Onde é que anda o Flop: Keirrison, a falsa-“pérola” canarinha na Luz

Francisco IsaacSetembro 17, 20186min0

Onde é que anda o Flop: Keirrison, a falsa-“pérola” canarinha na Luz

Francisco IsaacSetembro 17, 20186min0
Em 2009 aterrou em Lisboa um suposta super-revelação do futebol brasileiro com selo do Barcelona: Keirrison. Que recordações tens do avançado em Portugal?

Depois de uma época de desilusão, chegou em 2009/2010 um novo técnico que não só mudaria a forma de jogar do SL Benfica como também alteraria a postura do clube no mercado… falamos, claro está, de Jorge Jesus. O técnico que até então tinha treinado clubes como o Vitória FC, CF “Os Belenenses” ou SC Braga, chegou à Luz e com ele uma avalanche de reforços.

Nomes como Javi Garcia, Ramires, Javier Saviola assumiram um lugar de importância num plantel que iria terminar no 1º lugar da Liga NOS no final da temporada, retirando ao FC Porto a hipótese de chegar a um novo pentacampeonato. Contudo, debaixo do “tapete” de campeões ficaram os vários milhões perdidos em jogadores que nunca dariam em nada no clube da Luz como Airton, Alan Kardec, Patric, Éder Luis, Felipe Menezes ou Julio César.

Hoje em dias os adeptos encarnados têm uma predilecção por culpar Jorge Jesus pelo fracasso nas afirmações destes e outros jogadores, mas em abono da verdade uma larga maioria destes reforços nunca deram provas de merecerem mais de um par de oportunidades. Faltava qualidade e outras noções a estes atletas para sobreviverem às exigências de Jorge Jesus.

E a palavra exigência foi algo que levou ao fracasso total de um jovem avançado brasileiro que chegou à Luz rotulado de “pérola”: Keirrison. Veio também naquele “contentor” de canarinhos mas pela via do Barcelona, que tinha adquirido o ponta-de-lança ao Palmeiras nesse mesmo ano.

Pelo verdão, Keirrison fez uma época assombrosa com 12 golos e 6 assistências em 19 jogos e isto com apenas 20 anos. Já em 2008 tinha se afirmado pelo “seu” Coritiba com 21 golos em 31 jogos, evidenciando-se como um dos melhores jovens do Brasil à época. Com apenas 21 anos, o brasileiro conseguiu assumir o papel de goleador tanto pela formação do Coritiba ou do Palmeiras, completando mais de 84 jogos e quase 40 golos em duas épocas.

O FC Barcelona, que sempre assumiu-se como um bom “mercador” no Brasil (Rochemback, Geovanni, Rafinha, Henrique, são só alguns nomes dos últimos anos), nem pensou duas vezes e desembolsou 14M€ pelo passe de Keirrison. Olhando para trás, talvez o Palmeiras (e o consórcio que detinha 60% dos direitos dos direitos do avançado) deveria ter segurado o seu jogador durante mais um par de anos com o objectivo de garantir mais estabilidade e consistência, antes de se o atirar para a Europa sem grande preparação.

A chegada à capital da Catalunha deu-se a 23 de Julho e… foi rápida a estadia no clube. Pep Guardiola não deu grandes hipóteses ao brasileiro e encaminhou-o para a porta de saída, para já, temporária. Keirrison tinha afirmado o seu orgulho em assinar por um dos maiores emblemas à escala mundial e esperava mais oportunidades, ou pelo menos, uma oportunidade durante os 5 anos de contrato com o clube.

O SL Benfica recebeu Keirrison na esperança de potenciá-lo e, porque não, tentar adquiri-lo no final da época até pela qualidade evidenciada pelo Coritiba e Palmeiras. Todavia, o jovem seguiria o mesmo caminho que alguns ex-Barcelona/Real Madrid no que toca a resultados finais: poucos ou nenhuns.

Vejamos, primeiro, os dados finais: 7 jogos, 0 golos, 0 assistências, 350 minutos, duas vezes titular e cinco vezes como suplente utilizado; não ajudou o facto de ter estado envolvido em três derrotas dessa meia dúzia de encontros realizados pelas águias. A somar a estes pontos vem agora a leitura analítica: movimentação tímida dentro da área, deficiências claras no confronto físico, pouca capacidade em surgir no espaço certo e sem a postura necessária para aguentar com a maior rigidez táctica e/ou física da Liga NOS ou competições europeias.

Apresentação de Keirrison (Foto: Lusa)

Keirrison não estava pronto para sobreviver às exigências de um treinador como Jorge Jesus e sempre que entrava em campo não conseguia equiparar-se ou ficar perto da qualidade de Javier Saviola, Oscar Cardozo ou Nuno Gomes, dissipando-se das opções do SL Benfica em pouco mais de uns meses. Pior de tudo é que Keirrison não teve a postura de resposta e reacção que Jorge Jesus procurava em atletas revoltados: dar tudo nos treinos e exigir assim uma nova oportunidade. O brasileiro “abraçou” este desfecho e forçou um regresso a Barcelona em Dezembro.

Para trás, ficaram uma série de reparos ao que se passou “fora de campo”:

“Não culpo ninguém pelo que aconteceu no Benfica. No entanto, não concordo com algumas atitudes estranhas que aconteceram em Portugal. Mas não vou citar nomes, não sou disso. O que aconteceu, na verdade, não foi dentro de campo, foi fora. Procurei ficar tranquilo, esperando uma decisão, mas o mais importante é que eu e o Barcelona estávamos tranquilos. O Barcelona sabia de toda a situação que estava a acontecer. Não vou dizer que foi frustrante, mas não foi o que queríamos”

O facto de ter vindo rotulado de “pérola” e das palavras-fortes na apresentação foram quase como “letais” para a carreira ao serviço das águias. Mas até que ponto o SL Benfica ou Jorge Jesus tiveram realmente culpas no fracasso de Keirrison no clube?

Observando ao que se veio passar depois, nenhumas. O avançado brasileiro praticamente falhou em todos os clubes por onde passou nos últimos 7/8 anos. Foi até Itália para alinhar pela Fiorentina, mas depois de 10 jogos e 2 golos (os únicos remates certeiros na Europa) não convenceu os viola em adquirir o seu passe. Regressou depois ao Brasil, onde conquistou a Libertadores pelo Santos, mas nunca se impôs com a mesma qualidade dos tempos em que alinhou pelo Palmeiras ou Coritiba.

Não desenvolveu como atleta, estagnando por completo na sua evolução física ou táctica. Os detalhes técnicos não foram e continuam a não ser os suficientes para ser titular numa equipa de topo do Brasileirão. Tentou regressar ao Velho Continente em 2016/2017 para jogar ao serviço do Arouca… ficaram na retina dois jogos, um futebol pobre e uma falta de cultura táctica preocupante.

Keirrison precisava de tempo para deixar o seu futebol crescer e a saída para o FC Barcelona foi sem dúvida um passo errado num atleta que prometia muito, mas que na entrada para os seus 30 anos não conseguiu almejar nada a nível individual (mesmo assim, tem um Campeonato Nacional pelo SL Benfica, Campeonato Paulista pelo Santos e a tal Libertadores).

Veja-se que entre os 19 e 20 anos fez 32 golos e que depois nos 9 anos seguintes só completou duas dezenas de remates certeiros… fracasso absoluto, correcto? Um flop que chegou à Luz como “pérola” pronta para ser trabalhada para depois desistir facilmente perante as adversidades.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter