Caderneta dos Cromos e pormenores do único Superclásico

Pedro PereiraNovembro 27, 20183min0

Caderneta dos Cromos e pormenores do único Superclásico

Pedro PereiraNovembro 27, 20183min0
El Superclásico, jogo que opõe Boca Juniors e River Plate frente-a-frente preenche mais uma página da nossa Caderneta! Sabes porque se chamam os Milionários no River por exemplo?

A última página da Caderneta dos Cromos dedicado ao Superclásico. Histórias dos Milionários, da Bombonera e de uma rivalidade que atirou grandes estrelas para um dos maiores palcos de sempre do futebol argentino.

MILIONÁRIOS, UMA ALCUNHA PARA SEMPRE DO RIVER PLATE

No início do século XX, o futebol efervescia nas ruas da Argentina  e cada vez eram mais os grupos bairristas que se organizavam para criar a sua própria comitiva e agremiação desportiva. O River Plate (1901) nasceu quatro anos antes do Boca Juniors (1905) e ambos nasceram no mesmo bairro de Buenos Aires, o La Boca. O River Plate, como primeiro clube do bairro, teve a oportunidade de adoptar o nome das suas raízes e não o quis. Ainda no século 19, muitos escoceses foram viver para Buenos Aires e levavam com eles os seus pertences.

Acontece que muitos produtos escoceses foram levados durante muitos anos para a Argentina, atracando no porto de Buenos Aires. Pedro Martinez, um dos fundadores do clube, na altura à procura de um nome para o seu clube, viu nas caixas escocesas as palavras “River Plate”. Assim ele escolheu o nome para o seu clube.  Era fancy, glamurouso, internacional. A partir daí o River escolheu o seu destino: ser o clube elitista de Buenos Aires, dos burgueses e requintados. São de Boca, bairro pobre, mas são os milionários. Sim, eles são apelidados de “Los Millionarios”.

Foram o primeiro clube da história do futebol mundial a investir forte em reforços. Hoje em dia estamos habituados a um núcleo de clubes que não olha a gastos para reforçar a sua equipa, mas naquela altura (falamos da década de 20 e 30), era algo inexistente. Em 1931, o River Plate decide investir 10 mil pesos (2 mil dólares naquele tempo) em Carlos Barullo.

Ficou em quarto lugar. No ano seguinte contratou Berbabé Ferreyra por 35 mil pesos. A onda de contratações de Galácticos da altura continuou e o clube investiou 105 mil pesos em 3 anos. Muita fruta. Estava escrito o DNA do clube mais requintado do futebol argentino.

A BOMBONERA CASA DE GLÓRIA, HONRAS E… DE MORTOS?

Boca Juniors preferiu estabelecer o seu estádio no meio do bairro La Boca. Mesmo que isso implique enfiar um estádio de 49.000 lugares no meio dos prédios do bairro. A arquitectónica é fascinante, as cores do estádio hipnotizantes e tudo isto num bairro que respira futebol.

A linha do comboio passa ao lado das suas portas, o boteco do Sr. Zé lá do sítio está mesmo ali e a casa de grandes craques que se revelaram naquele clube também estão a poucos quarteirões. Se o estádio por si só já impressiona, imagino com ele cheio, com os xeneizes a cantar e saltar durante 90 minutos (ou o tempo que a equipa lhes pedir), com uns quantos alucinados a escalar a rede que divide o campo da bancada. Ah e claro… imagino o estádio com Maradona a gritar na tribuna, em sintonia com os seus.

Imagino uma autêntica loucura. Mas nunca a minha imaginação chegará perto da real paixão daqueles adeptos. Numa certa altura, os tratadores de relva do clube começaram a reparar que a relva estava a morrer com muita facilidade, indecentemente do corte ou da quantidade de água.

O motivo é surreal: os adeptos depositavam cinzas no relvado. Cinzas de falecidos que tinham como ultimo desejo, terem o seu corpo na Bombonera. Chegou a um ponto crítico de tantas cinzas no relvado que simplesmente  o tapete do relvado já não se conseguia regenerar. Tiveram que trocar de relvado. Mais: para que a situação não se voltasse a repetir, criaram um cemitério oficial do Boca Juniors ao lado do estádio para que os adeptos que quisessem descansar eternamente perto do seu Boca, tivessem essa possibilidade. De loucos, não é?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter