2 histórias “feias” do Brasil em Mundiais de Futebol

João Ricardo PedroMaio 28, 20194min0

2 histórias “feias” do Brasil em Mundiais de Futebol

João Ricardo PedroMaio 28, 20194min0
1938 e 1954 foram duas edições madrastas para o futebol brasileiro com episódios que nunca mais foram esquecidos. Descobre estas histórias do Brasil em Mundiais!

O Brasil é conhecido em todo o mundo pelo seu bonito futebol, é o único país que ostenta orgulhosamente a conquista de cinco campeonatos do Mundo de futebol. Mas nem só de vitórias e futebol bonito é a história do Brasil em Mundiais de futebol…

Brasil vs Checoslováquia – Quartos de final do Campeonato do Mundo de 1938

12 de Junho de 1938, Stade Chaban-Delmas em Bordéus

A partida entre brasileiros e checoslovacos por um lugar nas meias finais ficou celeremente conhecida como a “Batalha de Bordéus”. Durante um jogo houve um inúmero de faltas brutais e impiedosas tudo isto nas barbas do negligente árbitro húngaro Pál von Hertzka.

O Brasil cedo se adiantou no marcador, Leónidas à meia hora de jogo marcou o golo solitário do primeiro tempo. A meio da segunda parte a formação da Checoslováquia chegou ao empate após uma grande penalidade convertida por Oldřich Nejedlý. Os brasileiros Zezé Procópio e Martim Mércio da Silveira foram expulsos assim como o checoslovaco Jan Říha. Foi a primeira vez que três jogadores receberam ordem de expulsão numa partida só num Campeonato do Mundo, este recorde permaneceu até ao Portugal vs Holanda de 2006, ou mais conhecido como Batalha de Nuremberga (foram expulsos quatro jogadores).

Do lado checo houve duas baixas de peso durante a partida, František Plánička partiu o braço direito e Oldřich Nejedlý partiu a perna esquerda. O guarda-redes  Plánička jogou a segunda parte e o prolongamento com o braço partido e não sofreu qualquer golo, já o dianteiro do Sparta de Pragas, Nejedlý foi forçado a abandonar o jogo após ter partido a perna. No lado brasileiro também houve baixas de grande importância, o avançado brasileiro  e melhor marcador da competição, Leónidas, teve de sair lesionado assim como o colega de ataque José Perácio.

O jogo terminou com um empate a um golo após o prolongamento e para desempatar o a eliminatória foi agendado novo encontro dois dias mais tarde. Ambas as seleções apresentaram formações compostas por suplentes, e os brasileiros acabaram por vencer por 2-1. Mas ficaram privados de alguns jogadores para a meia final contra a Itália (derrota por 2-1), sobretudo a estrela da competição, o brasileiro Leónidas que ainda assinou venceu o prémio de melhor marcador com sete golos.

Brasil vs Hungria – Quartos de final do Campeonato do Mundo de 1954

27 de Junho de 1954, Estádio Wankdorf em Berna.

Este Mundial ficou famoso pelo “Milagre de Berna” quando os alemães derrotaram os húngaros que pareciam invencíveis na arte de jogar futebol. Mas também houve outro jogo que ficou para a história do futebol que ficou conhecido como a “Batalha de Berna” envolveu a seleção magiar e a seleção brasileira que ainda procurava a primeira vitória no Mundial de futebol.

Desta vez a tarefa árdua de apitar esta partida coube ao inglês Arthur Edward Ellis que expulsou três jogadores e após o apito final os jogadores recolheram aos balneário em plena sessão de pancadaria. O jogo foi disputado numa tarde de muita chuva e as condições do campo estavam inapropriadas para o estilo de futebol ofensivo e bonito que ambas as equipas haviam demonstraram na fase de grupos. No total foram assinaladas 42 faltas (ainda nos dias de hoje é um número bastante elevado), duas grandes penalidades assinaladas, quatro advertências e três expulsões de campo.

Posteriormente o juíz da “Batalha de Berna” afirmou:

“Eu pensei que ia ser o maior jogo que até então tinha visto. Eu estava no topo do mundo. Se política e religião tinham algo a ver com isso eu não sei, mas eles se comportaram como animais. Foi uma desgraça. Foi uma partida horrível. Nos dias de hoje, muitos jogadores teriam sido expulsos do jogo e teria sido abandonado. Meu único pensamento era que eu estava determinado a terminar a partida. “

Após a “Batalha de Berna” os húngaros avançaram na competição mas acabaram por perder a final no mesmo estádio contra a Alemanha Ocidental naquele que ficou conhecido como o “Milagre de Berna”, episódio mais tarde imortalizado no cinema por Sönke Wortmann em 2003.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter