10 coisas que precisas de saber sobre os Jogos Olímpicos de Inverno

João BastosFevereiro 6, 20187min0

10 coisas que precisas de saber sobre os Jogos Olímpicos de Inverno

João BastosFevereiro 6, 20187min0
PyeongChang acolhe os Jogos Olímpicos de Inverno a partir da próxima 6ª feira até dia 25 de Fevereiro. Acompanha tudo no Eurosport

Os Jogos da XXIII Olimpíada de Inverno começam no próximo dia 9 de Fevereiro na cidade sul-coreana de PyeongChang. O Fair Play elenca 10 aspectos essenciais para acompanhares a competição


De 9 a 25 de Fevereiro o maior evento planetário dos desportos de Inverno terá lugar na Coreia do Sul. Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 assumem já uma enorme relevância política pelo facto das duas Coreias competirem sob a égide da mesma bandeira. Por isso, estes são já conhecidos como os “Jogos da Paz”, acreditando a comunidade internacional que pode ser o ponto de partida para o diálogo sobre a reunificação dos dois países desavindos há quase 70 anos.

Mas no campo desportivo há outros pontos de interesse para acompanhar nestes Jogos Olímpicos. Enumeramos-te dez:

1. 15 desportos

Como é normal, em cada edição dos Jogos Olímpicos o primeiro recorde a ser batido é o do número de modalidades e/ou eventos em disputa. Os Jogos coreanos não são excepção e apresentam um programa composto por 102 eventos medalháveis em 15 desportos diferentes. As modalidades são:

  • Esqui Alpino;
  • Biatlo;
  • Bobsleigh;
  • Esqui de Fundo;
  • Curling;
  • Patinagem Artística;
  • Esqui Freestyle;
  • Hóquei no Gelo;
  • Luge;
  • Combinado Nórdico;
  • Patinagem de Velocidade em Pista Curta;
  • Skeleton;
  • Saltos de Esqui;
  • Snowboard;
  • Patinagem de Velocidade

2. As estreias

Estes Jogos Olímpicos apadrinham a estreia de quatro novos eventos medalháveis, sendo a primeira edição onde há mais de uma centena de eventos em competição.

Os quatro novos eventos são:

  • Big Air (snowboard);
  • Pares Mistos (curling);
  • Partida em Massa (patinagem de velocidade);
  • Equipas Mistas (Esqui Alpino)
Foto: AFP PHOTO/JONATHAN NACKSTRAND

3. As mascotes

Como não podia deixar de ser, os Jogos têm um rosto, no caso, dois rostos. O do Tigre Branco Sooharang e o do Urso Negro Asiático Bandabi. Sooharang é a mascote dos Jogos Olímpicos e Bandabi é a mascote dos Paralímpicos.

São eles que ficarão imortalmente associados aos Jogos de PyeongChang e corporizarão o espírito olímpico.

Foto: Sportschau

4. As medalhas

Apesar dos Jogos Olímpicos de Inverno já contarem com 22 edições, esta é a primeira que se disputa na Ásia, fora do Japão (curiosamente daqui a quatro anos voltam à Ásia e, de novo, fora do Japão), por isso a organização quis dar uma forte identidade sul-coreana ao evento.

Isso passa também – e sobretudo – pelas medalhas, que terão um design inspirado no alfabeto sul-coreano Hangeul.

Foto: Olympic.org

5. As estrelas

Dos mais consagrados aos que procuram em PyeongChang a consagração, não faltarão nomes a seguir com atenção. No biatlo, o francês Martin Fourcade já conta com dois ouros olímpicos no palmarés e aparece em boa condição de continuar a coleccionar medalhas, no esqui alpino, o austríaco Marcel Hirscher está em grande forma esta época e vem à procura do seu primeiro ouro olímpico. Aos 17 anos, a snowboarder Chloe Kim é apontada como o nome a despontar nesta edição dos Jogos Olímpicos e a russa Evgenia Medvedeva, imbatível há dois anos, é a grande favorita no concurso de patinagem artística.

Estas são apenas quatro estrelas da enorme constelação que durante três semanas competirá em PyeongChang.

Foto: Inside the games

6. A mais nova e a mais velha

Citius, altius, fortius…novum e veteris. Os Jogos Olímpicos são também – e cada vez mais – um encontro de gerações.

A competir nos palcos sul-coreanos vai estar a chinesa Wu Meng, esquiadora freestyle, nascida em 2 de Outubro de 2002, ou seja, com apenas 15 anos.

Na modalidade de curling vai competir a veterana canadiana Cheryl Bernard que, quando Meng nasceu, já tinha contado 36 voltas ao sol. Equivale a dizer que tem agora 51 anos. Nasceu em 30 de Junho de 1966.

Foto: From the hack

7. Os portugueses

Arthur Hanse e Kequyen Lam não são nomes tradicionalmente portugueses, mas são os nomes dos dois atletas que vão defender as cores lusitanas em PyeongChang.

Arthur repete a presença de há 4 anos em Sochi. Tem 24 anos e vive em França. Vai participar na modalidade de esqui alpino.

Kequyen é macaense de nascimento e residente no Canadá, tem 38 anos e começou a carreira como snowboarder mas passou a praticar esqui de fundo.

8. 10 mil milhões de dólares

Foi quando custou aos sul-coreanos organizar estes Jogos Olímpicos. Parece um valor exorbitante mas que representa apenas 1/5 do orçamento dos Jogos Olímpicos de Socchi em 2014, os Jogos Olímpicos de Inverno mais caros de sempre.

9. Noruega, a rainha do medalheiro

Não é surpreendente que a Noruega seja uma potência dos desportos de Inverno, ainda assim, para um país de 5 milhões de habitantes é um feito liderar o ranking da soma de todas as medalhas conquistadas em Jogos Olímpicos de Inverno.

Os vikings seguem no primeiro lugar com um total de 329 medalhas, 118 de ouro, superando os Estados Unidos com 282 medalhas, 96 de ouro e a Alemanha que já ganhou 209 medalhas, 78 delas de ouro.

Na última edição, e a jogar em casa, a Rússia venceu o medalheiro, apesar de empatado com a Noruega no número de ouros (11).

Como nota de curiosidade, apenas três países venceram mais medalhas em Jogos Olímpicos de Inverno do que de Verão: Noruega, Áustria e Liechtenstein.

10. 4000 horas de transmissão no Eurosport

Os espectadores Eurosport vão poder desfrutar de uma cobertura exaustiva da competição nos canais de televisão do Eurosport, nas plataformas digitais, na aplicação Eurosport e no site www.eurosport.com/olympics. Vão ter à disposição mais de 4000 horas de cobertura, de mais de 100 eventos, das quais 900 horas vão ser em directo, em 48 países e territórios.

Para PyeongChang 2018, o Eurosport conta com mais de 150 especialistas, dos quais 58 são antigos atletas, que somam um total combinado de 75 medalhas em diferentes edições de Jogos Olímpicos. Reúnem-se para oferecer a melhor análise a um público mais vasto e num número cada vez maior de ecrãs.

Para os espectadores que querem tudo!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter