O polémico ramo de café no escudo do Brasil

Virgílio NetoJaneiro 4, 20192min0

O polémico ramo de café no escudo do Brasil

Virgílio NetoJaneiro 4, 20192min0
A Confederação Brasileira de Futebol no início dos anos 1980 conseguiu um patrocínio milionário e precisava arrumar uma maneira de colocar sua marca na camisola Canarinha. Com o veto da FIFA, a solução foi incorporá-la ao escudo da entidade. Genial se não antes exótica.

Um patrocínio no escudo de uma federação (no caso, confederação) nacional de futebol. Onde isso acontece? No Brasil, claro! Depois dizem que o futebol do Brasil não é exótico.

Pois bem, isso aconteceu no início dos anos 1980. As mais diversas federações desportivas brasileiras de todas as modalidades (voleibol, futebol, boxe, remo, atletismo, etc.) reuniam-se em uma só entidade, a CBD (Confederação Brasileira de Desportos). Por uma exigência da FIFA, a federação internacional reconheceria apenas as similares nacionais dedicadas exclusivamente à modalidade, ou seja, uma por país e esta uma a apenas um desporto: o futebol. Para adequar-se à nova normativa, em 1979 a CBD deixa de existir e é criada a CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

Mudam-se também os novos quadros dirigentes e também a empresa fornecedora dos equipamentos. Entretanto há um patrocínio à CBF, que são os ramos de café. Ramos de café? O que são estes ramos de café? Fazem parte do símbolo do “Instituto Brasileiro do Café”, patrocinador da CBF (na foto abaixo, painel do IBC durante treinamento da selecção Canarinha em Sevilha, para o Mundial de Espanha). Outrora presente em outras partes da camisa (como na camisola que Pelé usa no cartaz), a FIFA vetou o seu uso durante o Mundial de Espanha em 1982. É como se o IVV (Instituto da Vinha e do Vinho) português pagasse para estar na camisola da selecção das quinas. No caso brasileiro, o IBC pagou USD 3 milhões.

Com o veto da FIFA, era preciso dar volta neste tema e manter a confiança e os três milhões do instituto do café. Solução: os ramos iriam para dentro do escudo, que seria redesenhado. Os ramos de café foram incorporados ao distintivo. A antiga cruz pátea da CBD e primeiros anos da CBF é abolida e um novo é elaborado. Passavam a ser valorizadas: a Taça Jules Rimet (conquistada em definitivo pelo Brasil com o tricampeonato mundial de 1970), a sigla “CBF” e os ramos de café que ficaram ao pé da taça (segunda imagem deste artigo).

Assim foi feito e o Brasil jogou o Mundial de 1982 com um patrocínio dentro do seu próprio escudo (foto acima de Falcão contra a Itália, em 5 de Julho de 1982)! Inacreditável. E exótico.

Tempos depois o IBC retirou o patrocínio à CBF, que entraria em nova polémica com patrocínio durante outro mundial de futebol, mas o de 1990. Tema para outro artigo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter