26 Mai, 2018

Oliver e Benji: a nostalgia da infância

Rui MesquitaOutubro 28, 20178min1

Oliver e Benji: a nostalgia da infância

Rui MesquitaOutubro 28, 20178min1
A famosa série japonesa marcou uma geração em todo o mundo, deixando os apaixonados pelo futebol colados à televisão e a gritar golo com as personagens. Transmitida em Portugal em 1993 e, depois, em 2004, a série é a mais mediática no que a futebol diz respeito. Relembra-te connosco!

A história

A manga (a origem da série) surgiu como forma de elevar o futebol no Japão e criar uma cultura futebolística no país. O autor, Yoichi Takahashi, conseguiu, com o sucesso do seu trabalho, elevar o futebol a principal desporto no país e, com isso, levar o Mundial de 2002 a terras nipónicas.

A premissa é simples: um rapaz apaixonado por futebol e as suas aventuras até chegar à seleção principal do seu país. Mas a magia da série reside nessas aventuras e nas personagens que delas fazem parte (reveja aqui algumas dessas personagens). Da força imparável de Mark Lenders às defesas acrobáticas de Ed Warner, todos nos lembramos de episódios e lances épicos.

Mas voltemos à história e à sua personagem principal: Oliver Tsubasa. Oliver, juntamente com Benji e Tobi Misaki vencem o campeonato nacional de jovens. Para o fazer vencem as melhores equipas e os melhores jogadores do país em batalhas intermináveis. Nesta caminhada gloriosa Oliver enfrenta as dificuldades inerentes ao futebol. Lesões, a desvantagem no marcador, a armadilha do fora-de-jogo, etc.. E a cada obstáculo vemos Tsubasa ficar mais forte e capaz, evoluindo.

Por isso, a série desde o início criou uma empatia total com os seus seguidores… quem é que não se imaginava um perfeito Oliver? E quantos não se sentiram “influenciados” por Benji para arriscar ir à baliza e tentar fazer aquelas defesas impressionantes? A série estava cheia de momentos únicos que criavam aquela reacção especial de ficarmos arrepiados.

Relembrem connosco alguns dos episódios da série, dos seus “realismos” e do impacto que teve na comunidade do Desporto-Rei.

O futuro e o fim

Avançando na série (até porque Oliver ganhou por 4 vezes o torneio de jovens), chegou a altura dos heróis se aventurarem no estrangeiro. Mas nem todos saíram do Japão. Na verdade, apenas quatro o fizeram.

Tobi foi o primeiro, fruto das viagens do pai. O parceiro de Oliver acabou por jogar em vários clubes em França. Seguiu-se Benji rumo à Alemanha para jogar no Grunwald (mais conhecido por… Hamburgo). Por influência do seu mentor Roberto, Oliver viaja até ao Brasil para representar o FC Brancos (São Paulo) antes de se transferir para o Catalunha (FC Barcelona). Por último, também Mark Lenders entrou na Europa, para os italianos do Piemonte (Juventus).

Mark Lenders foi rival de Oliver mas também um grande amigo (Foto: Captain Tsubasa Wiki)

Os craques da série fizeram o percurso que muitos jovens ambicionam, chegando a grandes clubes europeus e brilhando na sua seleção. Um exemplo que mantinha crianças e jovens vidrados no ecrã.

As dificuldades e a sua magia

As aventuras de Oliver e Benji não ficam por aqui, pois tanto na Europa como a jogar pelo Japão, há outros episódios que ficaram para sempre na memória dos fiéis seguidores da série.

Veja-se, por exemplo, quando Mark Lenders e mais uns quantos entram em “rota de colisão” com o novo seleccionador japonês. Abre-se o primeiro de vários duelos entre Mark e Ryoma Hino, com Mark a perder perante o potente remate do “Tigre” de Hino para além da capacidade de marcar golos do jovem avançado que pouco ou nada se sabe quem é.

Enquanto que Oliver está no Brasil a ganhar uma reputação imensa, levando bancadas a delirar com o seu jeito especial para o Desporto Rei, Mark é posto de lado e forçado a fazer uma introspecção de carreira… uma introspecção que o levará a “rachar” árvores… literalmente!

E é aí que entra a magia do universo de Oliver e Benji… Mark regressa aos treinos do Japão sub-20, arma um duelo contra Hino e, de forma incrível, ganha com um novo remate… o Remate do Dragão! Mas, como sempre mandam as boas regras das grandes séries, Oliver e Benji reserva um papel importante para Hino no futuro, uma vez que o avançado acaba por ir parar à Argentina (a jogar pelo River Plate) e a internacionalizar-se pelo Uruguai… um autêntico Luis Suárez, não?

Também Oliver enfrenta sérias dificuldades na sua carreira. Na chegada a Barcelona, o craque depara-se com um cenário improvável: jogar na equipa B para provar o seu valor. Tsubasa não baixa os braços perante este revés e prova a todos os responsáveis na Catalunha que merece um lugar na equipa principal, apontando 12 golos e 11 assistências nos primeiros 3 jogos na equipa B.

Dois exemplos de perseverança e força de vontade a seguir!

O impacto

Que “Oliver e Benji” marcou uma geração é certo e sabido. Mas porquê? A resposta é, também ela, simples. O futebol é o desporto-rei e os heróis da série mostravam aquilo com que todos ambicionávamos: jogar futebol e jogar futebol. Todos já sonhamos rematar uma bola que furasse uma onda, marcar um golo de pontapé de bicicleta ou correr todo o campo e decidir uma final a favor da nossa equipa. Foi isso que tornou a série tão especial.

Para além desse sonho, Oliver incutia nas crianças e jovens valores essenciais: o trabalho árduo, a humildade, o companheirismo e a perseverança. Tudo isto aliado a momentos de entretenimento únicos como o recriado no vídeo abaixo para o Gazzetta dello Sport.

A série conseguiu ganhar adeptos em todo o Mundo, sendo transmitida em mais de trinta países, com destaques para as nações que partilhavam o espanhol como língua comum (Super Campeones), Brasil (Oliver e Benji), Inglaterra e Estados Unidos da América (Captain Tsubasa), entre outros. A manga (para os que desconhecem este termo, Manga são comics criados no Japão e que possuem um estilo próprio de desenho e imagem) original começou no ano de 1981 e chegou até aos dias de hoje.

Na actual Manga, Oliver continua a liderar os seus companheiros no caminho para os Jogos Olímpicos em Espanha. Podem consultar a nova Manga em: Oliver y Benji: Rising Sun.

Os 23 convocados para o apuramento para os Jogos Olímpicos (Foto: Shonnen Jump)

O eco da série

Como dizíamos, a série foi muito mais que um simples desenho-animado que dava na televisão para entreter jovens apaixonados do futebol mundial, a série foi uma forma de trazer a mensagem do Fairplay, desportivismo e dedicação a todos os que apreciam o Desporto-Rei. E veja-se que as rivalidades de Oliver não passavam disso mesmo… rivalidades, que após o apito final eram sanadas com um aperto de mão e umas palavras de motivação ao adversário. Se até Mark Lenders (ou Hyuga para os que seguiram a série em outra língua) cedeu perante a classe e amizade de Oliver, qualquer um o pode fazer.

Se o objetivo de elevar o futebol no Japão culminou com a organização do Mundial, o eco no resto do mundo foi, também ele, imenso. Toda uma geração cresceu a amar futebol graças aos jogos e golos de Oliver. No meio dessa geração encontramos um dos craques do futebol mundial: Fernando Torres. Neste artigo vemos como a série japonesa levou o jogador espanhol a ser futebolista e a querer ser sempre melhor.

Um craque que Oliver converteu ao futebol (Foto: Famous People)

Uma série memorável com o seu campo inacabável, os seus jogos que duravam 10 episódios ou as refleções dos craques a meio de um pontapé de bicicleta. No que a desenhos animados diz respeito, separar futebol de Oliver e Benji é absolutamente impossível!

Fica, abaixo, o primeiro episódio (dobrado em português) a partir do qual poderão, se quiserem, rever todos os episódios desta magnífica série.


One comment

  • Miguel Simões

    Outubro 29, 2017 at 12:14 pm

    Ohzora Tsubasa 1993
    #Nankatsu

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter