8 Jogadores que podiam voltar para a Liga NOS em 2020 pt.1

Francisco IsaacDezembro 22, 20195min0

8 Jogadores que podiam voltar para a Liga NOS em 2020 pt.1

Francisco IsaacDezembro 22, 20195min0
Que atletas podiam regressar à Primeira Liga portuguesa em 2020? Escolhemos oito atletas que podiam ser reforços de Inverno da Liga NOS explicando que vantagens trariam! A parte 1 neste artigo!

O mercado está quase a abrir e nesta quadra natalícia deixamos os desejos de ver estes regressos ao futebol português! De Diogo Dalot a Tomané, estes são os “presentes no sapatinho” que poderiam surgir nos clubes da Primeira Liga portuguesa!

RICARDO GOMES (SARJAH FC)

O atleta internacional por Cabo Verde saiu do CD Nacional em 2018, rumando à liga sérvia, tendo feito bastante falta nos alvinegros durante a época passada. Ao serviço do Partizan de Belgrado foi autor de 26 golos e 4 assistências em 49 jogos, mostrando excelentes pormenores na frente de ataque do lendário clube, tendo ajudado a levantar a Taça da Sérvia.

De forma estranha, o avançado foi transferido para os Emirados Árabes Unidos e actua, neste momento, pelo Al-Sharjah onde já assinou os seguintes números: 5 golos e 3 assistências em apenas 7 encontros. Ou seja, Ricardo Gomes nas três últimas épocas foi responsável por 55 tentos e 18 passes para golo, o que mostra toda uma versatilidade e capacidade de decisão que faz falta no futebol português.

Não há margem para dúvidas que o ex-CD Nacional aufere um salário minimamente alto nos EAU, mas é daqueles atletas que vale o preço da transferência seja pelos golos, velocidade dentro da grande área, no trabalho de produção ofensiva e no fácil emparelhamento em diferentes sistemas de jogo. Clubes como o Marítimo, Belenenses SAD ou Vitória FC poderiam dar um salto na volatilidade no ataque caso conseguissem conquistar os serviços do cabo-verdiano.

PEDRO SANTOS (COLUMBUS CREW)

31 anos, antigo jogador do SC Braga, Vitória FC e Rio Ave FC (em termos de clubes da Primeira Liga) e que tem conquistado agora o Universo da MLS, em especial o dos Columbus Crew. O extremo direito cumpriu a sua segunda temporada em solo norte-americano e assina os registos de 12 golos e 15 assistências em 82 jogos, polvilhando as alas com aquela velocidade e mobilidade de movimentos directa e apaixonante, que marcou até uma era nos Arsenalistas do Minho.

Com contrato para mais uma época, Pedro Santos não seria nunca alvo fácil de atrair de volta para o futebol português, mas a veterania, a experiência acumulada, a capacidade de liderança e o entendimento avançado de jogo, tornam-no num must para a maioria dos clubes a alinhar na Liga NOS.

Seja o Rio Ave FC, Portimonense, Santa Clara (encaixaria com facilidade no esquema estratégico de João Henriques), Pedro Santos poderia fazer a diferença no decurso da temporada, fornecendo ao ataque de qualquer um destes emblemas um elemento de elevada qualidade.

RICARDO VALENTE (HATTA CLUB)

Merecia mais no Marítimo, mas ambos os lados não tiveram bem em alguns aspectos, o que levou ao corte de relações e ao “adeus” antecipado a um dos extremos mais energéticos e velozes dos últimos anos da Liga NOS. Como Ricardo Gomes, Ricardo Valente actua no Hatta Club dos Emirados Árabes Unidos e os números não têm sido fantásticos, mas tal se deve à adaptação do extremo a um dos campeonatos mais exóticos e estranhos do Desporto-Rei.

Contudo, estes meses ao serviço do emblema arábico poderão ser simplesmente de antecâmara para o seu regresso ao futebol português e clubes como Paços de Ferreira, Santa Clara, Boavista ou Gil Vicente (Vítor Oliveira gostaria de ter um extremo com a capacidade de Valente no seu esquema de contra-ataque e de imposição de velocidade desenfreada nos momentos certos) poderiam sair beneficiados pela contratação do extremo.

Mas o que realmente traz Ricardo Valente ao futebol português? Como dissemos, é um jogador rápido, munido de dois pés de fina qualidade e de uma visão ofensiva interessante que vai enchendo o campo, para além de saber ser um autêntico problema para a equipa adversária na luta pela posse de bola nos corredores. Na penúltima época pelos verde-rubros fez 9 golos e 5 assistências, tendo sido um dos atletas mais utilizados por Daniel Ramos.

TOMANÉ (ESTRELA VERMELHA)

Foi dos melhores jogadores do Tondela nas últimas temporadas e o valor de transferência prova liminarmente isso, já que foi transferido para o Estrela Vermelha por quase 1M€, sendo uma das maiores vendas do emblema tondelense. Um avançado enigmático, que gosta de fugir e aparecer rapidamente nas costas dos defesas contrários, Tomané ganhou nome ao serviço quer do Vitória SC ou do CD Tondela, conseguindo 35 golos e 31 assistências em 150 jogos no total.

Podem não parecer números fantásticos, mas é importante não esquecer que o avançado internacional sub-21 não é o matador habitual, sendo uma peça das movimentações ofensivas mais voltado para cair para as extremidades do campo ou para fazer o trabalho “pesado”, deixando para o segundo avançado os “espólios” de ataque.

Impõe um perfume interessante e cativante, o que confere outra atitude a qualquer uma das equipas pelo qual joga e seria curioso ver um SC Braga, FC Famalicão ou Boavista FC a recrutar os serviços do atleta de 27 anos que começou a temporada com 16 jogos, 5 golos e 4 assistências, estando no bom caminho de vir a ser campeão da Sérvia.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter