O Diário do Estagiário 9# O Fim de um Ciclo!

João NegreiraJunho 25, 20214min0

O Diário do Estagiário 9# O Fim de um Ciclo!

João NegreiraJunho 25, 20214min0
A temporada terminou e o nosso treinador estagiário faz um rescaldo daquilo que foi a sua época e o seu processo de estágio.

Esta é uma rubrica onde um treinador estagiário partilha a sua experiência. Num contexto de aprendizagem, onde irá ser confrontado com as diferenças teóricas e práticas (desde as palestras, estudos e treinos), vai procurar compartilhar com os leitores todas as suas vivências.

Este é o último episódio desta série de artigos, tendo em conta o término da atual temporada. Apesar deste ser o episódio 9#, escrevi em boa verdade 10 artigos, ao ter começado com o artigo 0#. Foi uma viagem que me deu um gozo enorme, não só o estágio em si, mas como todos os meses vir aqui partilhar algumas das minhas experiências e reflexões.

Ora, terminada a temporada, é altura de vos falar sobre como terminou a competição e de fazer uma última reflexão sobre o meu processo de estágio.

No que se refere à competição, como já vos falei noutros artigos, a equipa B Feminina do SCU Torreense está integrada na III Divisão Feminina e com a reformulação competitiva que a FPF realizou, passámos a disputar a subida de divisão por eliminatórias. Depois de eliminar o GD Vidreiros na 1ª eliminatória, chegámos à 2ª, onde defrontámos o Racing Power FC. Esta era a partida decisiva para subirmos à II Divisão Feminina, onde perdemos por 2-0, em que os golos só apareceram nos descontos.

Pessoalmente, foi algo que foi duro. Foi um jogo muito emocional, contra um adversário que, teoricamente, era muito superior a nós (pela primeira vez na temporada tivemos este tipo de desafio pela frente) e tivemos que ter uma abordagem tática diferente à que costumamos ter. Motivámos muito as jogadoras, onde claramente colocámos toda a pressão na equipa adversária, mas demos confiança e fizemos acreditar que seríamos capazes, mesmo com todas as adversidades. O jogo em si, esteve empatado durante praticamente toda a partida, em que elas tiveram muito mais bola, mas nunca conseguiram criar lances de perigo. No final, a vitória sorriu-lhes com 2 golos ao cair do pano. Foi duro. Perder assim é duro e difícil de digerir.

Passando para uma reflexão geral sobre o meu estágio, considero que foi muito positivo, pelos vários contextos onde estive envolvido e pelas várias funções e tarefas que desempenhei que me permitiram evoluir e aprender de diversas maneiras. Seja como treinador adjunto, onde tinha menos intervenção, seja como treinador principal, onde tive mais intervenção e mais responsabilidade. Acima de tudo, a reflexão que faço é de gratidão por poder ter tido essa oportunidade, no sentido em que só a ter essa oportunidade e a experienciar esses momentos na prática é que posso evoluir e aprender mais, seja com o que faço de bem, ou mesmo com os erros que vou cometendo e que vou refletindo sobre.

Para além disso, destaco ainda do meu estágio as várias tarefas extra que fui desenvolvendo. Seja as análises que realizei durante o confinamento, tanto análises individuais em treino que me permitiram ter um outro olhar sobre a importância da análise individual; seja sobre a monitorização do treino que realizei durante o confinamento, que me permitiram ter a minha primeira experiência com as ferramentas de avaliação e controlo do treino; seja sobre a monitorização do treino que voltei a realizar no regresso dos treinos presenciais que me permitiram refletir sobre os dados que ia recebendo e tentando comparar com aquilo que tinha aprendido no meu processo académico. Todas estas tarefas foram desenvolvidas por iniciativa própria e sempre com o objetivo de me enriquecer a mim próprio com conhecimento e aprendizagem. Pois acredito que é através da experimentação (e até do próprio erro) que podemos evoluir; considero que não devemos ficar parados à espera que as coisas venham até nós e então tentei trabalhar nesse sentido, de me diferenciar para aproveitar ao máximo o estágio de modo a aprender e desenvolver o máximo de competências.

Terminando este período, estou confiante que sou hoje muito melhor treinador que era no início desta temporada. Com muito mais conhecimento e com mais competências, mas acima de tudo com a certeza de que ainda tenho muito mais para aprender, e de que nunca irei parar de tentar aprender sempre mais


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter