A Batalha pelo logo “diferente” da Europa: Ilves Tampere vs Isloch Minskiy

Francisco IsaacSetembro 5, 20195min0

A Batalha pelo logo “diferente” da Europa: Ilves Tampere vs Isloch Minskiy

Francisco IsaacSetembro 5, 20195min0
Estão prontos para uma luta intemporal entre cães e gatos, ou melhor entre canideos e felinos? Então fiquem a conhecer um pouco do Ilves Tampere e o Isloch Minskiy e votem no vosso favorito!

Estão prontos para uma batalha que vai opor cores, criatividade, contraste, texturas e estilos? O Fair Play foi à procura de logos diferentes por toda a Europa e vai colocar 32 logótipos em competição até chegarem à final da competição! Procuramos não o logo mais “bonito” ou “feio”, mas aquele que cria um impacto especial no visualizador, lançando dúvidas, emoções e uma atracção inexplicável!

Todas as semanas avançamos com dois logótipos, explicando um pouco da história (se possível) do logo, do clube com um dado ou outro mais especial que ajude ao utilizador a tomar uma decisão no final do artigo!

Pronto? Para a primeira batalha de todas temos uma luta entre cães e gatos, ou melhor, entre felinos e canideos… vamos descobrir quem são?

ILVES TAMPERE – UM LINCE SOB O EFEITO DE LSD?

Bem-vindos até às eternas terras geladas da Finlândia, preenchido com vales inesgotáveis e densas florestas que resistem à força sobrenatural dos homens… terra onde alces, renas, ursos, lobo e linces habitam. No caso dos linces, uns vivem em estado natural e outros foram formatados ao estilo apaixonado de drogas psicadélicas fora de prazo. Como? Bem para perceber melhor basta olhar um pouco mais para baixo e ver o logótipo do Ilves Tampere… diferente, certo? Mas quem é esta equipa que tem a audácia de ter um logótipo e mascote tão… especial? O clube que falamos é da cidade de Tampere, localizada a norte da Finlândia e a 200 kms da capital, Helsínquia.

O FC Ilves Tampere da actualidade é “filho” de uma mistura e fusão de vários clubes da zona de Tampere, que aglutinou aos poucos os pequenos emblemas locais de modo a construir algo mais estruturado e desenvolvido… pelo meio ficaram emblemas como o Ilves-Kissat ou TaPa Tampere, que ao caírem na obscuridade militam nos dias de hoje nas divisões inferiores do futebol finlandês.

Contudo, mesmo com todas as fusões possíveis e inimagináveis, o FC Ilves não é o emblema mais conhecido da cidade, pois essa honra cai para a equipa de hóquei no gelo que existe desde os anos 30 do século XX, tendo tido sempre um lince como a sua mascote. Para entrar em harmonia o Ilves Tampere é hoje em dia a “marca” da cidade, estruturado em redor dos mesmos símbolos, músicas, apoio e logótipos.

O actual lince que parece estar sob o efeito de drogas pesadas ou que acabou de sair de um sono tumultuoso depois de uma noite inenarrável, surgiu em 1962 resistindo até 1993, altura em que entrou em cena uma reformulação de imagem no clube e foi introduzido um novo plano do lince, fazendo jus ao passado pré-LSD. Mas, e infelizmente nesta história o paciente não foi forte o suficiente consumando uma recaída em 1999, regressando ao passado e ao tal Lince num estado rocambolesco.

O logótipo ainda perdura neste momento e até pode se pode dar o luxo de saltar bem alto, uma vez que conquistaram a Taça da Finlândia no dia 15 de Junho de 2019, a terceira da história do FC Ilves nesta competição. É ou não um emblema completamente e absurdamente diferente do costume?

Foto: FC Ilves

ISLOCH MINSKIY RAION – OS LOBOS QUE PROMETEM ASSALTAR A BIELORRÚSSIA

Um caso de recente sucesso no futebol europeu, o Isloch Minskiy Raion só apareceu nas lides profissionais a partir do ano de 2013, depois de ter sido fundado em 2007… uma explosão total de um emblema que em 2015 subiu à primeira liga deste país do leste europeu. Aparentando não ter grande história, como é que se gerou este novo clube com sede na cidade de Minsk?

Em 2007 um grupo de conhecidos formou uma equipa amadora de futebol com a esperança só de jogar nas divisões inferiores, numa espécie de convívio de fim-de-semana com uns parcos treinos durante a semana… desse grupo de conhecidos, estava Vladimir Pinchuk, um empresário local com algum poder económico, que actuou durante três anos como ponta-de-lança destes lobos de Minsk. Passado pouco tempo, Pinchuk decidiu agraciar o emblema com um apoio financeiro minimamente sólido, o que permitiu ao Isloch Minsk Raion passar de amador para profissional num espaço de 5 anos.

Sem estádio “seu” para rolar a redonda, o FC Isloch joga no estádio do FC Minsk mas tem o sonho de ter um espaço próprio para passar dos 500 atletas actuais para mais de um milhar, numa linha de crescimento sustentável e sólida, um exemplo também vislumbrado na aposta do staff técnico: Vitali Zhukovski assumiu o clube em 2010 quando ainda estavam nas ligas amadoras mantendo-se até hoje como técnico-principal do emblema, numa relação que já vai para o seu 10º aniversário. Mas vamos ao que interessa… o logótipo do lobo com tons acinzentados e com um espírito algo bélico nasceu a partir do quê?

De acordo com uma entrevista prestada ao site Calcio Sovietico, o lobo tem a ver não só com o animal mas também com quatro antigos atletas da era amadora que partilhavam o apelido “Volkovi”, sendo que a palavra por aquelas paragens para designar lobo é “Volki” ou “Volk”. A somar a esta preciosidade, a direcção do clube quis prestar homenagem à fauna e flora da região de Minsk, onde o lobo é uma natural presença por essas paragens (podem ser legalmente caçados…) e facilitou ainda mais a escolha por este canideo como cara deste novo clube da Bielorrússia.

Bem… será que o lobo de Minsk merece a gratificação do vosso voto?

Foto: FC Isloch

ROUND 1 – ILVES TEMPERE VS ISLOCH MINSKIY



Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter