Naby Keïta, o levezinho guineense à conquista da Europa

Pedro CouñagoAbril 9, 20186min0

Naby Keïta, o levezinho guineense à conquista da Europa

Pedro CouñagoAbril 9, 20186min0
O FairPlay analisa um jogador que pode vir a ser, a médio prazo, um dos melhores do mundo na sua posição e marcar uma era no que toca aos médios do continente africano.

Se há jogadores que nos entusiasmam nesta Bundesliga, um deles é certamente Naby Keïta. Pena é que tal já não vá acontecer por muito mais tempo, visto que o jogador está de malas feitas para Anfield, perfilando-se para brilhar na Premier League. É um campeonato, certamente, à sua medida, mas fará muita falta ao RB Leipzig.

Os números, as mais valias do jogador

O jogador guineense surge, hoje em dia, como um dos melhores médios-centro da Bundesliga e está provavelmente no Top 10 na Europa no que toca à posição, algo que mostra os tremendos desempenhos do atleta e o potencial ilimitado que o mesmo tem. Quem fez um excelente negócio foi o Liverpool, que adquiriu o atleta por 65 Milhões de Euros no passado verão, sendo este o valor pelo qual o atleta está também avaliado. Se fosse neste próximo defeso, o valor certamente dispararia para outros valores, algures acima dos 100 milhões de euros.

Mas vamos a números. Sendo um médio centro que pode fazer todos os lugares do centro do terreno, o mesmo destaca-se por ter incríveis números no que toca ao seu jogo ofensivo. Com 23 anos, tem já 45 golos marcados e 37 assistências em 198 jogos como sénior. Com esta idade, o jogador tem já quase 200 jogos como sénior, isto em praticamente cinco épocas, o que lhe dá perto de uma média de 40 jogos por época, uma regularidade impressionante para um atleta tão jovem. Abaixo pode-se ver um exemplo perfeito do que o jovem é capaz (Vídeo: Bundesliga).

Depois, os números acima mencionados mostram a sua capacidade nos terrenos mais ofensivos. O jogador é uma constante ameaça para as defensivas contrárias, mesmo não sendo um jogador que jogue sempre como médio ofensivo. Numa Premier League tão intensa e cada vez mais feita de futebol de transição, o guineense parece talhado para lá jogar e parece capaz de manter este tipo de números.

Mais que tremendamente eficaz nas zonas mais avançadas do campo, o capitão da seleção da Guiné Conacri é um incansável box-to-box que sabe fazer um pouco de tudo dentro de campo. Capacidade de jogo, velocidade, intensidade, força e resistência. Todos estes são sinónimos de Keïta.

Para esta superação muito contribuíram os contextos apropriados em que o jogador atuou. O Istres é conhecido por ser uma boa escola de formação em França, o Salzburg é um trampolim de atletas para outros campeonatos, além de eterno campeão austríaco e forte nas competições europeias, e, por fim, o Leipzig, que se tem revelado como lançador de jovens talentos e confirmador de tantos outros.

Neste Leipzig, muito também tem contribuído Ralph Hasenhüttl, com a sua abordagem positiva ao jogo, com uma pressão alta no terreno e um jogo muito vertical e vertiginoso, sempre muito objetivo e com a intenção de marcar.

Uma relação bastante bem sucedida, não muito longa, e que trouxe muitos frutos ao RB Leipzig (Foto: Bundesliga)

O que representará a chegada a Liverpool?

Essencialmente, Naby representa um futebol moderno, um futebol físico e que não dá descanso a nenhuma equipa nem adepto, um futebol empolgante. No caso do Liverpool, é uma adição extremamente a um meio campo bastante apetrechado com jogadores como Jordan Henderson, Milner, Wijnaldum ou Oxlade-Chamberlain. Há aqui um jogador que intencionalmente não foi colocado, que foi Emre Can.

O internacional alemão parece estar com um pé e meio fora de Anfield, visto ter um contrato que termina em junho e que muito dificilmente será renovado devido às altas exigências do atleta e que levará o mesmo, muito provavelmente, a ir para o eterno campeão italiano Juventus. No caso de Emre sair, nem existe uma necessidade de nova contratação, pois o Liverpool já se precaveu, e melhor que Keïta seria difícil, ainda que o estilo de jogo seja diferente.

Como poderá ficar o Leipzig com esta perda?

A verdade é que o poder financeiro da Red Bull pode amenizar a perda do Leipzig, mas não será fácil encontrar um atleta desta qualidade para o clube alemão. Quando Keïta veio do RB Salzburg (curioso ter vindo de outro clube pertencente à marca), já se sabia que o jogador ia ser motivo de conversa, mas não se esperava uma ascensão tão rápida. Para muito também contribuiu a prestação pessoal do jogador numa fantástica época 2016/2017 por parte da equipa do Oeste da Alemanha e num 2017/2018 também bastante positivo.

Com tudo isso, não era fácil a um clube numa segunda linha de força conseguir resistir ao assédio de um tubarão endinheirado. O que resta perceber é como pode o clube alemão reagir, e a verdade é que convém encontrar um jogador das mesmas características, visto que se adapta perfeitamente ao estilo de jogo do Leipzig.

Por outro lado, Naby Keïta pode não ser a única perda do clube neste verão. Timo Werner, principalmente, pode estar na porta de saída, sendo que tudo pode depender do Mundial realizado pelo atleta. Vejamos quais os acontecimentos daqui a breves meses.

Keita pode não ser o único craque a sair de Leipzig, com o jovem alemão a ser uma hipótese bastante plausível também (Foto: The Sun)

O que pode melhorar, o que pode ser o futuro

O único aspeto do jogo que Keïta realmente pode melhorar relaciona-se com a disciplina, dado ser um jogador algo impulsivo e que é admoestado bastantes vezes, como comprovam os 31 cartões amarelos e 3 vermelhos já vistos ao longo da sua jovem carreira. Por aqui ainda se pode ver que, além das qualidades, existem ainda defeitos a melhorar pelo jogador.

Será um jogador a acompanhar para os próximos anos e que, se vier a atingir o seu pico na carreira, porque ele tem potencial para alcançar mais, poderá ser verdadeiramente imparável. O Liverpool e a seu Guiné têm tudo a beneficiar com isso.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter