Poker, Klinsmann e SL Benfica: um conto de terror na Taça UEFA


Poker, Klinsmann e SL Benfica: um conto de terror na Taça UEFA

Em 1995 o SL Benfica viajou também até à Alemanha para defrontar o super-poderoso Bayern de Munique. À mercê dos pés Jürgen Klinsmann nasceu uma goleada. Conheces a história?

KLINSMANN, O VERDADEIRO KAIZER DA ALEMANHA

Na fria noite de 21 de Novembro de 1995, o Benfica enfrentou o Bayern Munique que tentava recuperar a glória europeia dos anos 70. Na formação da Baviera estavam jogadores como Klinsmann, Ziege, Scholl, Babbel, Helmer e Strunz que foram a base da vitória da Alemanha no Euro 96, a estes nomes juntamos Lothar Matthäus. Na turma encarnada destacavam-se Preud’homme, João Pinto e Valdo, antigo internacional pela canarinha.

No início da segunda parte a equipa de Otto-Heinz Rehhagel já tinha uma vantagem de 4-1, todos os golos foram da autoria de Jürgen Klinsmann. Esta foi uma verdadeira noite de pesadelo para o Benfica e para o guardião Michel Preud’homme. Dimas ainda marcou o golo da igualdade a um golo mas só existiu um nome para descrever esta eliminatória: Klinsmann.

20 mil adeptos compareceram no Estádio da Luz para a segunda mão da terceira eliminatória da Taça da UEFA, o Benfica cedo se adiantou no marcador com um golo do centro campista Valdo, mas a noite voltou a ser do avançado alemão, dois golos em cada parte e o golo do austríaco Andi Herzog selaram a vitória do Bayern Munique por 3-1.

O Benfica não foi a única vítima deste super Bayern que estava empenhado em voltar a vencer títulos internacionais. Já não vencia uma prova da UEFA desde 1975-76, na década de oitenta perdeu duas finais da Taça dos Campeões Europeus, a primeira contra o Aston Villa (1982) e a segunda para o FC Porto (1987).  O bi-campeão europeu, Nottingham Forest, foi também uma das vítimas. Nos quartos final no City Ground, foi vencido por 1-5 com dois golos da autoria Klinsmann. Meses mais tarde este mesmo City Ground em Nottingham foi local de festa para a seleção portuguesa, venceu a Turquia e a Croácia no Euro 96.

Atualmente parece uma final da Liga dos Campeões, mas esta foi a meia final da Taça UEFA 1995-96. Bávaros e catalães lutaram por um lugar na final da competição. Rehhagel levou a melhor sobre Johan Cruyff e venceu no Camp Nou por 2-1, no primeiro jogo em Munique, o encontrou terminou com um empate a dois golos.

Na final a duas mãos, o Bayern enfrentou o Bordéus, a primeira equipa e única equipa a chegar a final da Taça UEFA vinda da Intertoto. Nos quartos de final a equipa francesa que tinha jogadores como Zidane, Dugarry, Lizarazu e Witschge eliminou o AC Milan de Roberto Baggio com uma vitória por 3-0 no Stade Chaban-Delmas e anulou a desvantagem de dois golos que trazia de San Siro. O Bayern tornou fácil o que parecia complicado e quebrou o jejum de 20 anos sem vitórias a nível europeu, com vitórias em ambos os jogos (2-0 e 1-3). Klinsmann voltou a marcar na final juntamente com o avançado Emil Kostadinov que anteriormente havia jogado no FC Porto.

No tota Klinsmann marcou 15 golos na edição da Taça UEFA 1995-96, recorde que só foi ultrapassado por Falcao na temporada 2010-11, o avançado colombiano marcou 17 golos na competição incluindo o golo da vitória em Dublin contra o Sporting de Braga.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter