Stranger Rules: Todos os jogos começam 0-0, ou será que não?

Rui MesquitaJulho 27, 20195min0

Stranger Rules: Todos os jogos começam 0-0, ou será que não?

Rui MesquitaJulho 27, 20195min0
Todos os jogos começam 0-0. Isto é algo transversal a todos os desportos, certo? Nem sempre. Descobre aqui exemplo com uma regra estranha do mundo do desporto!

Como em Hawkings de Stranger Things, coisas e regras estranhas existem em todos os desportos e aqui vamos abordar as mais estranhas, confusas e surpreendentes de todas! Não percas nenhuma e diz-nos qual a mais estranha (o verdadeiro Demogorgon) de todas!


Esta é uma regra basilar de qualquer desporto: todos os jogos começam 0-0. Esta verdade é até usada como argumento para mostrar o quão justo e equilibrado o desporto é: “a equipa X é superior mas o jogo começa 0-0”. Isto é transversal a qualquer desporto que envolva pontos ou golos. E se vos dissessem que nem sempre foi assim? Que já houve, e bem recentemente, jogos que não começaram 0-0. Acreditariam?

Podem passar a acreditar. Na NCAA (liga de basquetebol universitário dos Estados Unidos) há uma regra que proíbe afundanços em “tempos mortos” antes e durante os jogos. O problema? O período de 20 minutos de aquecimento era, até 2015, considerado “tempo morto”. Assim, qualquer afundanço no aquecimento valia uma falta técnica à equipa infratora e, com isso, 2 lances livres para a equipa adversária.

O leitor aqui já terá percebido a problemática desta regra. Uma falta técnica no aquecimento permite que o jogo comece com um resultado diferente de 0-0. Mas de onde veio esta regra? Terão os responsáveis da NCAA considerado, a certa altura, que os afundanços eram perigosos? Não, afinal afundar durante o jogo sempre foi permitido.

A NCAA é um viveiro de regras confusas (Foto: Wikipédia)

Terá sido por uma razão de evitar atrasos já que afundanços podem danificar as tabelas e atrasar o início do jogo? Não, até porque afundanços sempre foram legais antes do período oficial de aquecimento (apenas eram ilegais nos 20 minutos antes do início da partida que contam como aquecimento oficial). Aliás, Willem Brandwijk partiu uma tabela a afundar antes do período mencionado e nenhuma falta foi atribuída à sua equipa.

Então o que levou à criação desta regra? Falta de desportivismo. A NCAA entendia que afundar durante o aquecimento mostrava falta de desportivismo por intimidar adversários.

Quando um jogo de basquetebol não começa 0-0

Mas esta regra estranha alguma vez foi um problema? Sim, houve efetivamente jogos na NCAA que não começaram 0-0 por causa desta lei.

No NCAA Tournament de 2014, em plena March Madness (os playoffs da NCAA), Brian Rohleder da Universidade de Kansas State fez um afundanço 2 segundos dentro do tempo oficial de aquecimento. O relógio marcava 19:58 em contagem decrescente dos 20 minutos legais e Brian afundou, levando com uma falta técnica. Os seus adversários, Kentucky, conseguiram marcar apenas 1 dos lances livres e, por isso, o jogo começou com 1-0 a favor de Kentucky.

Nestes jogos a eliminar, 1 ponto pode fazer toda a diferença, mas não foi o caso. No final Kentucky venceu o jogo por 7 pontos de diferenças e, por isso, o ponto inicial acabou por não fazer grande diferença.

O mesmo não pode ser dito de um jogo da época seguinte, na fase regular da NCAA. A Universidade de North Florida cometeu o mesmo erro e afundou durante o período de aquecimento. Como resultado da falta técnica, Tennessee Tech (os adversários) marcou os dois lances livres e o jogo iniciou-se 2-0. No final, Tennessee Tech venceu o jogo por… 2 pontos. Com o número de pontos e jogadas que um jogo de basquete tem, não podemos dizer que, sem esses dois pontos iniciais, North Florida levaria o jogo para prolongamento ou que o ganharia, mas o que é certo é que matematicamente esta regra estranha teve um grande impacto no jogo.

E finalmente a regra mudou

Com este jogo, a NCAA percebeu que, não só a regra não fazia sentido, como esta podia influenciar jogos. Assim, nessa mesma época, a regra foi mudada e passou a ser permitido afundar no período de aquecimento. Acaba por fazer sentido os jogadores poderem fazer no aquecimento algo que podem e vão fazer durante o jogo.

Este espetáculo passou a ser possível no aquecimento da NCAA (Foto: Sports Illustrated)

A liga universitária de basquetebol dos Estados Unidos gosta de marcar pela diferença, impondo regras diferentes da NBA e esta era uma delas. Algumas das diferenças fazem todo o sentido, outras são insignificantes e outras (como esta) não têm (tinham) qualquer lógica.

Agora os jogadores podem aquecer sem limitações e, claro, começar a dar um bocadinho de espetáculo antes mesmo da partida começar. Para além disso, a justiça é mantida com os jogos a começarem, invariavelmente, 0-0.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter