O Diário do Atleta de Simão Van Zeller em terras de Sua Majestade

Fair PlayOutubro 2, 20184min0

O Diário do Atleta de Simão Van Zeller em terras de Sua Majestade

Fair PlayOutubro 2, 20184min0
O internacional sub-20 português já está de novo em Inglaterra e conta-nos a sua experiência tanto a nível profissional como desportivo no rugby!

Queria desde já agradecer ao Francisco Isaac e ao FairPlay pelo desafio! Um forte abraço e espero que gostem.

Ao fim de um ano em Inglaterra, de adaptação, tanto academicamente como em termos desportivos, estou de volta a Coventry para mais uma época. Vim para Coventry com o objetivo de tirar o curso de gestão do desporto, no qual começo agora o segundo ano. Mas como não podia deixar de ser, vim também para jogar rugby.

A época passada, foi uma época que não começou da melhor maneira, tinha acabado de recuperar de uma lesão no ombro e estava ainda a perceber o meu lugar na equipa universitária e qual o nível da liga onde estava inserido. Estávamos na 3a divisão de universidades, a competir com equipas como as de Warwick ou Birmingham.

Um nível, diria eu, mediano. Depois de um primeiro jogo, voltei a magoar-me e fiquei de fora mais 2 meses. Recuperei ainda a tempo de fechar a primeira volta do campeonato, e aí já mais confiante acabei por ganhar o lugar a titular a 10 (posição adaptada, porque prefiro jogar a 15). A meio da época universitária mais ou menos, fui convidado pelo treinador, na altura ainda nosso treinador da universidade, para jogar num clube da National 3: Nuneaton RFC.

Comecei por jogar na segunda equipa e por aí fiquei porque a época já ia no fim e não houve tempo para subir.

Acabei a época sem me estrear na primeira equipa, porque acabei por ser convocado para os treinos da seleção de sub20 e consequentemente para o campeonato da Europa. Fiquei por Portugal e ainda fui jogar o torneio nacional de 7’s que acabou com uma micro rotura na coxa, e foi mais um mês de fisioterapia.  Começaram os treinos para o mundial, onde continuava a 10 e acabei por não ser convocado.

Volto agora para Inglaterra, com a cabeça focada em melhorar o meu jogo e voltar para a posição 15. Comecei a treinar com o Nuneaton outra vez, mas desta vez mais a sério, visto que o rugby universitário não está numa liga que seja muito desafiante. Em termos de “University rugby” a equipa técnica mudou, para melhor penso eu. É um treinador que já trabalho com a academia dos Wasps e vem impor alguma disciplina ao clube. Com ele vieram mais 3 treinadores, para uma segunda equipa também que se está a formar. Estes primeiros treinos tem sido mais físico, e muito situações de jogo, para se perceber quem fica na equipa “A”.

No Nuneaton a época do clube já começou e estou agora ambientar-me ao ritmo da primeira equipa. Tenho rodado as posições de 15 e 10. O meu primeiro jogo foi no dia 29, pela segunda equipa, a jogar a abertura, contra a segunda equipa também de Newport. Perdemos 46-22 em casa deles, talvez a equipa mais forte do campeonato “b”, marquei 10 pontos e estou contente com o que fiz dentro de campo. Mais um jogo duro e muito físico.

O meu principal objetivo este ano, é ganhar o lugar no XV titular do Nuneaton e manter boas exibições no rugby universitário. Felizmente o treinador está atento aos meus treinos e jogos, que já me comunicou que tenho a oportunidade de ir jogar um jogo da taça, no fim de semana de 14 de outubro. Fiquei muito contente quando vieram falar comigo, e disseram que eu estava nas contas para jogar a 15 pela primeira equipa. Apesar de ainda não ser um nível de topo, já começo a ganhar mais visibilidade.

Também tenho os olhos postos na seleção, para este ano ser mais uma dor de cabeça nas decisões de Luís Pissarra e António Aguilar no que toca a convocatórias. Treino todos os dias da semana e vou conciliando o ginásio com os meus horários de aulas. Este não vai ser um ano fácil, mas é um desafio para o qual estou muito entusiasmado!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter