5 Veteranos que estão a surpreender a Europa

Fair PlayDezembro 23, 20186min0

5 Veteranos que estão a surpreender a Europa

Fair PlayDezembro 23, 20186min0
Os trintões no futebol estão cada vez melhores e escolhemos 5 desta temporada que têm sido uma surpresa nas suas ligas. Tens seguido algum destes veteranos?

O futebol está mais rápido, mais duro, mais técnico, mais físico e mais “tudo”… será que há espaço para os veteranos no Desporto-Rei? Escolhemos 5 “oldies” que estão a surpreender nas suas equipas e dois deles são portugueses!

ARJEN ROBBEN (BAYERN MUNICH)

Robben aparenta, com quase 35 anos, ser um homem raro. Um jogador que acumulou lesões como foi o caso do holandês, continua a surpreender devido à sua capacidade de ano apos anos fazer a diferença e desequilibrar.

Apesar de não se ter livrado nunca dos fantasmas das lesões (todas as épocas tem tido pelo menos uma lesão muscular), o facto é que o canhoto do Bayern mantém intactas as características que o tornaram num dos melhores extremos do mundo, e a sua já característica movimentação (aquela diagonal diabólica da direita para o meio) continua a deixar os defesas para trás e a trazer resultados para o veterano e para o Bayern de Nico Kovac.

A aceleração e capacidade de drible continuam intactas, tendo o holandês formado no Groningen apontado 5 golos, aos quais juntou duas assistências em 15 jogos em todas as competições, sendo fundamental devido aos problemas físicos de Kingsley Coman.

CHRISTIAN STUANI (FC GIRONA)

Aos 32 anos, não pára de subir de rendimento, tendo encontrado no Girona o contexto ideal para brilhar e conquistar o reconhecimento dos adeptos do jogo.

Na sua segunda época ao serviço da equipa da Catalunha, Cristhian Stuani continua a facturar prolificamente (leva já 32 golos em 48 jogos, um registo fantástico se tivermos em conta o contexto e os objectivos do clube) e a capturar a atenção daqueles que, há alguns anos, provavelmente nunca teriam sequer ouvido falar no seu nome, apesar dos mais de 350 jogos com que já conta na sua longa carreira.

Avançado móvel e combativo, disputa cada lance como se fosse o último. É um “matador” com faro de golo, e a sua movimentação nas zonas próximas da baliza adversária é uma das suas principais qualidades.

Apresenta um vasto leque de recursos na finalização e fá-lo utilizando ambos os pés com relativa semelhança em termos de eficiência. Para além disso, é uma ameaça constante no jogo aéreo, método muito utilizado pelos seus colegas para o servirem, através de cruzamentos ou bolas longas a partir da defesa.

Stuani é o protótipo de avançado que não está em campo para dar espectáculo (apesar de também o conseguir fazer) mas sim para ser eficaz e dar vitórias e pontos à sua equipa.

Com 11 golos em 15 jogos da actual edição da “La Liga”, precisa, em média, de apenas 110 minutos para criar danos efectivos nos seus adversários. Apesar da idade, é caso para dizer que Stuani é como o vinho do Porto: quanto mais envelhece, melhor fica.

JOSÉ HOLEBAS (WATFORD)

É a 4ª época do lateral-esquerdo na Premier League e está a ser de longe a melhor de sempre. Holebas, que chegou aos hornets em 2015 vindo da AS Roma, tem sido um dos motores da equipa este ano, lançando acções de ataque inteligentes, acompanhado de uma qualidade genial na leitura defensiva. Os números também não mentem: 15 jogos (falhou três encontros na Premier League), 3 golos e 4 assistências. Comparando com as outras três épocas anteriores: 77 jogos, 3 golos e 8 assistências.

A época tem sido boa para o clube “londrino” (não sendo em Londres, não deixa de estar associado à zona) com um 7º lugar a um jogo do final da 1ª volta e José Holebas tem sido uma dos líderes do Watford.

A forma como transmite confiança à faixa esquerda e a dureza com que enfrenta os adversários, elevam a equipa para outro patamar defensivo, abrindo-se boas acções de ataque, com Holebas a participar activamente nas acções ofensivas.

O lateral-esquerdo que vai celebrar 35 anos de idade em Junho, é um dos pormenores a ver do Watford pelos pormenores já acima descritos: velocidade, inteligência, assertividade de ataque, recuperador e um “pulmão” (ou dois) sempre activo a favor dos hornets. Dos veteranos em melhor forma na Premier Leaue.

JOSÉ FONTE (LILLE OSC)

O Lille ocupa neste momento o segundo lugar da tabela (à condição, fruto do jogo a menos do Lyon) e parece uma equipa completamente modificada quando comparada à equipa que se salvou da descida apenas no playoff.

Um dos jogadores que foi reforço da equipa é o português campeão europeu, José Fonte. Muitos achavam que o defesa central tinha os seus dias contados no futebol depois da quebra de rendimento que apresentou em 2017/2018, mas isso não impediu o Lille de contratar este enorme jogador que leva já 17 jogos na Ligue 1 e um golo marcado e é um dos patrões de uma das melhores defesas da liga.

A primeira metade da época correu tão bem ao jogador de 35 anos (feitos mesmo agora no dia 22 de Dezembro), que o Barcelona ficou interessado nos seus serviços, e apesar de o reforço blaugrana ter vindo de Valencia, estar associado a um clube como é o gigante catalão mostra bem que “velhos são os trapos”.

BRUNO ALVES (FC PARMA)

Quem acompanhou a Seleção das Quinas no Mundial 2018 viu um Bruno Alves fora de ritmo e já para além da sua melhor fase. Seria expectável que o defesa central natural da Póvoa do Varzim repensasse a sua carreira e abraçasse desafios com um menor nível de dificuldade, em ligas secundárias.

No entanto, findado o contrato com o Rangers, onde participou em 25 jogos e marcou 2 golos, Bruno Alves decidiu voltar a um campeonato onde já fora feliz ao serviço do Cagliari, para representar o Parma. Mas quem esperava que Bruno Alves fosse apenas uma solução transitória, a verdade é que o português se assumiu como o esteio da defesa do clube histórico recém-promovido e chegou rapidamente a capitão de equipa, substituindo o histórico Alessandro Lucarelli.

Com Bruno Alves a liderar a equipa, o parma encontra-se em 12o lugar, com apenas 21 golos sofridos, menos que Roma e Atalanta e os mesmos que a Sampdória. Uma época memorável de um jogador que se soube reinventar e reencontrar aos 37 anos de idade.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter