Boca Juniors vs River Plate: El Superclásico com tons de disputa bairral


Boca Juniors vs River Plate: El Superclásico com tons de disputa bairral

A rivalidade eterna entre Boca Juniors e River Plate proporcionou sempre jogos... mas quando realmente começou? Uma viagem ao passado do Superclásico argentino

BEM-VINDOS AO BAIRRO DE LA BOCA

As origens de ambos os clubes remontam ao bairro de “La Boca”, uma zona portuária da cidade de Buenos Aires. O River Plate fundado no ano de 1901 e o eterno rival, o Boca Juniors, foi fundado quatro anos mais tarde, em 1905. Mais tarde, o River acabou por abandonar o bairro proletário para se basear num zona da cidade muito mais abastada, o bairro de Belgrano em 1938.

O primeiro jogo oficial entre os dois maiores clubes da Argentina, aconteceu no dia 24 de Agosto de 1913, terminou com a vitória dos “Los Millonarios” por 2-1. Uma multidão deslocou-se até ao estádio do Racing (o Boca Juniors tinha ficado sem estádio no ano anterior) para assistir à partida entre River e Boca, apesar de se o primeiro jogo oficial entre os dois clubes, esta rivalidade já estava cimentada divida aos jogos amigáveis que fizeram entre si.

O jogo estava marcado inicialmente para ás 14h30 mas acabou por ser atrasado uma hora porque o arbitro designado para apitar a partida não apareceu, então foi substituído pelo irlandês e professor de educação física, Paddy McCarthy.

O River cedo se adiantou no marcador com um golo com a cabeça de Cândido Garcia, o Boca tentou chegar ao tento da igualdade mas não conseguiu, e no início do segundo tempo o River voltou a marcar golo, desta feita, golo de Ameal Pereyra. Já perto do final da partida já com o Boca Juniors a jogar com dez jogadores devido a lesão de Juan Garibaldi, conseguiu marcar e fazer o resultado final de 2-1, o golo final foi da autoria de Marcos Mayer.

Foto: Arquivo do autor

Mas como estamos a falar de um jogo entre o River Plate e o Boca Juniors, obviamente que a coisa não acaba aqui, antes do apito final vieram os episódios de pugilismo entre os jogadores, estes episódios foram relatos no diário argentino, o “La Mañana” (1911-1919). Ameal Pereyra autor do primeiro golo do River foi um dos que se envolveu em confrontos físicos com os jogadores rivais e desistiu de jogar e jogo terminou com ambos os conjuntos reduzidos a dez jogadores.

O Boca Juniors acabou por ter não ter a oportunidade de se vingar da derrota “caseira” contra o River na temporada de 1913, uma vez que as equipas não jogaram todas duas vezes entre si, muito pela razão que o Campeonato da Argentina aumentou de seis equipas para 15 equipas nesta mesma temporada, entre os estreantes estava o Boca Juniors.

Apesar de estar acordado as equipas jogarem entre si dois jogos, acabou por ser alterado ao final da primeira ronda, os 11 primeiros classificados foram divididos em dois grupos, River e Boca ficaram em grupos separados e ambos ficaram em segundo do grupo. A final do Campeonato Argentino de 1913 foi disputada entre Racing e San Isidro, ambos de Buenos Aires, o Racing venceu a final por duas bolas a zero.

OS FILHOS DE AMBAS AS CASAS… POUCOS MAS BONS

São poucos os jogadores que jogaram em ambos os dois clubes, Cataldo Spilate foi o primeiro jogador a vestir os dois uniformes durante a carreira em 1933. Oscar Ruggeri, campeão do Mundo em 1986, trocou o Boca Juniors pelo River Plate em 1985 e descreveu a situação como bastante delicada e afirmou à imprensa anos mais tarde: “Não é fácil posso-te garantir, um lado olha para ti como traidor e outro lado nunca confia em ti”.

Diego Armando Maradona, o principal nome do futebol argentino, afirmou que nunca considerou jogar no River Plate enquanto jogava no Argentinos Juniros pela simples razão do Boca Juniors ser o clube do seu coração.

River e Boca vão se enfrentar pela primeira vez na final da Libertadores, mas já se enfrentaram na competição em 24 jogos, o saldo é favorável ao Boca Juniors com 10 vitórias, já o River venceu sete vezes e sete jogos terminaram com empate. O saldo de conquistas da prova também está do lado do Boca Juniores com seis conquistas contra três do River Plate, que está em 3º lugar de clubes argentinos com mais títulos na competição (em 2º está o Estudiantes).

Prontos para o Superclásico onde vão estar os “portugueses” Juan Quintero e Enzo Pérez versus o grande e espectacular Carlos “Carlitos” Tévez?

Foto: Media Archive

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter