Como Flamengo e Jorge Jesus chegam para a final da Libertadores

Rafael RibeiroNovembro 22, 20198min0

Como Flamengo e Jorge Jesus chegam para a final da Libertadores

Rafael RibeiroNovembro 22, 20198min0
Depois do podcast Futebol Exótico contar sobre a final da Taça Libertadores da América, este artigo mostra em detalhes como o Flamengo e Jorge Jesus chegaram até esta etapa do torneio, e quais os perigos do grande adversário River Plate, que tenta ser penta campeão e manter sua hegemonia.

Apenas seis meses após ser contratado pelo Flamengo, Jorge Jesus chegou à sua primeira final de competição, e logo uma das mais importantes para os brasileiros e para o continente sul-americano. A Libertadores da América está a um passo de ser conquistada, em final que acontecerá neste sábado contra o atual campeão River Plate. As equipas já estão em Lima, onde treinaram prestes a se enfrentar no jogo do ano, já que o jogo foi alterado de Santiago no Chile para o Peru, devido aos protestos e a falta de segurança recente na capital chilena. O treinador português poderá fazer história pela equipa rubro-negra, se vencer o título continental depois de 38 anos (já que o único título de Libertadores fora conquistado em 81 pelo Flamengo de Zico), e também ao consolidar o título do Brasileirão também neste fim de semana (ou no próximo) e ser apenas o segundo estrangeiro na história da competição a vencê-la. O Fair Play conta a história desta equipa e os detalhes da final.

O histórico rubro-negro na Libertadores

A 15ª participação do Flamengo na Taça Libertadores da América pode culminar em um título que há muito não ficava tão próximo. O histórico é de 127 partidas disputadas, em um bom retrospecto de 66 vitórias, 27 empates e 34 derrotas, mas sem uma performance eficaz em fases decisivas, já que disputou apenas uma final, e não chegava em uma semi-final desde 84. A última vez que chegou aos quartos de final foi em 2010, com Adriano Imperador, parando no Universidad de Chile. Para completar as estatísticas, o Fla sequer passou da fase de grupos em quatro oportunidades neste século (2002, 2012, 2014 e 2017). Mas a história já tem um capítulo muito relevante para Flamengo e Libertadores. Isto porque, depois de um início muito duvidoso, a demissão de Abel Braga trouxe Jorge Jesus para comandar um plantel bem construído na competição, e as chegadas de Rafinha, Filipe Luís e Gerson deram o toque final para que o time carioca chegasse onde chegou.

A final disputada em 1981, comandada por Zico, está na história da equipa pelo plantel superior e pela genialidade do “Galinho de Quintino”. Ao passar pela fase de grupos em primeiro e sem derrotas, o Flamengo disputou uma fase semifinal (em dois grupos de três equipas, para se classificarem a final o melhor de cada) e também não perdeu. Foram quatro vitórias sobre Deportivo Cali (COL) e Jorge Wilstermann (BOL) para enfrentar na finalíssima o Cobreloa (Chile). O plantel do médio defensivo Andrade, o maestro Júnior na lateral esquerda, Zico no meio campo e Adílio completando os jogadores ofensivos formavam a época de ouro do Fla comandada por Paulo César Carpegiani, que também conquistou o Carioca do mesmo ano, o Brasileirão de 1980, 1982 e 1983. Zico comandou a final contra a equipa chilena, marcando dois golos no jogo de ida (2-1), e após perder de 1-0 na volta, marcou mais dois no jogo desempate vencido por 2-0. Para coroar o excelente momento, o Flamengo ainda foi campeão mundial sobre o Liverpool, na Copa Intercontinental de 81, por 3-0 (dois de Nunes e um de Adílio), com Zico sendo eleito o melhor em campo.

Zico ergue a taça Libertadores ao conquistá-la em 81. Posteriormente, ganharia o Mundial contra o Liverpool (Foto: Reprodução)

As chances da equipa de Jorge Jesus

A espinha dorsal da equipa tem sido mantida nas últimas jornadas, e diferente do que ocorria no começo de seu tempo a frente do Flamengo, Jorge Jesus optou nestes últimos momentos em tirar o máximo de seus 11 inicial. Isso porque a equipa também manteve boa diferença de pontos no Brasileirão de 2019, e praticamente consolidou o título nacional, que pode ser confirmado matematicamente também neste final de semana. Com treinos fechados e até com lonas extras para evitar possíveis espiões, Jorge Jesus já treinou em Lima para o confronto final. A possível escalação tem um 4-2-3-1 iniciado por Diego Alves como guarda-redes, Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís na defesa, Willian Arão e Gerson como médios defensivos, Éverton Ribeiro, Arrascaeta e Bruno Henrique, com Gabigol no ataque. Por ser um jogo único, a chance deve ser em aplicar a mesma intensidade mostrada nos últimos jogos, aliado a um comportamento defensivo seguro, justamente o que não ocorreu no penúltimo jogo do Brasileirão, em um agitado 4-4 contra o Vasco.

Do lado do River Plate, a formação 4-3-1-2 é bem definida. Com apenas um médio ofensivo mais a frente e dois avançados, a equipa produz muito pelo centro do relvado, com Rafael Borré e Matías Suárez, além do sempre utilizado Lucas Pratto, vindo da reserva. Mas Ignacio Fernandez é o ponto de equilíbrio do River, e junto com o velocista Nicolás De La Cruz disputam inclusive o prêmio de melhor jogador da competição com Gabigol e Bruno Henrique pelo lado do Flamengo. Se Javier Pinola, capitão argentino, é a fortaleza da equipa, a surpresa pode ser Paulo Díaz, que pode aparecer nos 11 inicial para atuar até como um terceiro zagueiro e atrapalhar o jogo aéreo de Rodrigo Caio e Marí. Por fim, destaque também para Franco Armani, guarda-redes campeão da Libertadores pelo Atlético Nacional (COL) e para Ignacio Scocco, outro avançado que pode ser usado ao longo da partida.

Flamengo treina em Lima preparado para evitar espiões (Foto: Guadalupe Pardo/Reuters)

Jogadores chave para Jesus

Rafinha e Filipe Luís são nomes conhecidos e que recentemente desembarcaram do continente europeu para compor o plantel rubro-negro. Mas o destaque fica, primeiramente, por conta de Gabigol. O jogador é o artilheiro da competição com sete golos, sendo que o próximo colocado que ainda poderia disputar este prêmio seria o companheiro Bruno Henrique. Este último, coincidentemente, é o lider de assistências na Libertadores, com cinco passes para golo. Por esta participação imediata nos golos do Fla, estes dois nomes são peças chave para Jorge Jesus, que ainda conta com um equilíbrio no plantel: Gerson. O jogador que chegou recentemente da Itália cresceu de produção sob o comando do português, e mesmo sem números expressivos em golos ou passes, é o motor da equipa e quem faz o meio campo flamenguista ser rápido e letal, tendo praticamente a mesma porcentagem de passes certos no campo defensivo e no ofensivo.

O jovem Reinier, surpresa da base do Flamengo e que sempre entrou bem ao longo dos jogos, pode ser a surpresa do Jesus para uma final extremamente equilibrada. Com apenas 17 anos, Reinier já fez golos decisivos pelo Flamengo no Brasileirão, e certamente terá mais espaço não somente na final como também na próxima época. Outro jogador que pode ser decisivo é Diego Alves, guarda-redes que possui fama de bom pegador de pênaltis. Com a final sendo disputada em jogo único, será imprescindível que Diego tenha uma boa atuação, até mesmo caso o jogo termine empatado e ele seja acionado em uma disputa como essa. Nesta competição ele já defendeu uma cobrança, e sofreu um gol em outra, e tem uma média de duas defesas difíceis por jornada no torneio continental.

Grupo forte faz Jesus ter boas condições de ganhar o título, mas enfrenta o campeão River em boa fase (Foto: Antonio Lacerda/EPA)

Sábado, dia 23 de novembro de 2019, as 20:00 (horário de Portugal) a grande final irá ocorrer, no estádio Monumental, em Lima no Peru. Com grandes proporções (recentemente até a BBC Londres confirmou a exibição do jogo em TV aberta para a Inglaterra), Flamengo e River Plate colocarão as melhoras equipas sulamericanas em confronto. O Flamengo desejando por fim ao jejum de 38 anos sem vencer este título, enquanto o River Plate lutando por manter sua hegemonia, tentando o pentacampeonato, após vencer as edições de 2015 e 2018. O Fair Play contou também no podcast Futebol Exótico desta semana um resumo deste interessante embate, e trará ainda mais informações após o apito final deste momento histórico para Flamengo e Jorge Jesus.

Os adeptos cercaram o embarque do Flamengo rumo ao Peru antes da final (Foto: Allan Carvalho/AGIF/Folhapress)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter