é uma lenda do esporte. Bicampeão do mundo e tido como um dos melhores laterais direitos da história. Vestindo a camisa da Lusa entre 1948 e 1959, é o segundo que mais jogou pela equipa e, mesmo atacando pouco – como todos os laterais da época -, marcou 33 golos.

Além disso, Djalma é o atleta mais vitorioso da história do clube, sendo bicampeão do Rio-São Paulo (1952 e 1955) e tricampeão da Fita Azul (1951, 1953 e 1954).

Djalma Santos jogou quatro Copas do Mundo pelo Brasil e venceu duas (Foto: Divulgação/Portuguesa)

Dener

Maior promessa, maior talento e poderia ter sido o maior de todos. Dener encantou o Brasil quando surgiu na Portuguesa. Com velocidade, habilidade e um talento especial, o atleta era tido como o futuro do futebol brasileiro, algo que, infelizmente, nunca se concretizou, devido a sua morte precoce, com apenas 23 anos.

Pelo Rubro-Verde, conquistou apenas a Copa São Paulo, em 1991, torneio destinado a jogadores jovens. A sua passagem pelo clube, mesmo assim, foi histórica e o ex-jogador é lembrado como um dos maiores que pisou no relvado do Canindé.

Dener é uma lenda do futebol brasileiro (Foto: Divulgação/Portuguesa)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter